11 de mar de 2017

Infra-estrutura na Criação de Gado Leiteiro



Introdução
A infra-estrutura de qualquer propriedade destinada à produção de leite consiste em um conjunto de características próprias e únicas, cujos fatores a serem considerados devem ser avaliados de forma global e interativa, quanto a disponibilidade dos recursos produtivos: terra, capital e mão-de-obra. Este procedimento é essencial para o sucesso na atividade, quer seja ao se iniciar, reestruturar ou promover uma expansão no sistema de produção.

Deste modo, a implementação de um sistema de produção de leite requer uma caracterização apropriada da propriedade para que se possa planejar sua estrutura física, dimensionar o rebanho a ser explorado, estabelecer metas agronômicas, zootécnicas e econômicas, e preconizar a tecnologia para o manejo animal e a produção de alimentos, assim como estabelecer a rotina de trabalho para usar no sistema de produção escolhido.

Caracterização da Propriedade
A caracterização da propriedade é a descrição do estado da arte da propriedade, partindo-se deste conhecimento inicial, identificar a potencialidade de seus recursos naturais renováveis ou não, para implementar um plano de ação estratégico para instalar o melhor sistema de produção a ser explorado, ou seja, aquele com menor risco de insucesso para o empreendimento. Esta caracterização consiste em descrever de forma resumida a localização da propriedade e a sua estrutura física existente (ex. de modelos abaixo), para, a partir daí, estabelecer a estratégia para a implementação do empreendimento pretendido, seja ele inicial, de reestruturação metas e objetivos ou expansão da atividade.

Identificação da Propriedade
Município:
Estado:
Zona Fisiográfica:
Macrorregião Homogênea:
Acesso/endereço:
Latitude:
Altitude:
Temperaturas Médias: Máxima:
Mínima:
Anual:
Precipitação: Anual mm; período chuvoso: a , mm
Classificação climática:
Relevo:
Solos predominantes (%):
Recursos Hídricos:

Estrutura Física
Forma de Ocupação
Atual (ha)
Programada/Ano
1      2      3      4      5
Valor (R$)
Pastagens cultivadas
Pastagens uso extensivo
Cultura forrageiras para corte
. Milho
. Cana-de-açúcar
Área com benfeitorias
Áreas inaproveitáveis
Matas
Reflorestamento
   
Total
Benfeitorias e instalações
Item
Existente1
Construir
Área (m²)
Valor (R$)
Currais de contenção
Estábulo
Sala de ordenha
Sala de leite
Seringa e tronco
Cocho para volumosos
Cercas
Casa de colonos
.
.
    
Total
    
1informar ano de construção e estado de conservação (B = Bom, NR = Necessita Reforma)
2época prevista

Máquinas, Equipamentos, Motores e Utensílios:
Discriminação
Existente1
Programado2
Valor (R$)
Motor elétrico
Picadeira estacionária
Misturador de ração
Moinhos trituradores
Trator
Arado
Grade
Plantadeira
Cultivador
Balança
Pulverizador
Ordenhadeira
Resfriador/Tanque de expansão
Latões
Móveis de escritório
   
Total
   
1informar ano de fabricação e estado de conservação
2informar época prevista de aquisição

Dimensionamento e Evolução do Rebanho

Atual
Programado/Ano
1       2       3       4       5
Valor Atual (R$)
Reprodutor(es)
Vacas em lactação
Vacas secas
Fêmeas:
- até 2 meses
- 2 a 6 meses
- 6 a 12 meses
- 12 a 24 meses
Acima de 24 meses
Machos (até 1 ano)
Animais de serviço
Total: cabeças
Unidade Animal (UA)
Compra de animais
. Vacas
. Novilhas
Venda de animais ?
Venda de leite (1.000 L)


Metas Agronômicas, Zootécnicas e Econômicas
 
Discriminar
Ano
 
1
2
3
4
5
Lotação das Pastagens
     
- extensivas (UA/ha)
     
- cultivadas (UA/ha)
     
Milho para silagem (t MS/ha/ano)
     
Feno (t/ha/ano)
     
Cana de açúcar (t/ha)
     
Idade ao primeiro parto (meses)
     
Intervalo entre partos (dias)
     
Mortalidade dos animais (%):
     
- até 1 ano
     
- acima 1 ano
Serviços por concepção (doses):
. Descarte anual de vacas (%)
. Relação vaca lactação: vaca total
     
Produção de leite:
     
.Total anual (L)
     
. Vaca lactação (L/dia)
. Vaca total (L/dia)
     
Produtividade de terra (l/ha/a)
Produtividade da mão-de-obra (L/ha/a)
     
Receita prevista (R$)
     
- Venda animais
     
- Venda leite (1.000 L)
     
Rentabilidade (% s/ capital)
   

Tecnologia Preconizada
Descrever a tecnologia a ser utilizada ou substituída para atender à demanda de alimentação para os animais, adequar as forrageiras ao uso da terra e definir as instalações necessárias.

Produção de Alimentos
A produção de alimentos constitui uma das principais etapas na exploração racional de um sistema de produção de leite. Disponibilidade de forragens em quantidade e qualidade é o fator determinante para que o animal externe o seu potencial máximo de produção, influenciando diretamente a produtividade por animal, produção de leite, potencial reprodutivo e a saúde do rebanho.
Produção de Forrageiras e Pastagens
O conhecimento da propriedade é importante, pois permite selecionar forrageiras adaptadas a cada um dos diferentes segmentos da paisagem. De forma resumida, a Região de São Carlos é formada por grandes áreas de topografia suavemente ondulada, várzeas, meia-encostas e algumas áreas de morro.
Geralmente, as várzeas são passíveis de inundações periódicas, férteis, e, por isto, prestam-se à produção de culturas e pastagens anuais (milho, sorgo, forrageiras de inverno etc.) e pastagem permanente; neste caso, gramíneas forrageiras resistentes ao encharcamento devem ser usadas: capim-angola, setária, coast-cross, tangola, tanner-grass etc.
As áreas de meia-encosta prestam-se à construção das residências e instalações rurais; caracterizam-se por apresentar fertilidade natural bastante elevada, não apresentando impedimento à mecanização por tração motorizada e devem ser cultivadas com forrageiras de alto potencial de produção de biomassa, tais como o milho e sorgo para silagem, cana-de-açúcar para corte, capim-elefante para capineira e formação de pastagens de capim-elefante, colonião, tanzânia, mombaça, estrela africana etc.
As áreas de morro caracterizam-se por solos de baixa fertilidade natural e declividade acentuada, apresentando forte impedimento à mecanização por tração motorizada. Para este segmento é obrigatório o uso de práticas conservacionistas de manejo de solo e de forrageiras tolerantes a acidez do solo, baixa fertilidade natural, rápida cobertura do solo após o plantio e boa capacidade de semeadura, como as braquiárias e o capim-gordura.
Nas áreas de topografia plana ou suavemente ondulada, em geral os solos são de baixa fertilidade natural (Latossolo Vermelho-Amarelo, distrófico), mas não há impedimentos quanto à mecanização motorizada das atividades de plantio, adubação e manejo das pastagens. Nessas áreas, após correção da acidez do solo e dos níveis de fertilidade natural, têm sido implantadas com sucesso gramíneas forrageiras de alto potencial de produção de matéria seca como os capins tanzânia, tobiatã, mombaça e elefante, para serem manejados como pastagens em sistema rotacionado de pastejo. O tempo de ocupação de cada piquete tem sido de um dia no Sistema Intensivo de Produção de Leite da Embrapa Pecuária Sudeste, com período de descanso variando de 28 a 35 dias, dependendo da gramínea.
A análise do solo, para fins de diagnóstico de sua fertilidade, constitui-se numa das práticas mais importantes do processo produtivo, principalmente quando se pensa na utilização intensiva e racional dos solos.
O preparo da área consiste em sua limpeza, deixando a área isenta de restos de culturas, entulhos diversos (galhos, tocos, pedras etc.), facilitando as operações posteriores (aração, gradagem, sulcamento e plantio). Havendo necessidade de desmatamento, roçada pesada ou queima, esta operação deverá ser devidamente autorizada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente – Ibama.
Consiste em garantir a perpetuação do recurso natural não-renovável e é feita por meio de curvas de nível, terraceamento em terrenos mais declivosos, podendo estes serem terraços de base estreita ou base larga; uma prática simples e eficaz é não deixar a superfície do solo descoberta.
A calagem tem como objetivos básicos neutralizar o alumínio tóxico presente na solução do solo, um dos responsáveis pela acidez do solo, bem como fornecer cálcio e magnésio, que constituem elementos essenciais para o crescimento das plantas. Sua necessidade é determinada pela análise do solo, com a quantidade de calcário a ser aplicada sendo obtida diretamente do laboratório credenciado ou pela interpretação dos resultados da análise do solo, feita por técnico. Determinada a quantidade de calcário a ser aplicada, a distribuição é feita a lanço (manual ou mecânica) sobre toda a área, antes da aração, com antecedência mínima de 20 a 30 dias do plantio, desde que o solo esteja úmido.
O plantio tradicional consiste de aração e gradagem, operações não executadas quando o plantio for direto na palha. A operação de preparo do solo tem a finalidade de melhorar suas condições físicas, melhorando a aeração e a absorção de água, facilitando a semeadura, a germinação das sementes e mudas. A profundidade de aração deverá variar de 15 a 20 cm, podendo ser feita com tração animal ou mecanizada.
Quando se pensa em manejo racional do solo, em hipótese nenhuma, em áreas de relevo acidentado, é permitida a aração morro abaixo e morro acima.
Capineira é uma área de terra cultivada com gramíneas de elevado potencial de produção de forragem que são cortadas e picadas para fornecimento de alimento verde no cocho, em especial na época seca. O capim-elefante é a gramínea mais utilizada para este fim, apresentando, porém, grande exigência em termos de fertilidade do solo e manejo de cortes para evitar perda de qualidade da forragem. Em propriedades menores, onde são alimentados poucos animais e com produtividade elevada, plantam-se os capins guatemala e venezuela, de rendimentos inferiores aos do capim-elefante, porém, de excelente qualidade nutricional.
Estas espécies são plantadas nos meses de janeiro a novembro, por meio de mudas oriundas de plantas com três a cinco meses de idade, distribuídas em sulcos espaçados de 0,70 a 1,00 m, devendo ser adubadas com adubo orgânico e fertilizantes químicos, tanto no plantio como em manutenção. No estabelecimento e ao longo de sua utilização deve-se proceder a tratos culturais, tais como: controle de ervas-daninhas, formigas, lagartas, cigarrinha, cupins e outras pragas.
Várias são as culturas forrageiras que podem ser plantadas para a alimentação do rebanho. O principal critério para a escolha de qual forrageira a plantar deve ser feita em sua capacidade de produção e qualidade nutricional, seguidas de sua adaptabilidade à região em que se localiza o sistema de produção. Outro ponto importante é a facilidade operacional para o seu uso, como disponibilidade ou não de máquinas e equipamentos e mão-de-obra.
Cana-de-açúcar – cultura tradicional no Brasil, alta produção por unidade de área (70 a 200 t/ha), cultura de implantação e manejo simples, exigindo poucos tratos culturais, período de maturação e colheita coincidentes com o período de escassez de forragem nas pastagens, pequena taxa de risco de perda da cultura, disponibilidade e qualidade constantes se plantadas variedades de ciclos médio e tardio, cultura perene, produzindo um corte a cada doze meses, fonte rica de carboidratos, na forma de sacarose, bem consumida pelos animais e dispensa a conservação como silagem ou feno.
Suas limitações nutricionais para os bovinos estão relacionadas ao baixo teor de proteína bruta (2 a 3% na Matéria Seca), a qual é corrigida por meio da associação com 1% da mistura de nove partes de uréia e uma parte de sulfato de amônio, e a deficiência em alguns minerais, principalmente fósforo, enxofre, zinco e manganês, exigindo para tanto o fornecimento de uma boa mistura mineral aos animais suplementados com cana.
De modo geral, para culturas bem conduzidas, dois hectares de canavial são suficientes para suplementar 50 bovinos adultos durante 150 dias. O manejo de corte e retirada da produção é fator importante para a longevidade do canavial, devendo ser evitado o tráfego de veículos e máquinas sobre a área plantada; daí, a necessidade de se preparar acessos e carreadores.
A escolha das variedades é fundamental e devem ser plantadas uma ou mais variedades industriais melhoradas de cana-de-açúcar, adaptadas às condições locais, considerando-se o relevo, a fertilidade do solo e o clima da região, além de apresentar características desejáveis como alta produtividade, alto teor de açúcar, rebrotação vigorosa, ausência de tombamento e resistência a pragas e doenças.
Adubações orgânica e química devem ser usadas no plantio e manutenção do canavial. Plantio em sulcos espaçados de 1,20 a 1,30 m com 0,30 m de profundidade, usando-se mudas retiradas de canaviais com 8 a 12 meses, vigorosos e sem infestação de pragas e doenças. Gastam-se de 10 a 12 toneladas de mudas para implantar um hectare. Duas são as épocas de plantio: 1) cana de ano, plantada em setembro/outubro e colhida a partir de junho do ano seguinte; e 2) cana de ano e meio, plantada de janeiro a março (dependente de chuvas) e colhida a partir de junho do ano seguinte.
No estabelecimento e ao longo de sua utilização deve-se proceder a tratos culturais, tais como: controle de ervas-daninhas, formigas, lagartas, cigarrinha, cupins e outras pragas.
Milho ou Sorgo – Em sistemas sem irrigação, o plantio do milho deve ser feito no início do período chuvoso. Pode-se fazer dois plantios por ano em áreas irrigadas; nesse caso, usar cultivares precoces. Como o sorgo exige menos quantidade de água para se desenvolver, o seu plantio pode ser feito tanto no início como no final do período chuvoso. Culturas exigentes em solos com boa drenagem e férteis, podendo ser plantados em plantio tradicional ou plantio direto. Recomenda-se o uso de herbicidas em pré-plantio ou pré-emergência; nesse caso, consulte um Engenheiro Agrônomo e peça uma indicação e o receituário para aquisição do herbicida, use equipamentos de proteção e siga as recomendações para uso dos produtos e o descarte das embalagens após o uso.
A cultivar de milho ou de sorgo deve ser aquela que mais se adapta à região e que seja boa produtora de grãos, para assim assegurar a produção de silagem de boa qualidade.
Cultivares normais (variedade ou híbrido) apresentam porte alto, atingindo o ponto de ensilagem cerca de 120 dias após o plantio de verão, estendendo-se em até 30 dias nos plantios tardios com colheita no inverno.
Cultivares precoces são de porte mais baixo, resistindo melhor ao tombamento e oferecem melhor relação espiga/colmo, e o ponto de ensilagem pode ser antecipado em 20 dias, em relação às cultivares normais.
O espaçamento, a profundidade de semeadura e o número de sementes por metro linear (densidade de plantio) dependem do tipo de solo, da disponibilidade de chuvas ou irrigação na área, da capacidade da cultivar em aproveitar a luz e os nutrientes, e do porte da planta. Para cultivares de milho de porte e ciclo normais, é recomendado o espaçamento de 0,90 a 1,00 m entre linhas, e para cultivares de porte mais baixo e precoces o de 0,80 a 0,90 m. A profundidade de plantio é de 4 cm para solos argilosos a 5 a 8 cm para solos arenosos.
A densidade de plantio, população ou número de plantas por hectare deve ficar entre 40 e 50 mil plantas/ha para cultivares de ciclo normal, e de 50 a 60 mil plantas/ha para cultivares precoces.
A quantidade (kg) de sementes necessária para cada hectare depende do tamanho da peneira e deve ter um acréscimo de 20% para compensar eventuais perdas no campo, gastando-se em média de 20 a 26 kg de sementes/ha.
A população final para o sorgo deve ficar entre 150 e 200 mil plantas/ha, sendo gastos em média de 8 a 10 kg de sementes/ha. Considerando sementes com valor cultural superior a 70% e um acréscimo de 30% para compensar perdas diversas.
A adubação é feita em função da análise de solo e do histórico de uso da área. A adubação de cobertura para o milho é realizada quando as plantas apresentarem 8 a 10 folhas bem desenvolvidas e, em sorgo, 30 a 35 dias após a emergência das plântulas. Doses de nitrogênio (N) acima de 100 kg/ha, como regra prática, recomenda-se que sejam divididas em duas aplicações com a primeira cobertura aos 20-25 dias com metade da dose de N e o restante aos 35-40 dias da emergência das plântulas. O adubo deve ser colocado na superfície do solo próximo à linha de plantio, podendo ser distribuído a lanço, com adubadeira manual ou cultivador-adubadeira, ou ainda a tração mecânica.
Os tratos culturais necessários à condução da cultura são o controle mecânico ou químico de plantas daninhas e combate a pragas (formigas, lagartas etc.).
Girassol (Helianthus annuus L.) – é uma planta originária do continente norte-americano, pertencente à família das Compostas. Possui raiz pivotante profunda, que atinge cerca de dois metros ou mais de profundidade e ciclo vegetativo médio de 120 a 130 dias. A partir de pesquisas do IAC (Instituto Agronômico de Campinas), da Embrapa e de algumas universidades, pode-se afirmar que o País possui hoje tecnologia para produção dessa cultura.
É uma cultura alternativa ao milho na produção de silagem na safrinha, pois possui maior tolerância às deficiências hídricas e ao frio, podendo atingir de 20 a 30 t/ha de matéria verde. Por isso, é uma excelente opção para os agricultores que produzem silagem na segunda safra, quando as condições climáticas são mais adversas. A silagem de girassol apresenta teor de proteína superior ao do milho (aproximadamente 30%), sendo também, em média, 20 a 30 dias mais precoce. A cultura do girassol para produção de silagem na safrinha não exige grandes investimentos em insumos, porém responde bem à utilização destes, pois o girassol aproveita bem os resíduos da adubação da cultura anterior e tem boa capacidade para suportar a competição com o mato. A calagem é indispensável, pois a planta é sensível à acidez do solo. A quantidade de calcário é a recomendada pela análise de solo para elevar o índice de saturação de bases para 70% e pH acima de 5,2.
Com base na análise de solos e do histórico da área, recomenda-se aplicar, na adubação, de 40 a 60 quilos por hectare de nitrogênio, de 40 a 80 kg/hectare de P2O5 e de 40 a 80 kg/hectare de K2O. O nitrogênio deve ser aplicado 30% no plantio e o restante em cobertura até 30 dias pós-emergência das plantas. Em áreas novas, recomenda-se também a aplicação de 20 kg/hectare de enxofre, que pode estar sendo suprido se há uso constante de sulfatos. Outro elemento indispensável para o girassol é o boro, cuja aplicação deve ser feita de forma convencional, nunca por via foliar.
Se houver necessidade de uso de herbicidas, há três registrados para a cultura: trifluralin, alchlor e setloxydim. Outro ponto interessante é a possibilidade de produção de até 20 a 30 kg de mel por hectare pela introdução de colméias nas culturas, o que indiretamente aumenta a produção de grãos pela melhor polinização, já que a sua florada dura de 15 a 30 dias, o que deve ser levado em consideração caso haja necessidade de uso de algum inseticida.
O período de plantio é muito amplo em todo o Brasil; na Região Sudeste, deve ser plantado no período de safrinha, ou seja, de fevereiro a março. O plantio no período de safra normal (primavera-verão) é antieconômico, e pode ocasionar sérios problemas fitossanitários. O espaçamento entre linhas poderá variar de 0,70 a 0,90 m (0,7 m se usar plataforma para soja e 0,8 a 0,9 m se for usar plataforma de colheita para o milho), aplicando-se de 5 a 7 sementes por metro linear, dependendo da cultivar, procurando-se atingir 45 a 60 mil plantas por hectare. De acordo com o tamanho da semente, gasta-se de 4 a 5 kg de sementes por hectare. Mesmo plantado em épocas corretas, pode sofrer ataque de maritacas se estas não dispuserem de outras opções de alimentos na região, da mesma forma que para o sorgo, fator esse agravado pela perda de áreas com florestas.
A formação ou recuperação de pastagens consiste na implantação da espécie forrageira escolhida e pode ser feita por sementes e mudas. É o processo mais eficaz para se produzir leite, carne ou lã.
A formação de pastagens de gramíneas por sementes constitui o método mais utilizado, especialmente para áreas extensivas e as espécies forrageiras comumente usadas são as Brachiarias (decumbens e brizantha), os Panicuns (capim-colonião, green panic, sempre verde, makueni, tobiatã, mombaça, tanzânia, massai), o Andropogon e a Sétaria. Diversas espécies forrrageiras, principalmente as leguminosas, possuem tegumento externo protetor (casca), dificultando a entrada de umidade, prejudicando a germinação. A escarificação das sementes pode ser feita por procedimentos mecânicos, químicos e com água, havendo necessidade de fazer a inoculação da semente escarificada. Outras espécies possuem dormência fisiológica e precisam ser armazenadas em condições especiais para completarem a maturação.
Consciente de que a pastagem é uma cultura que agrega valor por intermédio dos animais que retiram os nutrientes para sua sobrevivência e produção, procedimentos importantes para implantar ou recuperar pastagens são a qualidade das sementes (pureza e germinação, valor cultural das sementes) e adubação – fundamental para o seu estabelecimento e manutenção, além de um bom preparo do solo, semeadura correta e manejo consonante com os hábitos de crescimento da planta forrageira utilizada.
A propagação de gramíneas como a grama estrela, o capim coast-cross, as tíftons e o capim-elefante, é feita por meio de mudas vegetativas. A área a ser plantada deve ser bem preparada, os sulcos devem ter de20 a 25 cm de profundidade, deve-se realizar a adubação de plantio em função da análise do solo e distribuir as mudas (colhidas de viveiros sadios e não-praguejados com outras espécies) no fundo dos sulcos e cobri-las com uma camada de terra não muito espessa, para não retardar a brotação das gemas e aumentar o aparecimento de plantas daninhas na área.
Prática importante é realizar o pastejo de formação, o qual deve ocorrer 60-90 dias após o estabelecimento da forrageira. Consiste na entrada de grande número de animais na área em formação por um curto período de tempo, com o objetivo de forçar maior perfilhamento e permitir uma cobertura do solo mais rápida.
A divisão, a rotação das pastagens e o controle da carga animal têm sido uma forma de manejo eficiente para evitar a degradação, dando oportunidade às plantas de se recuperarem após o pastejo. Além disso, os animais têm oportunidade de selecionar partes mais nutritivas da planta, principalmente as folhas, que se desenvolveram com o período de descanso.
A manutenção de cobertura vegetal remanescente após o pastejo, além de promover a reciclagem de nutrientes, protege o solo contra o ressecamento excessivo e evita erosão por ocasião das chuvas mais intensas.
Banco de Proteína - É uma área de terra cultivada com leguminosa de elevado potencial de produção e qualidade de forragem que é cortada e picada para fornecimento de alimento verde no cocho, em especial na época seca. Presta-se ao pastejo controlado, no qual os animais têm acesso diário, podendo ser de forma contínua ou limitada por um período de tempo. Guandu (arbustiva), leucena (arbórea), soja perene e estilosantes são as leguminosas mais utilizadas. Os procedimentos para a implantação dessas leguminosas são os mesmos recomendados para a formação de pastagens e capineiras.
Conservação de forragens - Na maioria das áreas agrícolas do mundo, fatores de clima impõem às forrageiras períodos de intenso crescimento alternados com períodos de baixa produção. O correto uso da ensilagem e da fenação permite o armazenamento de volumosos de boa qualidade que podem ser fornecidos ao gado nas épocas de escassez de pastagem ou como complemento ao pastejo ou, ainda, como principal alimento no caso de se adotar o confinamento total dos animais.
Várias forrageiras, sozinhas ou combinadas, podem ser ensiladas em diversos tipos de silos.
Silagem – É a forragem verde armazenada na ausência de ar e conservada mediante fermentação em depósitos próprios, chamados silos. Várias forrageiras, sozinhas ou combinadas podem ser ensiladas. O valor nutritivo da silagem vai depender principalmente da forrageira utilizada. O milho, o sorgo e o capim-elefante são as principais forrageiras usadas para ensilagem, sendo o milho a mais comum e de maior valor nutritivo dentre essas três. Recentemente, os capins tanzânia e mombaça e o girassol passaram a ser utilizados na confecção de silagem. Devido à sua menor digestibilidade, a silagem de sorgo tem apresentado 70 a 90% do valor nutritivo da silagem de milho. A silagem de capins elefante, mombaça e tanzânia é, qualitativamente, bem inferior à do milho e à do sorgo, enquanto a de girassol apresenta valor intermediário.
Feno – É um alimento volumoso, preparado mediante o corte e a desidratação de plantas forrageiras. Esse processo é denominado fenação e que resulta na forragem desidratada e, dessa forma, ela pode ser armazenada por vários meses, sem perder o seu valor nutritivo. Excelente maneira de se aproveitar o excedente de pasto; entretanto, a qualidade do feno estará sujeita a grandes variações em função da condição da pastagem, da espécie forrageira, da época e idade da planta e da maior instabilidade climática no verão. A maioria das gramíneas forrageiras presentes nas pastagens pode ser utilizada, devendo-se evitar aquelas com caules grossos, difíceis de ceifar e secar. O ponto de feno ideal para enfardar o material é 20% de umidade e uma maneira prática de averiguação é fechar com força uma amostra do feno da mão; se a forrageira quebrar quase totalmente ou, ao abrir a mão, não tiver tendência a voltar à forma inicial, indica que o feno está em condições de ser enfardado.

Produção Animal
Preconizar as técnicas para o manejo das diversas categorias de animal, estabelecer as estratégias para o melhoramento genético, manejos reprodutivo e nutricional do rebanho e os critérios de ordenha e qualidade do leite.
Detalhes sobre as atividades de produção, conservação e utilização de forrageiras e pastagens, alimentação, manejo reprodutivo e melhoramento genético, sanidade animal e ordenha podem ser encontrados no Manual Técnico: Trabalhador na Bovinocultura de Leite, produzido pela Embrapa-Senar-AR/MG, Embrapa Gado de Leite: 20 anos de pesquisa.

Gerenciamento
Detalhar a forma de gerenciamento da propriedade quanto ao gerenciamento do rebanho (descrever o sistema de registro de dados, se por fichas ou com auxílio de programas especiais – softwares – para o controle zootécnico do rebanho). Acompanhamento econômico e financeiro (Análise financeira de unidade de produção de leite. Coronel Pacheco – MG, Embrapa - CNPGL, 1994, 15p, Embrapa - CNPGL, Documento, 58) e a comercialização (Informar os critérios e procedimentos adotados para a comercialização de leite e animais). É importante ressaltar que diversos sistemas (software) de gerenciamento estão disponíveis no mercado e que são ferramentas fundamentais para este gerenciamento.

Estrutura organizacional
Estabelecer o número mínimo de pessoas necessário ao desenvolvimento do empreendimento, bem como elaborar o plano de treinamento e qualificação, delegar responsabilidades, estabelecer o plano de cargos e salários e definir as funções inerentes a cada cargo ou atividade.
  • Equipe de Assessoramento e Apoio Técnico
  • Coordenação/Administração Geral e Responsáveis pelos Setores
  • Quadro de Pessoal
    • mão-de-obra para produção de alimentos
    • mão-de-obra para manejo do rebanho
Planejamento das instalações
De posse das informações levantadas e estabelecido o conceito e forma do sistema de produção, passa-se a fase do planejamento propriamente dito, que é dividido em duas fases distintas, porém, interativas:
Para que o planejamento de uma construção rural ou de um conjunto de instalações para animais seja bem elaborado, há necessidade de que todos os fatores de produção envolvidos sejam econômica e tecnicamente analisados pelo engenheiro projetista. Detalhes técnicos, construtivos e as características de cada tipo de construção devem ser levantados e considerados na fase de anteprojeto. Neste particular, projetar instalações para animais não significa apenas dimensionar estruturas e definir espaços, mas dimensioná-las em função das necessidades próprias do animal e de sua interação com o meio ambiente e o homem.
A definição de uma estrutura física de uma propriedade destinada à produção de bovinos de leite deve ser considerada sob duas fases. A primeira refere-se à área disponível e ao programa de uso de solo, para, a partir deste referencial, determinar o dimensionamento/tamanho e a evolução do rebanho, que é determinante para a segunda fase, que consiste no planejamento das instalações, benfeitorias e a quantidade de máquinas, motores e equipamentos necessários à condução do sistema de produção. 

Postar um comentário