1 de out de 2016

Raças de Bovinos de Corte

A produção animal pode ser considerada como o resultado da utilização dos recursos genéticos (raças, tipos, etc.), dos recursos ambientais e socioeconômicos disponíveis numa região ou país, das práticas de manejo adotadas e das possíveis interações entre esses componentes. 
Há várias maneiras de combinar os elementos dos componentes entre si, o que resulta em grande número de possíveis sistemas de produção. Em geral, os sistemas de produção mais eficientes são aqueles que otimizam os recursos genéticos, ambientais e socioeconômicos e as práticas de manejo em todos os componentes do ciclo produtivo da carne bovina (reprodução - aumento em número; produção - aumento em tamanho; e produto - aumento na qualidade).
No mundo, há aproximadamente mil raças de bovinos, das quais duzentos e cinqüenta têm alguma importância numérica. No Brasil, há cerca de 60 raças que podem ser exploradas para produção comercial de carne bovina.
As diferenças entre as raças quanto às características morfológicas, fisiológicas e zootécnicas podem ser atribuídas às diferentes pressões e direções da seleção às quais elas foram submetidas durante o processo evolutivo. Desse modo, cada raça é dotada de composição genética diferente, principalmente para as características relativas ao tipo racial (cor da pelagem, presença ou ausência de chifres, conformação do perfil da fronte, tamanho da orelha, etc.) e, provavelmente, para os atributos relacionados com a habilidade de adaptação ao ambiente (adaptabilidade). 
A diversidade genética existente entre as raças bovinas pode ser utilizada de três maneiras: 
  1. criação ou introdução da raça pura melhor adaptada ao sistema de produção; 
  2. formação de novas raças; e  
  3. utilização de sistemas de cruzamento. As duas primeiras podem ser praticadas por meio da realização de cruzamentos por apenas algumas gerações, uma vez que o objetivo final é a introdução de raça pura melhor adaptada ou a formação de nova raça (futuramente, uma raça pura). 
A utilização de sistemas de cruzamento, por outro lado, é uma forma de aproveitamento da diversidade genética e dos ganhos genéticos obtidos nos programas de melhoramento das raças puras de maneira permanente e contínua, sem a preocupação de obter uma nova raça ou introduzir uma raça pura no sistema de produção. 
As estratégias de utilização dos recursos genéticos envolvem diferentes alternativas de seleção. A seleção dentro de raças puras é feita com base no modelo aditivo simples quanto ao tipo de ação gênica. Na prática, a seleção de raças puras geralmente produz ganhos genéticos próximos daqueles previstos teoricamente.
A utilização de cruzamentos, por outro lado, é considerada como alternativa à seleção. No entanto, precisa ser ressaltado que as alternativas de seleção e de cruzamentos não são mutuamente exclusivas. Qualquer sistema de cruzamentos ou esquema de formação de novas raças depende dos programas de seleção das raças puras utilizadas no processo. 
O programa de melhoramento animal pode ser sistematizado em 10 passos seqüenciais:  
  1. descrição do sistema de produção;  
  2. estabelecimento do objetivo do sistema de produção;  
  3. escolha da estratégia de utilização e dos recursos genéticos;  
  4. obtenção de parâmetros de seleção (herdabilidade, correlações) e pesos econômicos relativos;  
  5. delineamento do sistema de avaliação; 
  6. desenvolvimento dos critérios de seleção;  
  7. delineamento do sistema de acasalamentos;  
  8. delineamento do sistema de multiplicação dos animais selecionados; 
  9. comparação de alternativas de programas de melhoramento; e  
  10.  revisão do programa com base nas modificações futuras e, se for o caso, na segmentação do sistema de produção de carne bovina. 
Qualquer que seja a estratégia a ser escolhida, um aspecto fundamental na utilização dos recursos genéticos e ambientais para a produção de bovinos de corte é a visão do sistema de produção como um todo, isto é, da concepção do bezerro até o consumo da carne. 
A eficiência de qualquer sistema de produção, por sua vez, é função de três componentes:  
  1. eficiência reprodutiva do rebanho de vacas; 
  2. eficiência do ganho de peso dos animais jovens; e  
  3. qualidade do produto.  
A avaliação de apenas um ou dois componentes pode conduzir a recomendações discutíveis, particularmente quanto à eficiência econômica do sistema de produção.
Valores econômicos relativos dos três componentes da eficiência produtiva em bovinos de corte são mostrados na Tabela 4.1, considerando-se cinco situações diferentes. Os valores econômicos relativos mostram a importância de cada componente da eficiência no ciclo produtivo de bovinos de corte.
Embora possa parecer óbvio, é necessário enfatizar que as características de produção não têm importância para o produtor de bovinos de corte se não há bezerros vivos, sadios, produzidos no rebanho, cujas mães fiquem prenhes na estação de monta seguinte. O aumento do ganho de peso e o melhoramento da qualidade de carcaça são características inúteis sem um bezerro vivo, já que elas simplesmente não se realizam.As características relacionadas à eficiência reprodutiva (aumento em número de animais) são de importância fundamental em qualquer situação (Tabela 4.1). O aumento da eficiência reprodutiva (taxa de desmama, por exemplo) é de 2 a 10 vezes mais importante do que o aumento no componente de produção (ganho de peso, por exemplo). 
O aumento da eficiência reprodutiva é muito mais importante (10 a 20 vezes) do que o melhoramento da qualidade do produto, para os sistemas de produção dos Estados Unidos (Tabela 4.1). No Brasil, essa relação é maior do que 300 vezes para os sistemas de produção de bovinos de corte em regime exclusivo de pastagens, o que evidencia a importância do melhoramento da eficiência reprodutiva dos rebanhos brasileiros.
As características de produção (aumento em tamanho), por sua vez, são duas vezes mais importantes do que as características relacionadas com a qualidade do produto nos sistemas integrados de produção de carne bovina dos Estados Unidos (Tabela 4.1). No sistema de produção predominante no Brasil (extensivo e em pastagens), no entanto, as características de produção, principalmente o ganho de peso após a desmama, têm valor econômico relativo 175 vezes maior do que aquelas relacionadas com a qualidade do produto. Isto faz com que o aumento do ganho de peso após a desmama seja o principal fator de contribuição para a redução da idade de abate dos animais, com efeitos indiretos na qualidade do produto.
Outro aspecto importante dos sistemas de produção de bovinos de corte refere-se ao fato de diferentes animais desempenharem funções diferentes no ciclo da produção. A menor unidade de produção é composta por três categorias de animais: vaca, touro e bezerro. Na Tabela 4.2 estão relacionadas as características de maior importância e as especificações desejáveis de cada um dos componentes da unidade de produção.
As características desejáveis nos três componentes da unidade de produção (sinais iguais ou neutralidade) são fertilidade alta, adaptação ao ambiente, longevidade, saúde e docilidade (Tabela 4.2). A ocorrência de sinais diferentes indica a existência de antagonismos entre tamanho pequeno (desejável nas vacas e indesejável nos bezerros) e ganho de peso elevado (desejável nos animais de abate, indesejável nas vacas). Esses antagonismos são, em geral, resultantes da correlação genética negativa e desfavorável entre tamanho à maturidade e grau de maturidade numa determinada idade. 
Um terceiro aspecto a ser considerado na avaliação das estratégias de utilização dos recursos genéticos é o possível antagonismo entre os objetivos econômicos das fases de reprodução (aumento em número) e produção (aumento em tamanho) nos sistemas de produção de bovinos de corte. Em geral, os custos fixos são atribuídos por animal, independentemente do seu tamanho. Além disso, o aumento em número (maior eficiência reprodutiva) provoca redução nos preços de venda por animal. A médio e longo prazos, os ciclos de preços da carne bovina são, pelo menos em parte, reflexo desse tipo de antagonismo.
Por último, mas nem por isso menos importante, há os antagonismos de natureza genética entre as características de produção (pesos, ganhos de peso) e de reprodução (intervalo de partos, taxa de concepção) em bovinos de corte. Para as condições brasileiras, foram obtidos resultados que indicaram a existência de antagonismo genético entre peso à desmama e eficiência reprodutiva de fêmeas da raça Canchim, criadas em regime de pastagens. Resultados semelhantes têm sido obtidos em outros países e outras raças de bovinos de corte. Com algumas exceções, o tamanho maior à maturidade parece não ser desejável em bovinos de corte. Este tipo de conclusão depende, obviamente, das condições ambientais em que os animais são produzidos.
É importante ressaltar que o objetivo principal da produção animal, seja ela praticada de forma extensiva ou intensiva, é atender as exigências de mercado. É difícil predizer o futuro, porque uma amplitude de cenários diferentes pode ocorrer. No entanto, esses cenários possíveis podem servir como indicação do tipo de animal que será demandado no futuro. 

Neste sentido, dois aspectos são importantes: 

  1. manutenção (ou mesmo aumento) da variabilidade disponível em bovinos de corte; e 
  2. aumento na flexibilidade para praticar mudanças no tipo de animal em resposta às mudanças nas exigências de produção e de mercado. 
A produção de carne bovina no Brasil é praticada de forma extensiva. Na maioria das regiões produtoras predomina o sistema de cria, recria e engorda, em regime exclusivo de pastagens e com práticas de manejo inadequadas. A intensificação dos sistemas de produção ainda é incipiente no País, mas um cenário possível, a médio prazo, é que as fases de cria e recria sejam praticadas em pastagens de melhor qualidade e melhor manejadas e que a fase de engorda seja feita em regime de confinamento ou semiconfinamento, visando à redução da idade de abate dos animais e à produção de carne de melhor qualidade. 
Na Figura 4.1 são ilustradas as relações entre as alternativas possíveis envolvendo seleção, cruzamentos e formação de novas raças em bovinos de corte. O ponto de partida considerado foi a utilização de uma "raça exótica" em cruzamento com fêmeas da população local. Assim, a estratégia colocada em discussão é a utilização de cruzamentos para intensificação da produção de carne bovina. As questões na Figura 4.1 precisam ser respondidas com níveis adequados de precisão. Do contrário, torna-se praticamente impossível estabelecer a estratégia de utilização dos recursos genéticos mais adequada ao sistema de produção. 
http://172.16.14.88/migracao/FontesHTML/BovinoCorte/BovinoCorteRegiaoSudeste/fig41.gif

Figura 4.1. Aspectos importantes a serem considerados na escolha estratégica do sistema de utilização e dos recursos genéticos em bovinos de corte.  

Fonte: Adaptado de Cunningham, 1981
Com base nos resultados obtidos no Brasil, concluiu-se que os animais cruzados foram, em média, 15% superiores aos de raças puras quanto às características de crescimento (pesos e ganhos de peso), mas tiveram maior consumo de matéria seca (12%) e as fêmeas apresentaram maior peso à maturidade (13%). A maior vantagem dos cruzamentos, para as condições brasileiras, parece estar na utilização de fêmeas cruzadas, que foram 20% mais eficientes do que as de raças zebuínas quanto à taxa de gestação. Estes resultados indicam que a resposta à primeira pergunta da Figura 4.1 é positiva, para a maioria das condições ambientais encontradas no Brasil.
Mas, quais raças exóticas são as mais adequadas para os diferentes sistemas de produção? A resposta é dependente dos resultados observados com a utilização de determinada raça exótica, seja como raça pura ou em cruzamentos, nas diferentes regiões edafoclimáticas do Brasil, dos resultados obtidos pelas instituições de Pesquisa e Desenvolvimento e, muitas vezes, dos "modismos" criados por estratégias de "marketing" bem sucedidas. Felizmente, há mais de mil raças de bovinos no mundo, das quais 250 têm número de animais suficiente para atender a demanda, isto é, a escolha estratégica da(s) raça(s) é possível, tanto para atender as necessidades do mercado quanto para compatibilizar as exigências dos animais com as condições ambientais.
Outra questão que ainda não foi respondida de maneira adequada é a percentagem desejável das raças exóticas na composição genética dos animais. Nos casos em que a superioridade das raças exóticas foi marcante, houve a substituição da raça local, como já ocorreu no Brasil no período de 1930 a 1960, quando as raças Caracu e Mocho Nacional foram substituídas pelas raças zebuínas, de maneira gradual, começando com Gir, Indubrasil e Guzerá e, mais tarde, terminando com Nelore. Atualmente, mais de 75% do rebanho bovino de corte é Nelore ou de alta mestiçagem de Nelore e outras raças zebuínas. 
Esse processo de substituição das raças locais (Caracu e Mocho Nacional) foi devido, em grande parte, aos resultados obtidos na Estação Experimental de Zootecnia de Sertãozinho, SP, no período de 1934 a 1942, no projeto de cruzamentos de touros de raças taurinas (Aberdeen Angus, Charolesa, Devon, Hereford, Limousin e Pardo-Suíço) e zebuínas (Gir, Guzerá e Nelore) com vacas das raças Caracu e Mocho Nacional. A taxa de mortalidade do nascimento aos três anos de idade foi muito maior nos animais cruzados de raças taurinas (47,1%) do que nos de raças zebuínas (18,8%). As recomendações técnicas foram a paralisação do projeto de cruzamentos e o estabelecimento de projetos de avaliação e seleção do Zebu para produção de carne. Essas recomendações tiveram grande impacto no processo de tomada de decisões dos produtores. 
Ainda quanto à composição genética dos animais, tem sido geralmente aceito que a proporção ideal é 5/8 Bos taurus + 3/8 Bos indicus, mas isso não tem suporte na teoria da heterose residual. Acredita-se que a definição dessa proporção ideal tenha sido derivada de uma publicação em que se diz que a raça Santa Gertrudis é composta de aproximadamente 5/8 Shorthorn + 3/8 Brahman; com a supressão do termo grifado, parece que a proporção foi sendo difundida como a ideal. Evidentemente a proporção ideal varia de acordo com as condições ambientais e as exigências de mercado, mas pouco tem sido feito no Brasil para obter informações sobre o assunto.
Na seqüência das questões (Figura 4.1), vem a importância da heterose na eficiência líquida do sistema de produção. A resposta a esta questão ainda depende de projetos de pesquisa delineados para a obtenção de resultados sobre o sistema de produção como um todo. 
As necessidades de pesquisa em sistemas de cruzamento foram levantadas por alguns autores, destacando-se a obtenção de estimativas dos efeitos aditivos e heteróticos, a avaliação econômica comparativa das estratégias de utilização dos recursos genéticos e a caracterização das raças e dos ambientes onde elas são criadas.
Finalmente, há a questão sobre a escolha estratégica entre a formação de novas raças e a utilização de sistemas de cruzamento. Se as respostas às duas últimas questões foram positivas, então a seleção nas populações produtoras de reprodutores assume papel fundamental na escolha estratégica dos recursos genéticos.
Para a intensificação dos sistemas de produção de bovinos de corte, a escolha estratégica do sistema de utilização (raça pura, nova raça, sistemas de cruzamento) e dos recursos genéticos (raças) deve ser feita com base nas respostas obtidas sobre algumas questões, como aquelas explicitadas na Figura 4.1. As opções estratégicas são a seleção de raças puras, a formação de novas raças e a utilização de sistemas de cruzamento entre raças. Deve ser lembrado, mais uma vez, que estas opções não são mutuamente exclusivas e, por isso, devem ser consideradas como complementares. Tanto a formação de novas raças quanto a utilização de sistemas de cruzamento dependem da seleção como meio para a obtenção de animais adaptados às condições ambientais e adequados às exigências do mercado de carne bovina.

ABERDEEN ANGUS



Origem
Os criadores da região de Angus e do condado de Aberdeen no oeste e nordeste da Escócia empenharam-se na formação da raça, daí o nome Aberdeen Angus. Foi reconhecida oficialmente em 1835.

Características
A raça Aberdeen Angus é de porte grande, pesando as vacas de 600 a 700 kg, e os touros, de 800 a 900 kg. Em média, as novilhas dão a primeira cria aos dois anos. Os bezerros nascem pequenos, em comparação com os de outras raças britânicas, mas crescem rapidamente. Os machos nascem, aproximadamente, com 28 kg e as fêmeas com 26 kg. Sua carne apresenta boa marmorização (gordura entremeada bem distribuída) e rendimento de carcaça elevado.Devido à qualidade da carne, à eficiência na conversão de alimentos, ao elevado rendimento de carcaça e por ser mocho, a raça Angus é muito apreciada para cruzamentos. Sua adaptabilidade permitiu a introdução e difusão em muitos países do mundo, onde ocupa um papel importante na produção de novilhos de corte.

BELGIAN BLUE



Origem
Originou-se na Bélgica central, formado pelo cruzamento do gado nativo da região com o gado de Shorthorn, importado da Inglaterra de 1850 à 1890. Corresponde quase à metade do rebanho Belga. É cogitada a presença do sangue da raça charolesa na formação do Belgian Blue. A raça Belgian Blue é relativamente nova na América do Norte e América do Sul, mas está ganhando aceitação rapidamente pelos criadores.

Características
Em princípio, a raça foi dividida em duas linhagens, uma para produção de leite e a outra para a produção de carne. A seleção para a musculatura prevaleceu, sendo que hoje a raça é selecionada basicamente para a produção de carne. O Belgian Blue não é um animal grande, apresenta linhas arredondadas e músculos proeminentes. O ombro, quarto traseiro, lombo e anca são muito musculosos. A pelagem é de coloração composta de branco, azul e às vezes negro. A cesariana, no parto de vacas Belgian Blue é freqüentemente necessária.

Aos 12 meses de idade os machos apresentam uma média de peso de 470 kg e altura de 1,20m, já as fêmeas 370 kg e 1,15 m de altura. Aos 24 meses os machos chegam a 770 kg e 1,35 m e as fêmeas 500 kg e 1,20 m. As características de carcaça do Belgian Blue são substancialmente transmitidas quando a raça é usada em cruzamentos comerciais, isto explica o crescente uso da raça em cruzamento terminal, não só pelas características da carcaça como também pelo potencial de crescimento.

Com relação à carcaça, os animais tiveram menos cobertura de gordura em relação as raças Hereford e Angus. Os animais Belgian Blue também mostraram 16% a menos de marmoreio e maior área de olho de lombo, de acordo com os novos padrões de carne magra.

BLONDE DAQUITAINE



Origem
É originária dos montes Pirineus, em terrenos pedregosos e de pastagens muito pobres. Isso lhe confere boa rusticidade. Suporta tanto frio quanto o calor intenso, o que é comum naquela região.

Características
Originariamente a raça Blonde DAquitaine é considerada de aptidão mista, trabalho e corte. Atualmente, o sistema de manejo busca a especialização para o corte que predominou em virtude das crescentes exportações e da implantação de rebanhos Blonde DAquitaine nas regiões do centro e do oeste da França. O Blonde foi introduzido no Brasil em 1972 na exposição de Esteio-RS, anos mais tarde foram feitas as primeiras importações de animais puros o que permitiu a formação do atual rebanho puro existente no país. 

BONSMARA



O gado Bonsmara é resultado de décadas de pesquisas realizadas pelo professor Jan Bonsma, na África do Sul. Seu desafio foi criar uma raça que alisasse alta produtividade, adaptabilidade ao clima tropical e carne de qualidade. O nome deriva da junção de Bonsma com Mara, centro de pesquisa onde foram realizadas as experiências, na região do Transvaal.

Com 37 criadores em seu país de origem em 1970, hoje a raça responde por aproximadamente 65% de todos os nascimentos de bovinos da África do Sul.

Com a abertura da África do Sul para o comércio exterior nos anos 90, deu-se início à exportação da genética desta raça para muitos países, entre eles o Brasil, onde chegou em 1997.

A criação do gado Bonsmara segue algumas regras para garantir a qualidade da carne, equilibrando sabor, maciez e suculência, e conquistar a certificação.

São aceitos apenas bezerros de touros Bonsmara com no mínimo 75% de sangue de raças taurinas (não zebu). Testes de DNA são realizados para comprovar a paternidade e composição racial estipulada.

Os animais são tratados por equipes especializadas, recebem alimentação balanceada e ingestão de insumos controlados de modo a que o sabor da carne seja mantido inalterado. O abate se dá de animais jovens, entre 18 e 24 meses.

Na industrialização, uma equipe acompanha o processo e classifica apenas as carcaças que atingem o padrão especificado. Todos os cortes são maturados por no mínimo 14 dias e cada corte é desenvolvido especificamente seguindo instruções rígidas.

BRAFORD



Origem
O Braford, nasceu do cruzamento de vacas Brahman e touros Hereford - Brahman. A raça Braford é aproximadamente 3/8 Brahman e 5/8 Hereford. Na década de 80 a Associação de Criadores de Hereford e a EMBRAPA-Bagé/RS introduziram a raça Braford no Brasil, tornando-se raça registrada em 1993. Atingiu um grande nível de expansão pelo país. O Braford, existe em todos os países de pecuária extensiva relevante. É presença atuante na Austrália, Argentina, África do Sul, EUA e Brasil.

Características
As características marcantes da raça Braford são precocidade, temperamento dócil e velocidade de ganho de peso do Hereford com a resistência, rusticidade e longevidade do Brahman.

BRAHMAN



Origem
Nos Estados Unidos, o gado de origem indiana recebe o nome de Brahman. Surgiu do cruzamento das raças Nelore, Guzerá, Gir, Valley e Sindi. A despreocupação do criador americano em relação à raça, visando uma melhor seleção econômica, levou o gado Brahman a ser uma mescla de raças indianas altamente produtiva; hoje encontram-se rebanhos que cobrem extensas áreas do sul dos EUA, onde predominam o calor e terras úmidas.

Características
É um gado exclusivamente dedicado à produção de carne, apropriado para cruzamentos com as raças européias. As raças Santa Gertrudis, Braford e Brangus originaram-se desses cruzamentos. O Brahman é considerado de tamanho intermediário entre as raças de corte. Os touros pesam geralmente de 720 a 990 quilos e as vacas de 450 a 630 quilos. Os bezerros são pequenos no nascimento, pesando de 30 a 40 quilos. As cores predominantes no Brahman têm tonalidades cinza claro, vermelho e preto. 

BRANGUS



Origem
É uma raça de corte, mocha, formada no sul dos EUA. O Brangus tem 5/8 de sangue Angus e 3/8 de sangue Brahman.

Características
Tem como caraterísticas principais a rusticidade do Brahman e a precocidade do Angus.

BRAVON



Origem
Com a grande procura de raças e animais para cruzamento industrial no Brasil, a Associação Brasileira de Criadores de Devon decidiu desenvolver uma raça sintética, que aliasse as características do Devon às qualidades do Nelore: o Bravon.

Características
A raça Bravon consegue unir a precocidade, fertilidade, habilidade materna e qualidade de carcaça da raça Devon, com as características preponderantes do Nelore: rusticidade, adaptabilidade, longevidade, resistência a endo e ectoparasitas. O Bravon está sendo desenvolvido com sucesso no Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Paraná e Bahia.

CANCHIM



Origem
O Canchim é uma raça originada no Brasil. A raça foi desenvolvida a partir de 1940 pelo técnico Teixeira Vianna, na Fazenda Canchim, do Ministério da Agricultura, em São Carlos (SP), através de cruzamentos entre touros Charoleses e vacas zebus Indubrasil. É adaptado às nossas condições de pasto e clima. É excelente produtor de carne e está espalhado por todo o país. Seu sangue tem 5/8 Charolês e 3/8 Zebu.

Características
Seu comportamento dócil e sua pelagem baia ou amarela brilhante, em diversas tonalidades, associado às mucosas rosadas ou escuras, são suas características marcantes. Precoce, rústico e resistente ao calor, esse animal é um ótimo produtor de carne; seu rendimento de carcaça chega a 60%. O peso médio dos bezerros ao nascer é acima de 34Kg, atingindo 353 kg aos 18 meses e 410 kg aos 24. Em cruzamentos com vacas zebus produz mestiços pesados e precoces, muito convenientes para os nossos sistemas de criação e de engorda.

CARACU



Origem
O gado Caracu tem sua origem muito discutida. Dizem que sua procedência é o antigo gado Minhoto e Alentejo, bovinos portugueses trazidos para o Brasil na época colonial. É um gado extremamente rústico, que vive e se reproduz mesmo em pastagens de má qualidade. O Caracu produz leite e carne e é adequado para tração, mas deixa muito a desejar quando comparado a raças especializadas. Vem sendo muito utilizado para cruzamento industrial.

Características
Inicialmente, foi encarado como um boi de corte, embora sempre fosse reconhecido como excelente animal de trabalho. Depois, procurou-se o desempenho de três funções econômicas: produção de carne, leite e tração, com interesse especial nas duas primeiras. Possui pelagem amarela (alaranjada uniforme) variando na tonalidade. O couro é de espessura média, macio e solto. As mucosas ao redor dos olhos são desprovidas de pigmentos. Sexualmente, é um pouco tardio. Extremamente rústico, graças à sua longa adaptação ao nosso país, é bastante resistente às moléstias endêmicas e a ectoparasitas. 

CHAROLÊS



Origem
O Charolês é um gado que surgiu na França, onde está difundido por todo o país. Seu nome deriva da antiga província francesa de Charolles. Sua extraordinária produção de carne fez com que esse gado se espalhasse por todo o mundo apesar de ter sido, em sua origem, um gado de tripla aptidão (carne, trabalho e leite). No Brasil é usado principalmente na formação do gado Canchim.

Características
O Charolês é recomendado para a produção de mestiços destinados ao corte. Os novilhos comuns rendem no abate de 58 a 62%, tendo a carcaça boa distribuição de gordura. É excelente ganhador de peso em confinamento. Seu peso na idade adulta é de 600 a 800 kg nas vacas e 800 a 1.100 kg nos machos adultos. A pelagem é branca ou creme, uniforme.Suas mucosas são róseas. 

CHIANINA



Origem
A raça Chianina tem sua origem na Itália, numa região de grande variedade de solos de planície, colinas e áreas montanhosas. Era inicialmente utilizado como animal de tração sendo ainda hoje utilizado para esse fim em pequenas propriedades italianas. É pouco conhecida fora da Itália. Sua introdução em nosso País, deve-se a criadores interessados em cruzá-la com o Zebu.

Características
É caracterizado pela pelagem branca porcelana, contorno dos olhos e a vassoura da cauda com pelos negros. O focinho, os chifres e as unhas são pretos. É hoje uma das maiores raças bovinas do mundo, podendo os machos alcançar até 1,80 m de altura. Tourinhos de 12 meses de idade chegam a pesar entre 400 e 550 kg, os adultos normalmente ultrapassam 1.200kg.

É um gado que se mostra superior a outras raças quando comparado o ganho de peso e a proporção de crescimento após a desmama. Sua precocidade possibilita o abate aos 18-24 meses de idade, em regime de pasto suplementado. De crescimento rápido, grande musculatura e robusta constituição, dá rendimentos de carcaça de 54 a 61%, conforme a idade e o acabamento.

No Brasil, o gado Chianino é apreciado para cruzamentos, especialmente com o Nelore, para a produção de novilhos precoces e pesados. Os bezerros nascem grande, com 40 a 50 quilos; aos seis meses, estão com 260 kg os machos e 225 kg as fêmeas. A boa fertilidade e a grande longevidade (nas fêmeas e nos reprodutores) são outras características da raça. A carne apresenta ausência de gordura entre as fibras e com leve proporção de gordura subcutânea.

DEVON



Origem
De origem Britânica, mais precisamente das montanhas do condado de Devon e Sommerset na Inglaterra, este gado é considerado de tripla aptidão, carne, leite e trabalho. Porém nos demais países onde foi introduzida, é um animal essencialmente produtor de carne. Fora da Inglaterra, cria-se o Devon na América do Norte, Rodésia, Colônia do Cabo, Argentina, Nova Zelândia, Uruguai e Brasil.

Características
Muito apto à engorda, com um rendimento de carcaça bastante elevado, que chega a atingir 70%. Sua carne é das melhores, tendo a gordura bem distribuída, entremeada. Seu peso médio adulto é de 500kg nas fêmeas adultas e entre 600 a 800 kg nos machos com uma estatura de 1,25 m e 1,40m, respectivamente. É caracterizado pela pelagem vermelha uniforme e chifres cor de cera, com as pontas escuras. Prestam-se ao regime extensivo, mesmo em terrenos acidentados.

GIR



Origem
A raça Gir que temos hoje no Brasil corresponde fielmente ao gado Gir encontrado ao sul da península de Catiavar na Índia, de onde procede. É uma raça de dupla aptidão, voltada ao mercado de carnes e produção de leite. Seleções vem sendo feitas, dando resultados ótimos na produção de leite. No passado, muitos criadores deram importância exclusiva a caracteres raciais, de menor importância econômica; depois, evoluíram para a seleção de rebanhos e linhagens com maior capacidade produtiva, tanto para carne como para leite.

Características
As qualidades leiteiras das vacas são bastante pronunciadas, o que beneficia o desenvolvimento do bezerro. Tenta-se a seleção de uma variedade leiteira. Em alguns rebanhos a produção é regular em regime de semi-estabulação. Para isso seria vantajoso formar uma nova raça cruzando o Gir com uma raça leiteira bem adaptada, como, por exemplo, a Holandesa. O bezerro é pequeno, mas muito resistente. Às vezes encontra dificuldade em mamar devido à grossura exagerada das tetas. Quando adulto, atinge cerca de 500kg nas fêmeas e 800kg nos machos. Um grande defeito no Gir, é seu prepúcio muito baixo, que favorece o aparecimento de feridas, podendo inutilizar o reprodutor. 

GUZERÁ



A história do Guzerá perde-se na origem da humanidade, tendo sido encontrados selos impressos em cerâmica e em terracota nos sítios arqueológicos na Índia e no Paquistão. O museu de Bagdá, no Iraque, apresenta muitas peças e artefatos de ouro com a imagem do touro Guzerá, exatamente como ele é hoje. Hoje, a efígie do Guzerá é distintivo do próprio Ministério de Agricultura da Índia e a raça é apontada como sendo "melhoradora das demais raças". No Brasil, o Guzerá está espalhado por várias regiões, mas é notória sua presença na região nordestina, onde foi a única raça que sobreviveu, produtivamente, durante os cinco anos consecutivos de seca (1978-1983), além de ter enfrentado também outras secas históricas (1945, 1952 etc). Também é muito criada no Rio de Janeiro - onde constituiu o primeiro núcleo de Zebu no país - em Minas Gerais, São Paulo e Goiás, e vem se expandindo para todas as regiões, com notáveis resultados.

A Consolidação do Guzerá no Brasil. Foi a primeira raça zebuína a chegar ao Brasil, entre as que persistem. A raça foi trazida da Índia, na década de 1870, pelo Barão de Duas Barras, logo dominando a pecuária nos cafezais fluminenses. Surgia como solução para arrastar os pesados carroções e até vagões para transporte de café, nas íngremes montanhas, e também para produzir leite e carne. Com a abolição da escravidão, em 1888, os cafezais fluminenses entraram em decadência, levando os fazendeiros a buscar maior proveito do gado, por meio da seleção das características produtivas. Os criadores de Guzerá foram os apologistas das vantagens e virtudes do gado, enfrentando a "guerra contra o Zebu", promovida por cientistas paulistas e estimulada pelo Governo Federal, ao mesmo tempo em que abasteciam o Triângulo Mineiro. Mesmo com poucos criadores no país, o Guzerá manteve sua presença nas exposições nacionais e brilhava em concursos leiteiros. Foi a raça escolhida para diversas exportações, estando presente em duas dezenas de países.

Depois da importação de 1962/63, o Guzerá ganhou novo impulso, principalmente no rebanho nordestino, onde era comum ouvir a frase: "quando um Guzerá cai para morrer, todos os demais gados já morreram". O Guzerá na modernidade. A demanda por Guzerá é crescente, em parte porque a vaca mestiça "Guzonel" (Guzerá x Nelore) é uma notável criadeira, unindo rusticidade e peso. Em termos de produção de leite, o grande exemplo ainda vem da Índia, onde o Guzerá consolidou uma bacia leiteira com mais de 1,5 milhão de litros dia, na região de Ahmedabad. No Brasil, os núcleos leiteiros de Guzerá estão em Cantagalo (RJ), Governador Valadares (MG), Taperoá (PB) e Quixeramobim (CE), Baixo Guandu (ES), embora existam dezenas de rebanhos leiteiros fora dos núcleos citados. Por outro lado, as linhagens de Guzerá leiteiro constituem a melhor opção para cruzamento com o Girolando, formando um "tri-cross" leiteiro. Existem 250 associados praticando o registro genealógico. Foram vendidas 108.446 doses de sêmen entre 1995 e 1999, sendo que em 1998 foram vendidas 30.629. Vem crescendo o consumo de doses de sêmen da raça.

A Funcionalidade do Guzerá. O Guzerá é de dupla aptidão, com algumas linhagens definidas para leite e a maioria do gado selecionado para carne. Mesmo as linhagens de leite são de grande porte. Na idade adulta, as fêmeas pesam entre 450 e 650kg, com recorde de 941kg e muitos animais acima de 800 kg. Os touros pesam entre 750 - 950kg, com recordes ao redor de 1.150kg. Ganho de Peso do Guzerá. O Guzerá nasce pesando entre 28 e 29kg. No regime I (campo), pesa 149kg aos 205 dias, 200kg aos 365 dias, e 275kg aos 550 dias. No regime II (semi-confinamento), pesa 155kg, 246kg e 335kg, respectivamente. No regime III (confinamento) pesa 174 kg, 275 kg e 394kg, respectivamente. O Guzerá nos cruzamentos de corte. O Guzerá é uma grande opção que vem sendo descoberta, para a formação da geração F2. Nas vastidões brasileiras, a vaca precisa ter um forte instinto maternal, jamais abandonando a cria. A fêmea Guzerá é inigualável nesse mister. O Guzerá tem sido bastante utilizado em diversos países (Estados Unidos, Costa Rica, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Venezuela, Colômbia, Equador, Paraguai etc) para melhoramento de gado Zebu e azebuado.

HEREFORD



Origem
A raça formou-se no condado de Hereford, Inglaterra, sobre terras onduladas e vales férteis. Seu melhoramento genético foi voltado para a qualidade da carne. Gado de clima frio, atualmente é encontrado nos Estados Unidos, Canadá, Nova Zelândia, Austrália, Argentina, Uruguai e sul do Brasil. Sua aptidão para produção de carne (podem chegar ao abate aos 18-20 meses de idade) e sua fácil adaptação a pastos mais grosseiros, são as características que fazem a raça Hereford famosa.

Características
O Hereford pode ser superado pelo Shorthorn em precocidade, mas leva vantagem na qualidade da carne, rusticidade e reprodução. Seu peso chega a 540kg nas fêmeas e 850kg nos machos. Sua carcaça se distingue pela gordura entremeada bem distribuída, dando aos cortes um aspecto marmorizado. O rendimento de carcaça é alto.

O cruzamento com o zebu, dá ótimos mestiços em conformação e precocidade. Não é adaptado a pastagens grosseiras, porque é uma raça de crescimento rápido e precisa encontrar no pasto os elementos necessários ao desenvolvimento normal. Suas qualidades leiteiras são apenas suficientes para o bezerro. As vacas procriam com regularidade, quando adequadamente nutridas. No Brasil, cria-se desde o Rio Grande do Sul até a Bahia, sendo uma das raças de corte européias que melhor suportam o clima tropical. É muito difundida no Rio Grande do Sul e Uruguai; em diversos países constitui o grosso da criação de gado de corte.

INDUBRASIL



Origem
O Indubrasil surgiu na região do triângulo mineiro, resultado do cruzamento quase que espontâneo das raças Gir, Guzerá e, em menor proporção, Nelore. A idéia principal era de unir as boas qualidades de cada, numa única raça nacional. O gado Indubrasil, ocupa atualmente o quarto lugar entre as principais raças de origem indiana criadas no Brasil. Teve a sua época áurea entre os anos 1920 e 1935. A partir de 1940 os criadores voltaram suas criações para as raças puras indianas e o gado Indubrasil começou a perder terreno até se encontrar no atual estágio. A aptidão econômica desse gado é a produção de carne. Se encontra rebanhos no sul da Bahia, norte de Minas e em Goiás.

Características
As aptidões e qualidades se assemelham muito às das outras raças zebuínas. Todavia, como é uma raça originária de cruzamentos relativamente recentes, sem muita homogeneidade, não apresenta os mesmos resultados de produção. Se criadores cessarem os cruzamentos e fizerem uma seleção bem orientada, é possível que se torne uma raça altamente produtiva. É um gado pesado chegando 700kg nas fêmeas 1000 kg nos machos mais forte, em geral seus rendimentos são menores.

LIMOUSIN



Origem
A raça Limousin é uma raça de corte originada há mais de 7.000 anos na região de Limoges na França. Os criadores souberam selecionar a raça, que se tornou uma das mais eficientes do mundo.

Características
Os cruzamentos de Limousin com Zebu são abatidos precocemente em relação às outras raças. Seu rendimento de carcaça atinge facilmente 65 %. Portanto dependendo do manejo nutricional e sanitário fornecido aos animais, consegue-se tranqüilamente abater animais cruzados com Limousin com idade média de 13 meses, chegando-se a um peso entre 15 e 16 arrobas. A idade média ao primeiro serviço gira em torno de 15 meses quando a novilha atinge peso e maturidade fisiológica ideais ao início da vida reprodutiva, desde que tenha um manejo adequado. O peso médio de nascimento dos bezerros Limousin é 36 kg. 

MARCHIGIANA



Origem
Os bovinos de raça Marchigiana foram introduzidos na Itália, depois do século V, trazidos pelas populações bárbaras, que após a queda do Império Romano invadiram a Península. Resultaram de cruzamentos de bovinos Pullesa e Romanos, com os Chiana. Encontra-se principalmente nas províncias de Ancona, Macerata, Abruzzos, Benevento, Lacio, Campania entre outras regiões do centro-sul da Itália.

Características
Voltado para a produção de carne, o Marchigiana é um gado que se justifica pela alta velocidade de ganho de peso, precocidade, comprimento, grande caixa e alto desenvolvimento das massas muscular, perfeito para corte. Cruzamentos do bovino Marchigiano com raças zebuínas mostraram uma produção de carne excelente chegando ao abate com 18-24 meses de idade. A pelagem do Marchigiano é cinza claro, quase branco, mais escura na vassoura da cauda, nas orelhas e ao redor dos olhos.

Os bezerros nascem bem pesados, com 40 a 50 kg, e apresentam crescimento rápido. Novilhos de corte, com 14 a 16 meses, bem alimentados com concentrados, podem pesar até 550 quilos, com rendimento médio da carcaça de 62%. O gado aproveita muito bem os alimentos e responde ao arraçoamento, isso o torna muito apreciado para o sistema de confinamento. A Marchigiana, como outras raças italianas e ao contrário das variedades britânicas, tem sua carne magra, macia, de ótima ossatura e coloração.

MERTOLENGO



Origem
O nome de Mertolengo para a raça de bovinos em questão está directamente associado à povoação de Mértola, uma vez que os bovinos que existiam na região, por serem diferentes dos vizinhos, assim conduziram a esta designação (Frazão, 1961).
É uma raça de regiões edafo-climáticas severas, do ponto de vista do ambiente envolvente: clima e orografia, tipo de solos, qualidade e quantidade da pastagem natural.
Para Bernardo Lima (1873): um ?alentejano? pequeno, bem adaptado aos cerros de magras pastagens e duros carregos. Rijo para carrear e lavrar nas encostas e serras e produzindo o melhor boi de cabresto. Existindo no Baixo Alentejo, nas terras de Mértola, Alcoutim e Martinlongo.
Das explicações dos diversos estudiosos da raça Mertolenga, salta como reflexo directo da utilização do Mertolengo original ?vermelho? e do Mertolengo importado ?malhado do Baixo Guadiana?, a permanência da geneticamente forte cor branca, dando origem ao Mertolengo rosilho mil-flores (que veio completar a componente ?ruão? da raça bovina Mertolenga) e que rapidamente se expandiu pela região de Serpa e Évora, pela conjugação de vantagens parciais dos outros dois tipos que tiveram como local de solidificação racial a Herdade da Abóboda, devido ao esforço de vários entusiastas e conhecedores, dos quais destacamos: Dr. António Bettencourt e Dr. Isaías Vaz. Este último como Secretário Técnico da Raça, numa fase de turbulência Nacional, conseguiu o grande feito de uniformizar, dentro da sua especificidade, os três fenótipos Mertolengos.
Actualmente, a Raça tem 3 fenótipos distintos, o vermelho ou unicolor, o rosilho, e o malhado.
Os animais desta raça caraterizam-se por terem tamanho mediano, formas harmoniosas, esqueleto fino e o contorno das aberturas naturais e mucosas de cor clara.Têm temperamento nervoso e andamentos fáçeis e enérgicos, são muito rústicos, bem adaptados e de grande longevidade produtiva. Outras características que os definem são cornos finos, brancos, escuros na ponta, de secção elíptica, em forma de gancho, acabanados ou em lira baixa , e cabeça de tamanho mediano, de fronte larga, e perfil sub-convexo ou recto.
Em Março de 2004, o efectivo nacional incluia 16255 fêmeas reprodutoras inscritas no Registo Zootécnico e Livro Genealógico (RZ/LG), distribuindo-se pelos distritos de Castelo Branco, Leiria, Santarém, Setúbal, Portalegre, Évora, Beja e Faro. Nas zonas geográficas definidas pelas bacias
hidrográficas do Sado e Tejo predonimam os efectivos de pelagem vermelha e vermelha bragada. Nas regiões de Portalegre, Évora e Beja predominam os efectivos de pelagem rosilho e rosilho mil-flores, ficando os efectivos de pelagem malhada, na sua maioria, na margem esquerda do Guadiana.

NELORE



Origem
Originário da Índia, é constituído por um importante grupo de raças, dentre as quais se sobressaem a Hariana e a Ongole. O berço da raça Ongole é a região do mesmo nome, no Estado de Madras. Esta região compreende Ongole, Guntur, Nelore, Venukonda e Kandantur. Grande número de animais puros são encontrados nessa região. No passado o Ongole foi exportado em grande escala para a América tropical e outros países, com a finalidade de melhorar o gado nativo, através de cruzamentos.

Características
A raça Nelore é essencialmente produtora de carne. Dentre as variedades trazidas da Índia, é a que vem sofrendo mais seleção, objetivando a obtenção de novilhos para corte. Tem a seu favor uma boa conformação, cabeça pequena e leve, ossatura fina e leve, e alcança bom desenvolvimento. Os bezerros Nelore são sadios, fortes, espertos e, horas depois do parto, já se deslocam com o rebanho. A perda de bezerros é mínima, bastante inferior à de outras raças indianas, dada a sua natural rusticidade. Experimentos demonstraram que o Nelore pode oferecer carcaças com 16,5 arrobas, aos 26 meses de idade e rendimento de 50 a 55%, quando alimentado em pastagem.

PIEMONTÊS



Origem
O gado Piemontês é originário da região alpina do norte da Itália denominada Piemonte. No seu sangue estão o Zebu e o gado nativo da região. Em 1886 os fazendeiros italianos notaram desenvolvimento de traços da característica conhecida como musculatura dupla, e logo reconheceram a vantagem para produção de carne. Somente 2% dos animais que ingressam no centro genético italiano, são aprovados para serem doadores de sêmen.

Características
O gado Piemontês atual é o melhor exemplo da característica de dupla musculatura, com ossos e pele fina. Como resultado o Piemontês tem o melhor rendimento de carcaça e melhor porcentagem de cortes de todas as raças. O Piemontês é uma raça moderna. Sua produção de carne é diferenciada porque agrada os consumidores e atende as exigências dos produtores. Há tendências que no futuro dominarão as raças (como Piemontês) que apresentem bom rendimento a qualquer idade, precocidade, alta conversão alimentar e produzem carne com baixo teor de gordura. A habilidade materna e uma boa produção de leite, são também características dominantes nas fêmeas mestiças.

ROMAGNOLO



Origem
Raça italiana antiga, cujo melhoramento teve início em 1800. Apresenta duas variedades: a "de planície", maior e mais precoce, boa produtora de carne e a "de montanha", preferida para o trabalho.

Características
O gado Romagnolo é produtor de carne, com crescimento rápido e bom ganho de peso. Ao nascer, as fêmeas pesam de 40 a 45 kg e os machos de 45 a 51 kg. Aos dois anos de idade, as fêmeas pesam de 500 a 550 kg e os machos mais de 700 kg, desde que bem alimentados. Na idade adulta as fêmeas atingem cerca de 640 kg e os machos 1.100 kg. A carne é de boa qualidade, saborosa, marmorizada, macia e de fibra fina. O rendimento da carcaça, em animais bem preparados, varia de 58% a 60% nos novilhos e de 55 a 60% nos bois e vacas. As cruzas com zebuínos dão origem a novilhos pesados.

SANTA GERTRUDIS



Origem
Teoricamente, o Santa Gertrudis possuí 5/8 de sangue Shorthorn e 3/8 de sangue Brahman, o que criou uma raça que se adaptou muito bem ao calor, mas que exige boas pastagens. O Santa GertrudisGertrudis é um vencedor na maioria das provas de ganho de peso nos EUA. No Brasil o Santa GertrudisGertrudis também se mostrou um gado bem adaptado. Características Os bezerros desmamam com um peso de 195 kg e aos oito meses já pesam 225 kg.. O peso dos animais adultos é 650 kg nas vacas e 900 kg nos touros. É provável que, num futuro próximo, o Santa Gertrudis desempenhe um importante papel na produção de novilhos de corte no Brasil Central com o cruzamento com a vacas Zebu. Os meio-sangue Santa GertrudisGertrudis, além de melhor conformados, atingem mais de 300 kg com um ano. 

SHORTHORN



Origem
O Shorthorn é um gado essencialmente de corte, muito antigo e de origem inglesa. Existe em muitos países como Argentina, EUA, Canadá, México, França, Alemanha, Austrália e Nova Zelândia. Seu melhoramento vem sendo feito há mais de 200 anos, resultando num rebanho muito precoce. No Brasil essa raça não teve um bom aproveitamento, já que o clima tropical não agradou o gado e suas exigências para as pastagens são muito fortes. Existem criadores na Inglaterra que utilizam o Shorthorn para exploração de carne, outros para a exploração de leite.

Características
O Shorthorn é um gado de corte altamente especializado, distinguindo-se pela sua precocidade e engorda rápida. Sua aptidão à engorda é excepcional, porém a qualidade da carne é pouco apreciada, porque a distribuição da gordura não é bem feita. Quando bem gordos, dão um rendimento elevado, que atinge de 68 a 72%. Seu peso adulto varia entre 500 kg a 600 Kg nas vacas e 800 kg a 900 kg nos touros. É um gado muito exigente, especialmente no primeiro ano. Pouco rústico, não se adapta aos climas quentes e pastos secundários, porém é inigualável em pastagens superiores. A fecundidade não é muito grande, o que obriga o criador a freqüentes aquisições de reprodutores. Em cruzamento com vacas zebus tem dado bons mestiços, porém é menos recomendável que o Hereford e o Angus, que tem dado melhores resultados.

SIMENTAL



Origem
De origem Suíça, o gado Simental atualmente é encontrado com facilidade em grande parte da Alemanha, Áustria, Iugoslávia, Hungria e Itália.É um animal que se adapta muito bem a regiões montanhosas. Houve sempre por parte dos criadores uma preocupação de mantê-lo puro, evitando a introdução de raças exóticas, o que nem sempre foi possível. Dentro da Suíça, surgiram diversas variedades que só desapareceram quando a do vale do Simmen passou a fornecer reprodutores para as outras regiões, absorvendo os tipos primitivos.

Características
Embora o gado Simental seja considerado em sua terra uma raça mista para leite, carne e trabalho. Nos últimos vinte anos a seleção evoluiu para a criação de animais dotados de maior precocidade, menor altura e maiores produções de leite e carne. Os machos entram na reprodução dos 10 aos 13 meses de idade e as fêmeas dão a primeira cria entre os 30 e 36 meses de idade. O peso ao nascer é de 42 kg para as fêmeas e 50 kg para os machos. O peso médio na idade adulta é de 750 kg nas vacas e 1.050 kg nos touros.

Como animal de corte, o Simental apresenta crescimento rápido e corpo com boa musculatura, sem tendência a acumular excesso de gordura subcutânea, ao passo que a gordura intramuscular é bem desenvolvida, dando boa consistência e coloração às fibras musculares. As carcaças, nas diversas categorias de animais de abate, dão rendimentos de 60 a 65 %. Quando cruzado com o gado zebu, produz mestiços pesados.

TABAPUÃ



Origem
Esse gado se assemelha bastante ao Brahman quanto à sua composição racial. É predominantemente Nelore, com algumas características do Guzerá. Recebeu seu nome devido ao município em que se formou. É a primeira variedade zebuína mocha.

Características
É crescente o aumento do interesse pelo gado mocho em face às vantagens que apresenta na estabulação e transporte. Os criadores não estão preocupados com características raciais super valorizadas, como ocorreu com outras raças. Por isso, seu melhoramento tem caráter estritamente econômico, ou seja, preocupa-se apenas em desenvolver um animal com maior precocidade, ganho de peso e rendimento de carcaça. Alguns criadores procuram orientar a seleção visando uma raça de dupla aptidão. Como produtor de carne, o mocho já tem demonstrado seu potencial nas provas de ganho de peso. Como produtor de leite, vem respondendo de maneira surpreendente aos estímulos da seleção zootécnica. 

WAGYU



Origem:

O Wagyu ("wa" de japão, e "gyu" de gado, ou seja, "gado japonês") é uma raça de gado japonesa. O Wagyu é conhecido no mundo todo e destaca-se na gastronomia internacional como tendo uma carne extremamente macia, suculenta, saborosa e com aroma incomparável. Isso se da devido uma de suas principais características: O alto nível de marmoreio (gordura intra-muscular).

O Wagyu chegou ao Japão vindo da Peníssula Coreana, e foi introduzido inicialmente para ajudar no cultivo de arroz no século II. Devido as características geográficas do Japão, a criação do animal foi se isolando em algumas áreas, resultando, ao longo do tempo, em diferentes vertentes da raça. Apesar disto, a qualidade da carne sempre manteve-se como algo em comum entre essas vertentes. Hoje em dia, em muitos lugares no Japão é comum o uso de massagens e a adição de cerveja e até saquê na dieta dos animais. Tudo visando a qualidade da carne.


Características:

O Wagyu (Também conhecido como "Kobe beef", devido a fama dos bois originários da cidade de Kobe, no Japão) é também uma das carnes mais valorizadas no mundo. No japão, 1 kilo de carne de Wagyu ultrapassa fácil o preço de R$ 1.000,00.

Tamanha excelência se da devido o intenso trabalho de análise e classificação de carne e carcaça desenvolvido pela "Japan Meat Grading Association", que ao longo dos anos tem enfatizado o grau de marmoreio, a coloração da carne e da gordura como referência para classificar a carne de maior qualidade.








Postar um comentário