1 de nov de 2013

Manual do Criador: Doenças das Aves, Profilaxia e Tratamento



DOENÇAS - MEDICAMENTOS


Verificar sempre aves fracas, pálidas e tristes. Se houver doença, medicá-las, senão, simplesmente, colocá-las em campo para tomar sol, alimento verde e alguma vitamina: Poliforte, Vitagold, Hidrovit e outras similares, Dependendo da Prescrição médica do Veterinário.
É preciso atenção para que não haja o enfraquecimento dos pintos provocado por: Frio - Umidade - Vento - Água Suja - Umbigo Aberto - Cavaco velho e com fungo - Alimentação Velha ou Mofada - Milho sem procedência - Instalação sem ser pulverizada.
Algumas sugestões que podem ser indicadas pelos veterinários independente das vacinas:


 HIDROVIT – Nos pintos de 1 dia
 SANEPRIM – Combate a Coli e as principais doenças, do quarto ao décimo dia.
 AGROVIT PLUS – A base de benzipexicilina procaína, infecções com processos progênitos.

 NEOMICINA – Efeito mais intestinal, também usado para bovinos e equinos.
 ENROTRIL – contra coriza, 40 ml em 1 litro de água = sulfamicina, indicado
      também para coccídeos, cólera, tifo aviária.
 TYLAN 200 – tilosina base: antibiótico bom para coriza e pneumonia.
 COLISTINA SOLUVEL-Diarreias, pseudômonas, echitericia coli. Remédio de
     verme conforme tabela, sobretudo, nas aves com cloaca suja.
 VACINA BIO SHS VIVA – contra pneumovirose aviária para aves poedeiras.
 IBATRIM ORAL – sulfadiazina sódica + trimetropim, contra colibacilose,
      cólera, doença respiratória, tifo aviário.
 POTENAY – Complexo vitamínico.
 POLIFORTE – Complexo vitamínico
 VITAGOLD – Complexo vitamínico
 ADETHOR – Complexo vitamínico
 GEROTREX H3 – Complexo vitamínico
A Coli tem muito a ver com a água e a limpeza do aviário. As principais características são as asas caídas, abatimento e sem se alimentar. Ataca muito os pintos. A galinha infectada prejudica o pinto. Se necessário, fazer o exame de laboratório com antibiograma para detectar qual o antibiótico sensível - MEDICAR TODO PLANTEL.
Nos climas muito úmidos, uma doença muito comum é a coriza, e existem vários medicamentos que podem ser indicados pelo veterinário: terramicina L.A, amoccilína, cilroflocxacina, sulfoelopiridazina - trimetropím - enrotril - enrofloxacina (mais respiratório), neomicina (mais intestinal), sulfaquinoxalina excelente para coccídeos, sulfaclopiridazina - eritromicina - cefalecina.
O exame de laboratório com antibiograma é fundamental na indicação do antibiótico mais sensível ao plantel afetado pela doença.

ALGUMAS INFORMAÇÕES DE DOENÇAS E PROVIDÊNCIAS:

Doenças de Marek:

É uma doença causada por vírus, também conhecida como Paralisia das Aves. Causa tumores nos nervos, nos rins, baço, fígado, intestinos, coração e músculo. Os sintomas variam de acordo com a localização dos tumores. Podem ocorrer diarreias, as aves ficam ofegantes. Afeta o sistema nervoso central das aves. O crescimento e a reprodução sofrem decréscimos.

SOLUÇÃO
Severa limpeza e desinfecção. Isolamento das aves doentes. A vacinação deve ser realizada em pintos de 1 dia de idade e aplicada no dorso ou no pescoço.

Newcastle:

São causados por um vírus, muito contagiosos. Os primeiros sintomas consistem em queda do consumo de alimentos, bronquite com tosse e espirros. As aves perdem o equilíbrio, andam em círculos, entortam o pescoço e tem diarreia. Chegam á morte rapidamente.
SOLUÇÃO:
As aves doentes devem ser isoladas, os viveiros desinfetados rigorosamente, assim como todos os bebedouros e comedouros. A vacinação é feita via nasal ou ocular, mas também pode ser feita via muscular, no peito ou na coxa.

Pulorose

Também chamada "Diarreia Branca" é uma infecção causada por Salmonela. Causam problemas na reprodução, fertilidade, atraso de crescimento e queda de produção. Há sonolência, apatia, diarreia amarelada, asas pendentes e as fezes se acumulam em torno do ânus, há dispneia da crista,
SOLUÇÃO:
O tratamento é feito com antibióticos e sulfa, desinfecção rigorosa e separação das aves contaminadas.

Tifo Aviário:

É provocada por Salmonela, provoca palidez da crista. Apatia, penas arrepiadas, diarreia amarelo ou esverdeada, febre, sede intensa, ou artrite.
SOLUÇÃO:
O tratamento é feito com algumas sulfas e antibióticos específicos, A doença aparece normalmente por práticas anti-higiênicas e mau manejo,

Aspergilose:

É uma infecção que ataca as aves, sendo provocada por fungos. Causam alterações no aparelho respiratório (ronqueira), perda de apetite, enrijecimento das articulações e paralisia, diarreia, apatia, queda na produção. Confunde-se com a coriza e a bronquite infecciosa.
SOLUÇÃO:
Não há vacina. O tratamento é feito com antibiótico e pulverização periódica dos viveiros com fungicida

Coccidiose:

Provoca a queda na produção e o atraso no crescimento. Doença parasitária do trato intestinal é transmitida através de fezes, cama úmida e água suja, O calor e umidade favorecem o aparecimento da doença. As aves tornam-se apáticas, perdem o apetite e ficam pálidas.
As fezes apresentam-se aquosa e sanguinolenta, pois, a doença provoca severa inflamação da mucosa intestinal.
SOLUÇÃO:
A desinfecção das instalações é o melhor meio de prevenção. Uso de cama limpa, limpeza e desinfecção de comedouros e bebedouros. Boa alimentação é indispensável.

Cólera:

Também conhecida como Pasteurelose Aviária, é um germe, apresenta sintomas de febre e sede intensa, respiração ofegante, sonolência e diarreia.
SOLUÇÃO:
Vacina no tempo indicado.

DOENÇAS – PROFILAXIA.

CORIZA:


É uma doença das vias respiratórias caracterizada pela Inflamação das mucosas do aparelho respiratório, podendo por vezes atacar o globo ocular.
Quando a coriza vem sem febre, de forma aguda, e provocada por vírus caracteriza o estado de uma simples constipação, a qual pode ser provocada por muitos tipos de vírus, entre eles a influenza, o rinovírus, etc. Pólens, poeiras de fenos e serragens também são capazes de irritar a mucosa nasal provocando a coriza. Assim, na forma benigna, as aves conservam quase a vivacidade normal, notando-se, no entanto a saída pelas narinas de um líquido mucoso. Na forma grave há inflamação da face, falta de apetite, espirros frequentes, corrimento nasal c por fim vem à morte, que pode atingir 50% dos efetivos.
Esta doença tem alcance mundial- especialmente em climas temperados e tropicais. Implica uma enorme importância económica uma vez que, pode ser responsável pela queda de postura (40% de perda). Ocorre principalmente em aves de postura e raramente em frangos.

PROFILAXIA

Separar as aves afetadas
Alimentação rica em vitamina A
Antibiótico na água da bebida
Ventilação adequada:
Vacinação

TRATAMENTO

Antibióticos
Clorar (ou adicionar desinfetantes á base de iodo) a água de bebida.





SÍNDROME DE QUEDA DE POSTURA

É uma doença infectocontagiosa, de ocorrência em vários países do mundo, que afeta as galinhas adultas causando, diminuição da qualidade interna do ovo e má qualidade da casca. Assim, a importância econômica está ligada à perda na produção e má qualidade dos ovos.
O ADENOVÍRUS EDS afeta apenas as espécies aviárias mantendo-as aparentemente saudáveis e não causa danos à saúde humana. Como sinais clínicos podemos observar diarreia severa durante a fase e crescimento, sonolência, baixo consumo de ração e por vezes, as galinhas comem os ovos. Os ovos por sua vez, aparecem com casca fina,
sem casca, com casca deformada e descolorida, com redução no peso e depósito de cálcio sobre a casca, Esta enfermidade não causa mortalidade nas aves.

PROFILAXIA

Vacinação
Não utilizar galos suspeitos no acasalamento de aves
Não utilizar equipamentos de lotes positivos em lotes negativos
Desinfecção dos aviários com ou solução de iodo
Utilizar hipoclorito de sódio à base de 3 ppm na agua de bebida das galinhas para
evitar possível contaminação por aves aquáticas em reservatórios naturais.

TRATAMENTO
Não há tratamento para esta enfermidade.

GUMBORO

A doença infecciosa da bursa (IBD) ou doença de gumboro é uma virose que afeta aves de várias idades.
As aves afetadas apresentam: diarreia, depressão, prostração, cristas pálidas, atrofia, hemorragias musculares, edema, etc. Aparecem processos secundários como: menor resposta ás vacinas, maior incidência de coccidiose e outros processos patológicos.
O sorotipo 1 está presente na maioria dos aviários de grandes dimensões, comerciais.
Naqueles se pratica uma vacinação correta, os sinais clínicos são raros.




PROFILAXIA

A melhor é a prevenção. A vacinação das reprodutoras com vacinas inativadas para proporcionar uma boa imunidade passiva à descendência. Os pintos devem ser vacinados com vacinas vivas no momento em que os níveis de imunidade maternal sejam adequados para que a vacina não se neutralize. São utilizadas várias fórmulas para calcular a idade ideal de vacinação. A "Fórmula
Deventer" é utilizada nos Países Baixos. Esta tem vantagens como o poder ser
usada para todo tipo de aves: frangos de corte, matrizes e poedeiras; as datas de coleta de amostras de sangue são flexíveis: de 1 a 10 dias após a eclosão; permite determinações em lotes com distribuições uniformes c também irregulares de títulos e pode ser aplicada para todos os tipos de vacinas contra
1BD.

TRATAMENTO

Não existe um tratamento eficaz contra a doença. O que se pode fazer é controlar os agentes secundários e os efeitos da imune supressão.

NEWCASTLE

Virose respiratória, também com sintomatologia nervosa e digestiva. É altamente contagiosa. Também conhecida por pseudo-peste.
As aves apresentam conjuntivite, podendo haver secreção abundante; problemas respiratórios associados a Mycoplasma sp; diarreia esverdeada e mais tarde começam as complicações nervosas como torcicolos (pela encefalite), queda de postura (até 100%). ovos deformados, tarsos assentes no chão, etc.
Enfermidade político sanitário que pode matar até 100% das aves de um lote de qualquer espécie e qualquer idade. A exportação fica inviabilizada se não houver controle da doença no país.

PROFILAXIA

 Boa desinfecção dos galinheiros
Separar as aves doentes.
Vacinação dos pintos nos primeiros 15 dias de vida, Revacinação.

LARINGOTRAQUEÍTE INFECCIOSA

A Laringotraqueíte Infecciosa (LT1) é uma doença respiratória aguda e altamente contagiosa das aves. A importância desta doença deriva das perdas econômicas ocasionadas pela alta mortalidade, diminuição do desempenho produtivo e diminuição da produção de ovos e alto consumo de medicamentos,
Embora a Laringotraqueíte possa afetar todas as aves, em qualquer idade, as galinhas são os principais hospedeiros da doença e os sintomas são mais observados nas aves já adultas.
A porta de entrada natural da doença o trato respiratório superior e a via ocular, e a transmissão ocorre pelo contato direto entre aves ou indiretamente através de equipamentos e cama contaminados. Em geral, o curso da LT varia entre sete a dez dias pode-se manifestar de duas formas. A primeira delas é a forma aguda, na qual a ocorrência e a disseminação são rápidas, com alta mortalidade chegando a ser maior que 50%. Algumas aves morrem com bom peso corporal e pescoço distendido devido à dificuldade respiratória. Sinais clínicos como a tosse normalmente ocorrem acompanhados da observação de coágulos de sangue nas narinas e no piso.
A outra forma de manifestação é a subaguda. Onde a sintomatologia é semelhante a anterior, porém com a mortalidade variando entre 10% e 30%. Além das perdas decorrentes da mortalidade de aves, a LT é responsável pela queda na produção de ovos, porém sem afetar a sua qualidade.

PROFILAXIA

Vacinação
Boa lavagem e desinfecção dos pavilhões;
Aquecimento dos galpões por 100 horas a 100 °F, antes do alojamento de novas aves;
Reforçar as medidas de biossegurança.

SÍNDROME DA CABEÇA INCHADA:

A SHS, ou Síndrome da Cabeça Inchada, é uma enfermidade que acarreta a um quadro respiratório, com edema facial e submandibular, presença de sinais nervosos, queda na produção e na qualidade dos ovos. Em frangos são observados secreção nasal, depressão e edema subcutâneo. Com frequência os quadros são agravados pela presença de infecções secundárias, principalmente E. Colí.
Em matrizes e poedeiras a mortalidade fica em torno de 1% a 3%, porém ocorrem perdas devido à queda de postura de 1% a 10% durante 2 a 3 semanas e aumento da morte embrionária em incubadora em tomo de 3% a 10%.

PROFILAXIA 


Manejo e densidades adequadas.
Controle ambiental de poeira e amordaço (níveis inferiores a 15 ppm).
Controle microbiológico da água

TRATAMENTO

Uma vez que a infecção pelo Pneumovírus Aviário não pode ser controlada por meio de medicação, o uso de vacinas atenuadas em aves jovens, e inativada em matrizes e poedeiras comerciais antes do inicio da postura, tem sido amplamente recomendado.

BOTULISMO


É uma intoxicação aguda causada pela neurotoxina* do Clostridium botulinum.
Provocando debilidade, prostração e paralisia flácida que levam à morte.
As aves afetadas apresentam: paralisia flácida das pernas, asas, pescoço e terceira pálpebra. Inicialmente, as aves afetadas ficam deitadas e não se mexem (se forçadas a caminhar, parecem aleijadas). As asas caem o pescoço encontra-se distendido para frente e apoiado no chão. As aves afetadas apresentam penas arrepiadas, que podem ser facilmente destacadas da pele. Por vezes, observa-se diarreia.

PROFILAXIA

Recolhimento rápido das aves mortas e incineração
Remoção das camas, limpeza e desinfecção com hipoclorito de cálcio ou formalina.
Controle de moscas

TRATAMENTO

Isolamento das aves doentes
Antibióticos (estreptomicina, etc.) para redução de mortalidade.

ENTERITE NECRÓTICA

É uma emerotojiemia aguda, não contagiosa encontrada principalmente em animais jovens. Suas características são o aparecimento súbito, a necrose confluente da membrana da mucosa do intestino delgado, rápida debilidade e morte. As aves apresentam severa apatia, diminuição do apetite.

PROFILAXIA

Manuseio ambiental adequado
Uso de enzimas para diminuir a viscosidade intestinal
Uso de probióticos, que colonizam o trato intestinal, reduz o PH, produzem bactericidas.
Uso de ácido orgânico

TRATAMENTO

Antibióticos

COCCIDIOSE

É uma das doenças mais importantes da avicultura.
Não bastando o fato de que o agente cause enterite e diarreia, consequentemente, uma diminuição na absorção intestinal de nutrientes, há ainda um efeito sinérgico dos coccídeos com outras doenças.
A coccidiose intestinal da galinha é devida à presença de uma bactéria a Eimeriatenella Esta produz uma afecção grave e contagiosa, causadora de perdas consideráveis, É muito resistente podendo viver de um ano para o outro. São principalmente os animais novos os mais atacados e os menos resistentes,
À infecção faz-se por via digestiva e são as aves que comem as fezes, água ou ração contaminadas que apanham a doença.
Os pintos doentes mostram-se arrepiados com as asas caídas, friorentos, umas vezes o apetite mantém-se outras não, geralmente são afetados na 1o há 10° semana. Os sinais clínicos apresentam graus variados de patogenicidade aos seus hospedeiros, dependendo qual a espécie de Eimeria que provoca a doença.

PROFILAXIA

Higiene nos aviários
Separar as aves afetadas
Alimentação à base de lacticínio.
Coccidiostático natação
Vacinação