1 de nov de 2013

Manual do Criador: Doenças das Aves, Profilaxia e Tratamento



DOENÇAS - MEDICAMENTOS


Verificar sempre aves fracas, pálidas e tristes. Se houver doença, medicá-las, senão, simplesmente, colocá-las em campo para tomar sol, alimento verde e alguma vitamina: Poliforte, Vitagold, Hidrovit e outras similares, Dependendo da Prescrição médica do Veterinário.
É preciso atenção para que não haja o enfraquecimento dos pintos provocado por: Frio - Umidade - Vento - Água Suja - Umbigo Aberto - Cavaco velho e com fungo - Alimentação Velha ou Mofada - Milho sem procedência - Instalação sem ser pulverizada.
Algumas sugestões que podem ser indicadas pelos veterinários independente das vacinas:


 HIDROVIT – Nos pintos de 1 dia
 SANEPRIM – Combate a Coli e as principais doenças, do quarto ao décimo dia.
 AGROVIT PLUS – A base de benzipexicilina procaína, infecções com processos progênitos.

 NEOMICINA – Efeito mais intestinal, também usado para bovinos e equinos.
 ENROTRIL – contra coriza, 40 ml em 1 litro de água = sulfamicina, indicado
      também para coccídeos, cólera, tifo aviária.
 TYLAN 200 – tilosina base: antibiótico bom para coriza e pneumonia.
 COLISTINA SOLUVEL-Diarreias, pseudômonas, echitericia coli. Remédio de
     verme conforme tabela, sobretudo, nas aves com cloaca suja.
 VACINA BIO SHS VIVA – contra pneumovirose aviária para aves poedeiras.
 IBATRIM ORAL – sulfadiazina sódica + trimetropim, contra colibacilose,
      cólera, doença respiratória, tifo aviário.
 POTENAY – Complexo vitamínico.
 POLIFORTE – Complexo vitamínico
 VITAGOLD – Complexo vitamínico
 ADETHOR – Complexo vitamínico
 GEROTREX H3 – Complexo vitamínico
A Coli tem muito a ver com a água e a limpeza do aviário. As principais características são as asas caídas, abatimento e sem se alimentar. Ataca muito os pintos. A galinha infectada prejudica o pinto. Se necessário, fazer o exame de laboratório com antibiograma para detectar qual o antibiótico sensível - MEDICAR TODO PLANTEL.
Nos climas muito úmidos, uma doença muito comum é a coriza, e existem vários medicamentos que podem ser indicados pelo veterinário: terramicina L.A, amoccilína, cilroflocxacina, sulfoelopiridazina - trimetropím - enrotril - enrofloxacina (mais respiratório), neomicina (mais intestinal), sulfaquinoxalina excelente para coccídeos, sulfaclopiridazina - eritromicina - cefalecina.
O exame de laboratório com antibiograma é fundamental na indicação do antibiótico mais sensível ao plantel afetado pela doença.

ALGUMAS INFORMAÇÕES DE DOENÇAS E PROVIDÊNCIAS:

Doenças de Marek:

É uma doença causada por vírus, também conhecida como Paralisia das Aves. Causa tumores nos nervos, nos rins, baço, fígado, intestinos, coração e músculo. Os sintomas variam de acordo com a localização dos tumores. Podem ocorrer diarreias, as aves ficam ofegantes. Afeta o sistema nervoso central das aves. O crescimento e a reprodução sofrem decréscimos.

SOLUÇÃO
Severa limpeza e desinfecção. Isolamento das aves doentes. A vacinação deve ser realizada em pintos de 1 dia de idade e aplicada no dorso ou no pescoço.

Newcastle:

São causados por um vírus, muito contagiosos. Os primeiros sintomas consistem em queda do consumo de alimentos, bronquite com tosse e espirros. As aves perdem o equilíbrio, andam em círculos, entortam o pescoço e tem diarreia. Chegam á morte rapidamente.
SOLUÇÃO:
As aves doentes devem ser isoladas, os viveiros desinfetados rigorosamente, assim como todos os bebedouros e comedouros. A vacinação é feita via nasal ou ocular, mas também pode ser feita via muscular, no peito ou na coxa.

Pulorose

Também chamada "Diarreia Branca" é uma infecção causada por Salmonela. Causam problemas na reprodução, fertilidade, atraso de crescimento e queda de produção. Há sonolência, apatia, diarreia amarelada, asas pendentes e as fezes se acumulam em torno do ânus, há dispneia da crista,
SOLUÇÃO:
O tratamento é feito com antibióticos e sulfa, desinfecção rigorosa e separação das aves contaminadas.

Tifo Aviário:

É provocada por Salmonela, provoca palidez da crista. Apatia, penas arrepiadas, diarreia amarelo ou esverdeada, febre, sede intensa, ou artrite.
SOLUÇÃO:
O tratamento é feito com algumas sulfas e antibióticos específicos, A doença aparece normalmente por práticas anti-higiênicas e mau manejo,

Aspergilose:

É uma infecção que ataca as aves, sendo provocada por fungos. Causam alterações no aparelho respiratório (ronqueira), perda de apetite, enrijecimento das articulações e paralisia, diarreia, apatia, queda na produção. Confunde-se com a coriza e a bronquite infecciosa.
SOLUÇÃO:
Não há vacina. O tratamento é feito com antibiótico e pulverização periódica dos viveiros com fungicida

Coccidiose:

Provoca a queda na produção e o atraso no crescimento. Doença parasitária do trato intestinal é transmitida através de fezes, cama úmida e água suja, O calor e umidade favorecem o aparecimento da doença. As aves tornam-se apáticas, perdem o apetite e ficam pálidas.
As fezes apresentam-se aquosa e sanguinolenta, pois, a doença provoca severa inflamação da mucosa intestinal.
SOLUÇÃO:
A desinfecção das instalações é o melhor meio de prevenção. Uso de cama limpa, limpeza e desinfecção de comedouros e bebedouros. Boa alimentação é indispensável.

Cólera:

Também conhecida como Pasteurelose Aviária, é um germe, apresenta sintomas de febre e sede intensa, respiração ofegante, sonolência e diarreia.
SOLUÇÃO:
Vacina no tempo indicado.

DOENÇAS – PROFILAXIA.

CORIZA:


É uma doença das vias respiratórias caracterizada pela Inflamação das mucosas do aparelho respiratório, podendo por vezes atacar o globo ocular.
Quando a coriza vem sem febre, de forma aguda, e provocada por vírus caracteriza o estado de uma simples constipação, a qual pode ser provocada por muitos tipos de vírus, entre eles a influenza, o rinovírus, etc. Pólens, poeiras de fenos e serragens também são capazes de irritar a mucosa nasal provocando a coriza. Assim, na forma benigna, as aves conservam quase a vivacidade normal, notando-se, no entanto a saída pelas narinas de um líquido mucoso. Na forma grave há inflamação da face, falta de apetite, espirros frequentes, corrimento nasal c por fim vem à morte, que pode atingir 50% dos efetivos.
Esta doença tem alcance mundial- especialmente em climas temperados e tropicais. Implica uma enorme importância económica uma vez que, pode ser responsável pela queda de postura (40% de perda). Ocorre principalmente em aves de postura e raramente em frangos.

PROFILAXIA

Separar as aves afetadas
Alimentação rica em vitamina A
Antibiótico na água da bebida
Ventilação adequada:
Vacinação

TRATAMENTO

Antibióticos
Clorar (ou adicionar desinfetantes á base de iodo) a água de bebida.





SÍNDROME DE QUEDA DE POSTURA

É uma doença infectocontagiosa, de ocorrência em vários países do mundo, que afeta as galinhas adultas causando, diminuição da qualidade interna do ovo e má qualidade da casca. Assim, a importância econômica está ligada à perda na produção e má qualidade dos ovos.
O ADENOVÍRUS EDS afeta apenas as espécies aviárias mantendo-as aparentemente saudáveis e não causa danos à saúde humana. Como sinais clínicos podemos observar diarreia severa durante a fase e crescimento, sonolência, baixo consumo de ração e por vezes, as galinhas comem os ovos. Os ovos por sua vez, aparecem com casca fina,
sem casca, com casca deformada e descolorida, com redução no peso e depósito de cálcio sobre a casca, Esta enfermidade não causa mortalidade nas aves.

PROFILAXIA

Vacinação
Não utilizar galos suspeitos no acasalamento de aves
Não utilizar equipamentos de lotes positivos em lotes negativos
Desinfecção dos aviários com ou solução de iodo
Utilizar hipoclorito de sódio à base de 3 ppm na agua de bebida das galinhas para
evitar possível contaminação por aves aquáticas em reservatórios naturais.

TRATAMENTO
Não há tratamento para esta enfermidade.

GUMBORO

A doença infecciosa da bursa (IBD) ou doença de gumboro é uma virose que afeta aves de várias idades.
As aves afetadas apresentam: diarreia, depressão, prostração, cristas pálidas, atrofia, hemorragias musculares, edema, etc. Aparecem processos secundários como: menor resposta ás vacinas, maior incidência de coccidiose e outros processos patológicos.
O sorotipo 1 está presente na maioria dos aviários de grandes dimensões, comerciais.
Naqueles se pratica uma vacinação correta, os sinais clínicos são raros.




PROFILAXIA

A melhor é a prevenção. A vacinação das reprodutoras com vacinas inativadas para proporcionar uma boa imunidade passiva à descendência. Os pintos devem ser vacinados com vacinas vivas no momento em que os níveis de imunidade maternal sejam adequados para que a vacina não se neutralize. São utilizadas várias fórmulas para calcular a idade ideal de vacinação. A "Fórmula
Deventer" é utilizada nos Países Baixos. Esta tem vantagens como o poder ser
usada para todo tipo de aves: frangos de corte, matrizes e poedeiras; as datas de coleta de amostras de sangue são flexíveis: de 1 a 10 dias após a eclosão; permite determinações em lotes com distribuições uniformes c também irregulares de títulos e pode ser aplicada para todos os tipos de vacinas contra
1BD.

TRATAMENTO

Não existe um tratamento eficaz contra a doença. O que se pode fazer é controlar os agentes secundários e os efeitos da imune supressão.

NEWCASTLE

Virose respiratória, também com sintomatologia nervosa e digestiva. É altamente contagiosa. Também conhecida por pseudo-peste.
As aves apresentam conjuntivite, podendo haver secreção abundante; problemas respiratórios associados a Mycoplasma sp; diarreia esverdeada e mais tarde começam as complicações nervosas como torcicolos (pela encefalite), queda de postura (até 100%). ovos deformados, tarsos assentes no chão, etc.
Enfermidade político sanitário que pode matar até 100% das aves de um lote de qualquer espécie e qualquer idade. A exportação fica inviabilizada se não houver controle da doença no país.

PROFILAXIA

 Boa desinfecção dos galinheiros
Separar as aves doentes.
Vacinação dos pintos nos primeiros 15 dias de vida, Revacinação.

LARINGOTRAQUEÍTE INFECCIOSA

A Laringotraqueíte Infecciosa (LT1) é uma doença respiratória aguda e altamente contagiosa das aves. A importância desta doença deriva das perdas econômicas ocasionadas pela alta mortalidade, diminuição do desempenho produtivo e diminuição da produção de ovos e alto consumo de medicamentos,
Embora a Laringotraqueíte possa afetar todas as aves, em qualquer idade, as galinhas são os principais hospedeiros da doença e os sintomas são mais observados nas aves já adultas.
A porta de entrada natural da doença o trato respiratório superior e a via ocular, e a transmissão ocorre pelo contato direto entre aves ou indiretamente através de equipamentos e cama contaminados. Em geral, o curso da LT varia entre sete a dez dias pode-se manifestar de duas formas. A primeira delas é a forma aguda, na qual a ocorrência e a disseminação são rápidas, com alta mortalidade chegando a ser maior que 50%. Algumas aves morrem com bom peso corporal e pescoço distendido devido à dificuldade respiratória. Sinais clínicos como a tosse normalmente ocorrem acompanhados da observação de coágulos de sangue nas narinas e no piso.
A outra forma de manifestação é a subaguda. Onde a sintomatologia é semelhante a anterior, porém com a mortalidade variando entre 10% e 30%. Além das perdas decorrentes da mortalidade de aves, a LT é responsável pela queda na produção de ovos, porém sem afetar a sua qualidade.

PROFILAXIA

Vacinação
Boa lavagem e desinfecção dos pavilhões;
Aquecimento dos galpões por 100 horas a 100 °F, antes do alojamento de novas aves;
Reforçar as medidas de biossegurança.

SÍNDROME DA CABEÇA INCHADA:

A SHS, ou Síndrome da Cabeça Inchada, é uma enfermidade que acarreta a um quadro respiratório, com edema facial e submandibular, presença de sinais nervosos, queda na produção e na qualidade dos ovos. Em frangos são observados secreção nasal, depressão e edema subcutâneo. Com frequência os quadros são agravados pela presença de infecções secundárias, principalmente E. Colí.
Em matrizes e poedeiras a mortalidade fica em torno de 1% a 3%, porém ocorrem perdas devido à queda de postura de 1% a 10% durante 2 a 3 semanas e aumento da morte embrionária em incubadora em tomo de 3% a 10%.

PROFILAXIA 


Manejo e densidades adequadas.
Controle ambiental de poeira e amordaço (níveis inferiores a 15 ppm).
Controle microbiológico da água

TRATAMENTO

Uma vez que a infecção pelo Pneumovírus Aviário não pode ser controlada por meio de medicação, o uso de vacinas atenuadas em aves jovens, e inativada em matrizes e poedeiras comerciais antes do inicio da postura, tem sido amplamente recomendado.

BOTULISMO


É uma intoxicação aguda causada pela neurotoxina* do Clostridium botulinum.
Provocando debilidade, prostração e paralisia flácida que levam à morte.
As aves afetadas apresentam: paralisia flácida das pernas, asas, pescoço e terceira pálpebra. Inicialmente, as aves afetadas ficam deitadas e não se mexem (se forçadas a caminhar, parecem aleijadas). As asas caem o pescoço encontra-se distendido para frente e apoiado no chão. As aves afetadas apresentam penas arrepiadas, que podem ser facilmente destacadas da pele. Por vezes, observa-se diarreia.

PROFILAXIA

Recolhimento rápido das aves mortas e incineração
Remoção das camas, limpeza e desinfecção com hipoclorito de cálcio ou formalina.
Controle de moscas

TRATAMENTO

Isolamento das aves doentes
Antibióticos (estreptomicina, etc.) para redução de mortalidade.

ENTERITE NECRÓTICA

É uma emerotojiemia aguda, não contagiosa encontrada principalmente em animais jovens. Suas características são o aparecimento súbito, a necrose confluente da membrana da mucosa do intestino delgado, rápida debilidade e morte. As aves apresentam severa apatia, diminuição do apetite.

PROFILAXIA

Manuseio ambiental adequado
Uso de enzimas para diminuir a viscosidade intestinal
Uso de probióticos, que colonizam o trato intestinal, reduz o PH, produzem bactericidas.
Uso de ácido orgânico

TRATAMENTO

Antibióticos

COCCIDIOSE

É uma das doenças mais importantes da avicultura.
Não bastando o fato de que o agente cause enterite e diarreia, consequentemente, uma diminuição na absorção intestinal de nutrientes, há ainda um efeito sinérgico dos coccídeos com outras doenças.
A coccidiose intestinal da galinha é devida à presença de uma bactéria a Eimeriatenella Esta produz uma afecção grave e contagiosa, causadora de perdas consideráveis, É muito resistente podendo viver de um ano para o outro. São principalmente os animais novos os mais atacados e os menos resistentes,
À infecção faz-se por via digestiva e são as aves que comem as fezes, água ou ração contaminadas que apanham a doença.
Os pintos doentes mostram-se arrepiados com as asas caídas, friorentos, umas vezes o apetite mantém-se outras não, geralmente são afetados na 1o há 10° semana. Os sinais clínicos apresentam graus variados de patogenicidade aos seus hospedeiros, dependendo qual a espécie de Eimeria que provoca a doença.

PROFILAXIA

Higiene nos aviários
Separar as aves afetadas
Alimentação à base de lacticínio.
Coccidiostático natação
Vacinação



24 de out de 2013

Manual do Criador: 8 - ALIMENTAÇÃO NATURAL E HIGIENE PARA AVES


8-ALIMENTAÇÃO NATURAL E HIGIENE:

Área Verde: Como sabemos, a energia do sol é responsável pelo crescimento do verde, do capim, das verduras, das frutas, todos eles repletos de vitamina, minerais e força vital.
Fornecer verde diariamente é muito bom para as aves. Uma ração balanceada contempla as necessidades alimentares das aves, mas, as vitaminas, minerais e outros elementos nutritivos contidos no verde e acumulados no corpo das galinhas, além de beneficiá-las transferem força para a carne e os ovos.
A luz solar é um estímulo ao repouso, a intensa atividade de ciscar sob condições de luz, cria boas condições microclimáticas no organismo das aves, e dá resistência contra as bactérias.
O campo para andar, desenvolve a musculatura das aves e abre seu apetite, é bom evitar que na área de solta haja poças de água, entulhos e dejetos de outros animais.
Além das frutas que caem, as verduras, o capim, o feijão guandu, a folha de bananeira e o mamão, são ótimas para a alimentação das aves. A farinha de casca de ovos é um excelente cálcio para as galinhas em postura, podem ser trituradas no liquidificador, formando uma farinha para misturar a sua alimentação.
Quanto maior a disponibilidade de alimentos alternativos, menor será o custo da criação e melhor será o sabor da carne.
O espaço para pastagem deve ser o maior possível, é interessante, que haja grama e leguminosas, e, que nessa área, haja alguma sombra para descanso das aves.

8.1-HIGIENE

Quando as aves são criadas em regime de semi confinamento, é preciso atentar que a falta de higiene é uma das principais causas de doenças nas aves. As bandejas usadas devem ser próprias para incubatório: limpas e novas. O combate aos ratos e predadores deverá ser permanente e rigoroso.


LIMPEZA DO AVIÁRIO

Retirar as aves e aplicar AVT 500 ou similar. Passar cal virgem, colocar cavaco borrifado com remédio semanalmente = 2 gotas de Ivomec na cloaca da galinha.
O acesso aos Aviários deve ter um pé de lúvio nas passagens com o AVT 500 é um bom desinfetante e tira o mau cheiro. FORMOL é muito tóxico e proibido. Outros preventivos muito usados são creolina, pinho sol – SENIVEX, querosene, bolfo.
O indicado é usá-los para pulverizar os aviários três vezes ao dia.
Deve ser usado bolfo nos criatórios e embaixo das pernas das aves, para evitar piolho
e pichilinga. A vassoura de fogo é importante para desinfecção.
É importante, e necessário, lavar a caixa d ́água a cada 30 dias (1 vez por mês). Colocar pastilha de cloro no poço ou na caixa d ́água nos dias 15 e 30 de cada mês.
As aves mais velhas têm os pés com escamas, e podem ser limpas com querosene
misturado com água.




 DESINFECÇÃO

Um produto forte e que substitui o formol é o TIMSEN, ideal para a desinfecção dos aviários contra vírus, fungos, etc. Não faz mal ao humano, não é corrosivo, e não tem cheiro.
A desinfecção e a higiene são os itens mais importantes para o sucesso na criação das aves. A deficiência nas imunidades provoca as bactérias oportunistas como estafilococos, estreptococos, bronquite e fungos.
É indispensável ouvir a palavra do veterinário.
OBS: Nós não nos responsabilizamos pela aplicação desses métodos e medicamentos, apenas são anunciados como regra geral para criação de aves, que podem, ou não, ser observada pelo criador.




PARA MAIS INFORMAÇÕES CLIQUE NO TÓPICO: "MANUAL DO CRIADOR"

Manual do Criador: 7 - ALOJAMENTO


7-ALOJAMENTO:

Alojar os pintinhos em local seco e bem protegidos de corrente de ar, e se forem
alojados em galpão telado, encortinar o local.
A chocadeira deverá estar com 37°C de temperatura e umidade de 67°.
É importante formigar a chocadeira (desinfetar) e os ovos, com produtos próprios,
vendidos nas casas de agropecuária.
Até os 60 dias as aves devem ser mantidas no criatório sem acesso a áreas de
pastagem e terem tomado as principais vacinas.
Mudar sempre o cavaco; Desinfetar, limpar, alimentar, trocar a água do pinteiro pela
manhã e a tarde.
Quando retirar os pintos da chocadeira e colocar nos pinteiros, lavar as chocadeiras e
guardá-las em local seguro para não contaminá-las.



De 1 a 28 dias de vida, fornecer apenas ração balanceada inicial sem óleos.
Nesta fase não se pode fornecer alimentos alternativos para não prejudicar o
desenvolvimento e o empenamento das aves.
Após 28 dias fornecer ração de crescimento sem óleo para frangos.
Depois de 60 dias um mês de vida, as aves já podem receber alimentos alternativos
juntamente com ração balanceada. Podem-se fornecer folhas verdes, capim, farelos,
restos de farinha, casca de frutas, restos de comida caseira, etc. Pode-se deixar à
disposição das aves a ração balanceada.
Quanto maior a disponibilidade de alimentos alternativos, menor será o custo de
criação e melhor será o sabor da carne.
É bom que o criador mantenha uma ficha de identificação de cada plantel, para
melhor fazer o acompanhamento.
A falta de aquecimento, e encortinamento inadequado, deixam os pintos debilitados
sem força para comer e andar. Esse é o principal motivo para a mortalidade. O frio
faz o pinto virar refugo.
A indicação de pintos macho ou fêmea quando muito novo, não é seguro, o método
certo e cientifico é através da inversão da cloaca, ou exame de DNA com gota de
sangue.
Existem muitas crendices populares: Uma delas é que ao ser pego na mão, se esticar a
perna é macho, se encolher é fêmea.
Outra crendice: Ovos redondos nascem fêmeas, bicudos são machos.
Muitos outros palpites existem sem qualquer fundamento cientifico.

PARA MAIS INFORMAÇÕES CLIQUE NO TÓPICO: "MANUAL DO CRIADOR"

Manual do Criador: 6 - AQUECIMENTO


6-AQUECIMENTO

Durante a 1o semana de vida, os pintinhos precisam de uma fonte de aquecimento
em tomo de 32°C. Esta fonte de calor poderá ser uma ou mais lâmpadas ou uma
campânula a gás.





Pintos juntos, ambiente
frio - ERRADO
 



Pintos afastados, ambiente
quente - ERRADO



Pintos Espalhados,
ambiente – CERTO -



O piso do galinheiro deve ser coberto por uma camada bem seca, podendo ser de
cavaco de madeira ou bagaço de cana:
Os comedouros e bebedouros devem ser limpos diariamente e com 8 dias lavados
com sabão e escova.
As bandejas usadas devem ser próprias para incubatório: Limpa e nova.

PARA MAIS INFORMAÇÕES CLIQUE NO TÓPICO: "MANUAL DO CRIADOR"

Manual do Criador: 5 - PINTOS


5-PINTOS

Os pintos geralmente são alojados em círculos de Eucatex ou Duratex, com altura
variável de 30 a 70 cm, dependendo das correntes de ar, umidade, frio e dos
predadores que possam aparecer. Uma circunferência de 2 metros pode servir para
100 pintos.
Calor, água limpa, local livre de fungos, boa ração e acompanhamento é o necessário
nessa primeira fase de vida da criação. A cama deve ser preparada com serragem,
palha de arroz ou bagaço de cana, e deve ter cerca de 5 cm de altura.
Os equipamentos geralmente usados são bebedouro pendular ou de pressão e uma
bandeja de ração para 100 pintos. Uma lâmpada infravermelha de 250 w para até 500
pintos.
A partir de 5 dias de nascidos, o espaço circular do Eucatex deverá aumentar aos
poucos, chegando a 1 comedor tubular para 30 aves e 1 bebedouro pendular para 100
aves.
Os pintos caipiras, somente devem ter acesso a área de pastagem após 60 dias de
nascidos. No primeiro dia de vida é uma boa prática que seja colocado papel frisado,
“machucado” no piso do pinteiro para melhor fixação dos pintos no solo (pode ser
jornal cortado ou qualquer outro papel). Quando nascidos, os pintos devem tomar a
vacina de Marek e Gumboro (logo que saírem da chocadeira).
Os pintos menores devem ser separados dos maiores logo nos primeiros dias de
nascidos, evitando, que os pequenos por medo, deixem de se alimentar. Podem ser
debicados logo, mas, a maioria dos criadores debica após 30 dias.


PARA MAIS INFORMAÇÕES CLIQUE NO TÓPICO: "MANUAL DO CRIADOR"

Manual do Criador: 4-OVOS


4-OVOS

Os primeiros ovos da 1a postura devem ser desprezados, e, somente aproveitados
aqueles após 10 dias de iniciada.
O ovo é o segundo alimento mais completo do mundo, perdendo apenas para o leite
materno, é muito rico em energia e ferro, além de uma grande fonte de proteína.
Dados recentes demonstram que a ingestão de um ovo diário, não aumenta o risco
cardíaco.
Quem quiser produzir os próprios pintos, e, portanto, ser considerado matrizeiro,
deverá zelar para que os ovos colhidos a cada hora, não sejam colocados ao sol, pois
estará iniciando o processo de incubação.
É importante formigar (desinfetar) os ovos e a chocadeira sempre que os ovos forem
colocados para gerar. A chocadeira deverá estar com 37 graus de temperatura e
umidade de 67.
É sempre importante que o criatório, e a cama, estejam limpos e o cavaco espesso.
Quando o galo ou a galinha bicarem os ovos, pode ser necessidade de cálcio ou
vegetação verde. Deve-se suprir essa necessidade e cortar o bico das aves.
A limpeza dos ovos deve ser com palha de aço ou produtos próprios.
Ovos trincados, manchados, com duas gemas, deformados e pontudos, devem ser
excluídos.
Se o clima da região não for o ideal, os ovos devem ser guardados em sala de
refrigeração, com temperatura de aproximadamente 12 a 18 graus.
É importante que os ovos sejam incubados até o sexto dia, e, enquanto aguardam fora
da chocadeira, deverão ser viradas duas vezes por dia na bandeja com a ponta mais
grossa para baixo, pois; nela está a camada de ar e a gema pode se desprender e
grudar na casca.



OVOS

TEMPO DE INCUBAÇÃO

Cisnes Negro 40 dias
Faisão Coleira 25 dias
Faisão Versicolor 25 dias
Faisão Dourado 22 dias
Faisão Elliot 25 dias
Faisão Lady 23 dias
Faisão Orelhudo 27 dias
Faisão Real 26 dias
Faisão Swinhos 25 dias
Faisão Venerado 25 dias
Galinha Angola 28 dias
Galinha Doméstica/ Ornamental 21 dias
Ganso Africano 28 dias
Ganso Chinês 28 dias
Marreco Pequim 28 dias
Marreco Carolina 35 dias
Pato Domésticos 28 dias
Marreco Mandarim 35 dias
Pavão Azul 28 dias
Pavão Asas negras 28 dias
Pavão Albino (Branco) 28 dias


PARA MAIS INFORMAÇÕES CLIQUE NO TÓPICO: "MANUAL DO CRIADOR"

Manual do Criador: 3 - NINHOS



3-NINHOS
 
O ninho poderá ser produzido conforme o modelo acima, fechando apenas a parte inferior da frente e os fundos. Poderá ser usada uma tábua de 10 cm, para que fique um acesso ao interior de 25 cm.
A tábua inferior da frente, deverá ser colocada para impedir que a cama e os ovos caiam do ninho com o movimento de entrar e sair das galinhas.
O ninho deverá ter um declínio para o ovo não ficar no mesmo local, e ser quebrado pela galinha.
3.1-NINHOS POPULARES
Os ninhos mais simples são elaborados com um tijolo de altura, e algum piso flexível para receber o ovo. Podem ser de madeira ou caixa de papelão. O mais simples, seria um pequeno buraco no chão com capim seco.
Os ninhos não podem estar no sol, e devem ser desinfetados permanentemente com bolfo ou naftalina. Se o ovo cair no piso do aviário, poderá sujá-lo de bactérias, provocando Salmonela, Encherichiricia Coli e outras doenças.


PARA MAIS INFORMAÇÕES CLIQUE NO TÓPICO: "MANUAL DO CRIADOR"

Manual do Criador: 2- MATRIZES



2-MATRIZES

O investimento inicial deve ser de aves de boa procedência, mesmo que se queira formar um plantel amador, mas que seja com saúde, produção, e, se quiser lucratividade.
Um plantel que lembre as criações interioranas das granjas, sítios, chácaras e fazendas.
É a concretização da natureza e da ecologia.
Não expomos como fazer na produção industrial que abastecem os supermercados, tratamos das galinhas rústicas, criadas soltas para ovos e carne.
Quem desejar produzir seus próprios pintos deverá ter matrizes com galos e galinhas sadias, isentam de doenças e sempre fazer um remanejamento de forma que não haja consanguinidade. O ideal é a cada três gerações mudar os galos ou as galinhas, trocando-as por outra família.
A linhagem das matrizes irá definir a qualidade da criação.
As instalações terão que obedecer a um critério pré-estabelecido de higiene e manejo.
A criação de galinhas caipira além de ser uma atividade agradável, é muito saudável, faz bem a saúde, e, se o criador desejar, poderá lucrar, com a atividade. O criador poderá ser matrizeiro, comercial, ou simplesmente criar para consumo.
O objetivo da fazenda Califórnia é passar aos seus clientes, algumas informações práticas, sem pretensões de ser um trabalho científico ou de pesquisa.
A atividade quando profissionalizada como matrizeiro, poderá dar um lucro bem maior, entretanto, exigirá uma série de requisitos legais, tais, como a aprovação no MINISTÉRIO DA AGRICULTURA e no órgão de controle estadual.

PARA MAIS INFORMAÇÕES CLIQUE NO TÓPICO: "MANUAL DO CRIADOR"

Manual do Criador: 1- ORIGEM DAS GALINHAS DOMÉSTICAS



MANUAL DO CRIADOR

Índice

1. ORIGEM DAS GALINHAS DOMÉSTICAS
2. MATRIZES
3. NINHOS
4. OVOS - TEMPO INCUBAÇÃO
5. PINTOS
6. AQUECIMENTO
7. ALOJAMENTO
8. ALIMENTAÇÃO NATURAL E HIGIENE
9. LIMPEZA DOS AVIÁRIOS
10. DESINFECÇÃO
11. DOENÇAS / MEDICAMENTOS
12. DOENÇAS E PROFILAXIA
13. DETALHES PROFISSINAIS DAS DOENÇAS, DIAGNÓSTICOS E REMÉDIOS.
14. QUALIDADE DA ÁGUA
15. CHECKLIST PARA UMA BOA ADMINISTRAÇÃO
16. AVES RECÉM-CHEGADAS
17. PROPORÇÃO DE EQUIPAMENTOS
18. QUADRO DE VACINAS
19. REMÉDIOS CASEIROS
20. INFORMAÇÕES SIMPLES
21. COMERCIALIZAÇÃO
22. A ARTE DE INCUBAR
1-ORIGEM DAS GALINHAS DOMÉSTICAS

O encantamento da vida no campo, nos leva a coisas simples, e relevantes. Não podemos lembrar de terra e criação, sem o cantar de um galo imponente e pontual na beirada de nossa janela. Os ovos pesquisados e saudáveis, colhidos à pouco, e servido no café da manhã, ou o gosto de caça, de uma deliciosa galinha cabidela ou mesmo, de um prato internacional servido no almoço.
A criação de galinha vai muito além desses prazeres, ela é consumida em 100% dos lares brasileiros, entretanto, somente a galinha caipira é fonte de proteínas e nutrientes sem hormônios e sem produtos industrializados.
Para muitos, criar galinhas, sintetiza toda uma mudança, no estilo de vida, é o campo, a saúde a qualidade de vida.
A galinha foi domesticada no continente asiático, e muitos sustentam que é proveniente do “gallus gallus” que até hoje habita as selvas da Índia. As galinhas foram classificadas em 1870, quando foram reunidos em 86 linhagens e 235 variedades. Hoje, estão classificados em 200 variedades incluindo perus, gansos, patos e marrecos. A publicação oficial que contem classificações é o “American Poultry Association Standard of Perfection” esse livro, é um guia indispensável e completo para quem deseja se aprofundar na criação de aves ornamentais, em pintinhos, galinhas, faisão, gansos, marrecos, perus e outros.
A fazenda Califórnia, aceita encomendas de exemplares desse livro, importado, escrito em inglês e com farta exposição de fotos e minúcias das características de cada raça.
As grandes variedades de aves são criadas nos Estados Unidos e em alguns países da Europa. O livro “Living with Chickens” resume bem o sentimento dos colecionados
das linhas raças existentes: “Welcome to the wonderful world of poultry in general and chickens in particular” = “Bem vindo ao maravilhoso mundo das criações de aves em geral e das galinhas em particular”.
Rhodes Island Red – Plymouth Rock Barrado – New Hampshire – Label Rouge pescoço pelado) – Gigante Negro e Gigante Negro com Plymouth, são aves belas,
rústicas, criadas soltas no campo e de dupla aptidão – ovos e carne.
As raças puras, de origem americana e inglesa, têm sido utilizadas com o objetivo de melhorar o plantel das aves caipiras (capoeira). Ao serem cruzadas, dão origem a aves grandes, robustos, e com todas as características das caipiras. São aves que permitem ao criador várias gerações de aves sem perdas da produtividade.
A produção industrial produz os frangos “híbridos” abandonando as raças puras. A produção industrial programa suas galinhas para abate com 45 dias com 2,400kg com conversão alimentar de 1,7 de rendimento, tudo dependendo do sistema de produção, as vezes em menos prazo.
As galinhas de postura industrial, à cada dia, ficam menores e produzindo mais ovos, evidentemente, os recursos para obter esses resultados, são ditos pelos que observem a produção orgânica, como cheios de hormônios e produtos industrializados.
As raças puras de dupla aptidão, alimentam-se em pastos ou em áreas de solta, ou em sistema semi-confinado, com uma área coberta e uma área de solta. Os alimentos
básicos são: verduras, frutas, milho, capim de varias espécies como: guandu, cofei e rami, também se alimentam com mandioca, macaxeira, batata doce, folhagens, leguminosas, hortaliças diversas, pequenos insetos e outros recursos naturais.
Que tem alguma área e pode criar as suas aves livres de produtos tóxicos, está fazendo um investimento na saúde.
As aves híbridas não servem para reprodução. As aves puras são as criadas soltas.
Certas espécies produzem prole fértil quando cruzadas entre si, são as boas misturas genéticas, entretanto, as raças hibridas, não se reproduzem satisfatoriamente, o crescimento é mais lento, reduzido, têm postura mais baixa e menor resistência as doenças.
A fazenda Califórnia não cria raças híbridas, todas as aves são PO, daí o preço mais elevado que os de galinha de granja.
Importante para criar aves puras de dupla aptidão é formar um plantel com pintos adquiridos em empresa que tenha credibilidade e tradição.
Uma opção do criador é ter algumas aves livres de tóxicos, com ovos e carnes orgânicos ideais para um consumo saudável.
Se o criador buscar um pequeno lucro, poderá produzir um número pequeno de galinhas, por exemplo, 30 galinhas por semana, que poderão ser vendidos à um feirante da cidade ou a venda direta à quem quiser consumir galinhas e ovos caipira.
Outra opção seria o criador adquirir um número maior de pistas criar e vender os frangos num comércio que poderá ser maior ou menor de acordo com o capital e mercado consumidor.
A opção mais rentável e mais complicado, é criar uma estrutura de produção, adquirir as matrizes, produzir os pontos, e vender o produto na escala que puder contar de capital grande, média ou pequena. Esta última opção exige muito planejamento e trabalho, inclusive licença do Ministério da Agricultura (MAPA) e do órgão estadual da Secretaria da Agricultura sempre é preciso ter em vista que a ave caipira tem um preço final (junho/2012) em torno de R$ 14,00 e a galinha de granja R$ 3,50. A galinha caipira leva mais tempo, mas alimenta-se de produtos sem alto custo como a ração balanceada.
Este site, dispõe no seu tópico de “Manual do Criador”, de uma orientação para toda a criação de galinhas no sistema solto e semi-confinado.
No sistema, confinado e semi-confinado as rações não contêm promotores de crescimento.
No sistema confinado podem ser alojadas 32 aves por baia (5 aves/m2). No semi-confinado podem ser alojado 64 aves por baia (5 aves/m2) até os 35 dias de idade, em seguida, devem ser transferidas para cabanas de 3m pór 3,5m com acesso a piquetes de 15m por 33m, onde permanecem até o abate.
A Divisão de Operações Industriais (DOI), do DIPOA (Oficio Circular DOI/DIPOA
no 007/99). Ofício Circular impõe que as aves criadas no sistema caipira no Brasil, tenham acesso à piquetes com no mínimo 3m2 de espaço/ave e idade para abate no mínimo 85 dias, e regime alimentar constituído por ingredientes exclusivamente de origem vegetal, alem de ser proibido o uso de promotores de crescimento.
As raças puras que são criadas soltas tem dupla aptidão para carne e ovos foram desenvolvidas na Inglaterra e nos Estados Unidos no século 18 e 19. As raças Plymouth e Rhodes Island Red, são criadas em 80% das casas americanas.
Essa grande opção por essas raças, devem-se a maior produção de carne e ovos, que além de representarem um grande suplemento alimentar, possibilitava uma receita para os criadores. Mais tarde, justaram-se as essas duas raças, as galinhas Label Rouge (pescoço pelado), New Hampshire e Gigante Negro, mais tarde cruzada com a Plymouth, dando origem a uma ave bem graúda e ótima poedeira (Gigante Negro x Plymouth).

PARA MAIS INFORMAÇÕES CLIQUE NO TÓPICO: "MANUAL DO CRIADOR"