14 de mai de 2019

Cuidados prévios ao nascimento dos Bezerros



Cuidados prévios ao nascimento
Os cuidados com os bezerros começam antes do nascimento. No terço final da gestação (por volta do 7º mês) as vacas devem ser apartadas do rebanho e submetidas ao manejo de secagem, que tem a finalidade de interromper a lactação. 

Secagem das vacas
A qualidade do colostro depende da regeneração dos tecidos do úbere responsáveis pela produção do leite, e esta recuperação depende diretamente da correta secagem das vacas. Portanto, a secagem das vacas é muito importante para a saúde dos bezerros.
Vacas que emendam lactações tendem a produzir colostro de baixa qualidade, colocando a saúde e a vida dos bezerros em risco. Além disso, elas geralmente produzem bezerros com baixo vigor ao nascimento.

Formação do lote de vacas em final de gestação
As vacas secas devem ser mantidas em pastos ou piquetes com forragem e água de boa qualidade, bem como com sombra suficiente para que possam se abrigar nas horas mais quentes do dia.
As vacas devem permanecer nesses locais até a proximidade do parto, quando devem ser levadas para piquetes ou baias maternidades, onde darão a luz aos seus filhotes.

Manejos preparatórios para o parto
Mantenha os locais de parição sempre limpos, secos e organizados; livres de lama, de água empoçada, de resíduos orgânicos em decomposição e de infestação de moscas e carrapatos.
As baias e piquetes maternidades devem ser instalados em locais de fácil acesso e com boa visualização, evitando locais com muita movimentação e ruídos. 
Essas instalações devem proporcionar oportunidades para as vacas se isolarem do rebanho no momento do parto, que é um comportamento natural realizado momentos antes de parir.
É fundamental definir quem serão as pessoas responsáveis pelo acompanhamento dos nascimentos. Essas pessoas devem estar treinadas para identificar problemas de dificuldades para parto, rejeição do bezerro pela mãe ou falhas na primeira mamada. 
Atenção! É importante que o acompanhamento das vacas prestes a parir faça parte da rotina de trabalho da fazenda e, portanto, deve-se atribuir a responsabilidade para o acompanhamento dos partos a uma pessoa específica, que terá esta atividade como prioritária.
ERRADO

CERTO





18 de abr de 2019

Planejamento para criação de bezerros


Opinião de quem usa as boas práticas de manejo
Gostar do que se faz é muito importante e necessário para que seja bem feito. No manejo de bezerros é preciso se importar com a saúde, a alegria, o aleitamento e a diversão; enfim, com todas as coisas que nós chamamos de vida. Só assim, nós vamos ver os bezerros correndo à tarde, se divertindo uns com os outros e brincando. Traduzindo tudo isso, é preciso gostar dos bezerros e do serviço, para que se tenha bons resultados no manejo empregado. O manejo racional nos aproxima mais dos bezerros e da sua vida, proporcionando informações melhores e mais rápidas sobre suas condições de saúde, para podermos tomar decisões sobre como melhorar a sua vida e a nossa, tornando nosso trabalho mais fácil e mais produtivo. 
Maurício Vital – Médico Veterinário e Sócio Proprietário – Fazenda Germânia, Taiaçu-SP
Trabalhar oferecendo carinho, dedicação e amor é muito bom. Colocar este projeto em prática foi maravilhoso e me mostrou o que desde o começo eu já acreditava: que ia dar certo. Além disso, mostrou às outras pessoas que os animais também têm direito ao carinho, amor, cuidados especiais e a oportunidade para brincar e correr. Resumindo: todo animal merece ser feliz.

Planejamento para criação de bezerros
Para ter sucesso no desenvolvimento das boas práticas de manejo de bezerros é necessário organização e planejamento. É importante definir previamente quem assume a responsabilidade pelo manejo dos bezerros, onde este manejo será realizado e quais os recursos necessários para que o trabalho seja bem conduzido.
É fundamental também contar com registros que permitam o melhor controle do rebanho. Por exemplo, é importante conhecer antecipadamente quantos bezerros irão nascer a cada semana; com essa informação é possível fazer previsões sobre as necessidades de espaço, leite e alimentos sólidos (ração e feno), que devem ser disponibilizados aos bezerros. 
Com essas medidas será possível definir planos de ação para a solução de problemas mais frequentes e para lidar com situações de emergência. 

Preparação da equipe de trabalho
A pessoa que assumir a responsabilidade pelo cuidado com os bezerros deve ter pleno domínio sobre como realizar os manejos iniciais (oferta de colostro, cura do umbigo, separação do bezerro da mãe e pesagem); além de dar continuidade às rotinas de manejo (aleitamento, cuidados sanitários e higienização, dentre outros) e realizar a desmama de forma segura. 
Lembre-se! A saúde e a sobrevivência dos bezerros dependem de como o manejo é realizado. É importante que a equipe responsável pelo trabalho esteja consciente da importância de se dar atenção 

Organização de instalações e equipamentos
As instalações devem estar localizadas em áreas de fácil acesso e que permitam constante monitoramento, de forma a facilitar os cuidados com os animais.
Os bezerros devem ser alojados em locais limpos, confortáveis e que proporcionem facilidades para que se adaptem as condições climáticas, oferecendo um ambiente sem correntes de ar e umidade, além de boas condições de higiene.

Os bezerros devem ser mantidos em locais arejados, com disponibilidade de sombra, água e alimento de boa qualidade.

É importante dispor de instalações próprias para alojar bezerros fracos ou doentes (baia hospital), de forma a facilitar os cuidados e reduzir os riscos de contágio. 
Faça uso de camas para cobrir o piso de galpões e baias. Use de preferência a palha ou capim seco para cobrir o piso dos locais onde os animais serão alojados. 
As instalações devem dispor de bebedouros e comedouros com dimensões que proporcionem acesso de todos os bezerros ao mesmo tempo. Atenção especial deve ser dada a altura e profundidade dos mesmos, garantindo que todos animais tenham acesso aos recursos, mesmo quando os níveis de água e alimento estiverem baixos. 
Água e alimentos (feno e concentrado) de boa qualidade devem estar sempre disponíveis. 
Independentemente dos tipos de instalações adotados, todos eles devem proporcionar condições que permitam a adoção das boas práticas de manejo, assegurando boas condições de saúde e conforto aos bezerros.

ERRADO
DÊ ATENÇÃO A DETALHES NA CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS!
CERTO
CAMA DE BOA QUALIDADE NA ÁREA DE DESCANSO PROPORCIONA MAIOR CONFORTO AOS BEZERROS

Todos os equipamentos, como baldes, bicos, panelas, bebedouros e instrumentos veterinários, devem estar limpos e em boas condições de uso. Guarde-os em um local apropriado (abrigado do sol, com boa ventilação e protegido de insetos).
ERRADO
CERTO

Formação de banco de dados
A formação do banco de dados consiste na coleta e no armazenamento de informações, que serão importantes para o controle e o manejo do rebanho. 
Registre diariamente tudo de importante que acontecer com os bezerros como, por exemplo: doenças, aplicações de medicamentos, acidentes, quantidade de alimento ingerido e outros acontecimentos relevantes. Não se esqueça de registrar também o número (ou nome) do bezerro e de sua mãe. 
Os registros podem ser feitos em cadernos, agendas, fichas de controle ou no computador. Guarde as informações com cuidado, pois só assim será possível manter um histórico dos acontecimentos na fazenda, que será útil na tomada de decisões sobre o manejo.




10 de mar de 2019

Infraestrutura na Criação de Gado de Leite



Introdução
O sucesso na atividade agropecuária,  quer seja ao iniciar, reestruturar ou promover uma expansão no sistema de produção depende do planejamento da infra-estrutura individual  de cada propriedade.  Esta infra-estrutura consiste em um conjunto de características próprias e únicas que devem ser avaliadas de forma global e interativa, quanto a disponibilidade dos recursos produtivos: terra, capital e mão-de-obra. Deste modo, a implementação de um sistema de produção de leite requer uma caracterização apropriada da propriedade para que se possa planejar sua estrutura física, dimensionar o rebanho a ser explorado, estabelecer metas agronômicas, zootécnicas e econômicas, e preconizar a tecnologia para o manejo animal e a produção de alimentos, assim como estabelecer a rotina de trabalho para usar no sistema de produção escolhido. 

Caracterização da Propriedade

A caracterização da propriedade é a descrição do estado da arte da propriedade, partindo-se deste conhecimento inicial, identificar a potencialidade de seus recursos naturais renováveis ou não, para implementar um plano de ação estratégico para o estabelecimento de um sistema de produção que ofereça o  menor risco de insucesso para o empreendimento.
 Esta caracterização consiste em descrever de forma resumida a localização da propriedade e a sua estrutura física existente (modelos abaixo), para, a partir daí, estabelecer a estratégia para a implementação do empreendimento pretendido, seja ele inicial, de reestruturação de metas e objetivos ou expansão da atividade.

Tecnologia Preconizada

Descrever a tecnologia a ser empregada ou substituída para atender a demanda de alimentação para os animais, adequar as forrageiras ao uso da terra e definir as instalações necessárias e os procedimentos de rotina.

Produção de Alimentos (SISPAL)

A produção de alimentos constitui uma das principais etapas na exploração racional de um sistema de produção de leite. Disponibilidade de forragens em quantidade e qualidade é o fator determinante para que o animal externe o seu potencial máximo de produção, influenciando diretamente a produtividade por animal, por área, produção total de leite, potencial reprodutivo e a saúde do rebanho.

. Produção de Forrageiras e Pastagens

. Escolha da Área

O conhecimento da propriedade é importante, pois permite selecionar forrageiras adaptadas a cada um dos diferentes segmentos da paisagem, ou seja, sua toposseqüência (topografia). De forma geral, o Cerrado apresenta uma topografia propícia à mecanização das atividades agrícolas, áreas contíguas, solos com fertilidade variável tendo como grupos principais os Latossolos (46%), Podzólicos (15,1%) e Areias Quartzosas com 15,2%). A precipitação varia de 800 a 1.800 mm anuais com distribuição concentrada entre outubro e março. Prestam-se à produção de culturas e pastagens anuais (milho, sorgo, milheto, soja, girassol, forrageiras de inverno etc.), pastagens perenes, neste caso, predominando  gramíneas como as braquiárias, os Panicuns e o Andropogon, além de forrageiras com alto potencial de produção de biomassa, tais como o milho e sorgo para silagem, cana-de-açúcar para corte, capim-elefante para capineira e mandioca.  

. Fazer análise de solo

A análise do solo, para fins de diagnóstico de sua fertilidade, constitui-se numa das práticas mais importantes do processo produtivo, principalmente quando se pensa no uso intensivo e racional dos solos.

. Preparar a área

O preparo da área consiste em sua limpeza, deixando a área isenta de restos de culturas, entulhos diversos (galhos, toco, pedras, etc.), facilitando as operações posteriores (aração, gradagem, sulcamento e plantio). Havendo necessidade de desmatamento, roçada pesada ou queima, esta operação deverá ser devidamente autorizada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente – IBAMA.

. Conservação do solo

Consiste em garantir a perpetuação do recurso natural não renovável e é feita por meio de curvas de nível, terraceamento em terrenos mais declivosos, podendo estes, serem terraços de  base estreita ou base larga .Prática simples e  eficaz é não deixar a superfície do solo descoberta. 

. Calagem

A calagem tem como objetivos básicos neutralizar o alumínio tóxico presente na solução do solo, um dos responsáveis pela acidez do solo, bem como fornecer cálcio e magnésio, que constituem elementos essenciais para o crescimento das plantas. Sua necessidade é determinada pela análise do solo, com a quantidade de calcário a ser aplicada  sendo obtida diretamente  do laboratório credenciado ou pela interpretação dos resultados da análise do solo, feita por técnico. Determinada a quantidade de calcário a ser aplicada, a distribuição é feita a lanço (manual ou mecânica) sobre toda a área,  antes da aração, com antecedência mínima de 20 a 30 dias do plantio, desde que o solo esteja úmido.

. Preparo do solo

No plantio tradicional, consiste de aração e gradagem, operações não executadas quando o plantio for direto na palha. A operação de preparo do solo tem a finalidade de melhorar suas condições físicas, melhorando a aeração e a absorção de água, facilitando a semeadura, a germinação das sementes e mudas. A profundidade de aração deverá variar de 15 a 20 cm podendo ser feita com tração animal ou mecanizada. Quando se pensa em manejo racional do solo, sob hipótese alguma, em áreas de relevo acidentado, é permitida a aração morro abaixo e morro acima.

. Formação de capineira e pastos

Capineira é uma área de terra cultivada com gramíneas de elevado potencial de produção de forragem que são cortadas e picadas para fornecimento de alimento verde no cocho, em especial, na época seca.  O capim-elefante é a gramínea mais usada para este fim, apresentando, porém, grande exigência em termos de fertilidade do solo e manejo de cortes para evitar perda de qualidade da forragem. Em propriedades menores, onde são alimentados poucos animais e com produtividade elevada, plantam-se os capins guatemala e venezuela,  de rendimentos inferiores aos do capim-elefante, porém de excelente qualidade nutricional. 

Estas espécies são plantadas nos meses de janeiro a novembro, por mudas oriundas de plantas com três a cinco meses de idade, distribuídas em sulcos espaçados de 0, 70 a 1,00 m,  devendo ser adubadas com adubo orgânico e fertilizantes químicos, tanto no plantio como na manutenção. No estabelecimento  e na utilização devem-se procer a tratos culturais, tais como: controle de ervas daninhas, formigas, lagartas, cigarrinha, cupins e outras pragas.

. Culturas forrageiras

Várias são as culturas forrageiras que podem ser plantadas para a alimentação do rebanho. O principal critério para a escolha de qual forrageira a plantar deve ser feita em sua capacidade de produção e qualidade nutricional, seguidas de sua adaptabilidade à região em que se localiza o sistema de produção. Outro ponto importante é a facilidade operacional para o seu uso, como disponibilidade ou não de máquinas e equipamentos e mão-de-obra.

Cana-de-açúcar – cultura tradicional no Brasil, alta produção por unidade de área (70 a 200 t/ha), cultura de implantação e manejo simples, exigindo poucos tratos culturais, período de maturação e colheita coincidentes com o período de escassez de pasto, pequena taxa de risco de perda da cultura, disponibilidade e qualidade constantes se plantadas variedades de ciclos médio e tardio, cultura perene, produzindo um corte a cada doze meses, fonte rica de carboidratos, na forma de sacarose, bem consumida pelos animais e dispensa a conservação como silagem ou feno.

Suas limitações nutricionais para os bovinos estão relacionadas ao baixo teor de proteína bruta (2 a 3% na matéria seca),  a qual é corrigida pela associação com 1% da mistura de nove partes de uréia e uma parte de sulfato de amônio, e a deficiência em alguns minerais, principalmente fósforo, enxofre, zinco e manganês, exigindo para tanto o fornecimento de uma  boa mistura mineral aos animais suplementados com cana.

De modo geral, para culturas agronomicamente  bem conduzidas, dois hectares de canavial são suficientes para suplementar 50 bovinos adultos durante 150 dias. O manejo de corte e retirada da produção é fator importante para a longevidade do canavial, devendo ser evitado o tráfego de veículos e máquinas sobre a área plantada, daí, a necessidade de se preparar acessos e carreadores.

A escolha das variedades é fundamental e devem ser plantadas uma ou mais variedades industriais melhoradas de cana-de-açúcar, adaptadas às condições locais, considerando-se o relevo, a fertilidade do solo e o clima da região, além de apresentar características desejáveis como alta produtividade, alto teor de açúcar, rebrotação vigorosa, ausência de tombamento e resistência a pragas e doenças.

Adubação orgânica e química devem ser usadas no plantio e manutenção do canavial. Plantio em sulcos espaçados de 1,20 a 1,30 m com 0,30 m  de profundidade, usando-se mudas retiradas de canaviais com 8 a 12 meses, vigorosos e sem infestação de pragas e doenças. Gasta-se de 10 a 12 toneladas de mudas para implantar um hectare, e duas são as épocas de plantio. Cana de ano, plantada em setembro/outubro e colhida a partir de junho do ano seguinte e a cana de ano e meio, plantada de janeiro a março (dependente de chuvas) e colhida a partir de junho do ano seguinte.

No estabelecimento  e na sua utilização deve-se proceder a tratos culturais, tais como: controle de ervas- daninhas, formigas, lagartas, cigarrinha, cupins e outras pragas.

Mandioca – de fácil adaptação, a mandioca é cultivada em todos os estados brasileiros, solteira e em cultivo associado,  exigindo solos bem drenados, não excessivamente argilosos, com boa profundidade efetiva e pH entre 5,0 e 6,0. O potencial máximo de produção é atingido com adubação adequada e dentre os macronutrientes, o fósforo permite resposta mais acentuada em termos de produtividade. O plantio é normalmente feito no início da estação chuvosa. Em Minas Gerais, é plantada de outubro a  dezembro nas áreas de Cerrado e de junho a  setembro na Zona da Mata.  Selecionar  uma cultivar para se conseguir boa uniformidade e maior produtividade do mandiocal, escolher manivas maduras provenientes de plantas com 10 a 14 meses de idade. Usar apenas o terço médio das manivas, eliminando a parte herbácea superior. Essas manivas devem possuir um diâmetro em torno de 2,5 cm,  sendo que a medula deve ocupar 50% ou menos disso.

O plantio é feito em sulcos de 10 cm de profundidade, e os melhores rendimentos têm sido obtidos com espaçamentos de  1,00 m x 0,50 m e 1,00 m x 0,60 m, em fileiras simples e 2,00 x 0,60 m x 0,60 m, em fileiras duplas.  É necessário o controle de plantas daninhas, pragas comuns (mandarová, ácaros, percevejo de renda, mosca-branca, mosca-do-broto, broca-do- caule, cupins e formigas) e doenças (bacteriose, antracnose, podridão das raízes e o superbrotamento).

Na alimentação animal, tanto a parte aérea quanto as raízes podem ser consumidas pelos animais na forma fresca, seca ao sol sob a forma  de raspa da raiz, feno de ramas e ensilada. O fornecimento da matéria fresca é o modo mais simples de fornecer raízes e parte aérea da mandioca aos animais. Trituração ou picagem e murcha em condições ambiente, por 24 horas, são necessárias para servir aos animais. Para ruminantes, tratando-se apenas da parte aérea, misturá-la com 50% de outros volumosos. A introdução deste alimento na alimentação animal deve ser feita de forma gradativa para adaptação, sendo a quantidade dependente da espécie, idade e da produção do animal.

A qualidade da silagem ou feno da parte aérea da mandioca depende da rapidez da colheita, picagem e acondicionamento do material a ser armazenado.

Milho ou Sorgo – Em sistemas sem irrigação, o plantio do milho deve ser feito no início do período chuvoso. Pode-se fazer dois plantios por ano em áreas irrigadas; neste caso, usar cultivares precoces. Como o sorgo exige menos quantidade de água para se desenvolver, o seu plantio pode ser feito tanto no início como no final do período chuvoso. Culturas exigentes em solos com boa drenagem e férteis, podendo ser plantados em plantio tradicional ou plantio direto. Recomenda-se o uso de herbicidas em pré-plantio ou pré-emergência; neste caso, consulte um Engenheiro Agrônomo e peça uma  indicação e o receituário para aquisição do herbicida, use equipamentos de proteção e siga as recomendações para uso dos produtos e o descarte das embalagens após o uso.

A cultivar de milho ou de sorgo deve ser aquela que mais se adapta à região e que seja boa produtora de grãos, para, assim, assegurar a produção de silagem de boa qualidade.

Cultivares normais (variedade ou híbrido) apresentam porte alto, atingindo o ponto de ensilagem cerca de 120 dias após o plantio de verão, estendendo-se em até 30 dias nos plantios tardios com colheita no inverno.

Cultivares precoces são de porte mais baixo, resistindo melhor ao tombamento e oferecem melhor relação espiga: colmo, e o ponto de ensilagem pode ser antecipado em 20 dias, em relação às cultivares normais.

O espaçamento, a profundidade de semeadura e o número de sementes por metro linear (densidade de plantio) dependem do tipo de solo, da disponibilidade de chuvas ou irrigação na área, da capacidade da cultivar em aproveitar a luz e os nutrientes, e do porte da planta. Para cultivares de milho de porte e ciclo normais, é recomendado o espaçamento de 0,90 a 1,00 m entre linhas,  e para cultivares de porte mais baixo e precoces o de 0,80 a 0,90m. A profundidade de plantio é de 4 cm para solos argilosos  a 5 a  8 cm para solos arenosos.

A densidade de plantio, população ou número de plantas por hectare  deve ficar entre 40.000 e 50.000 plantas/ha para cultivares de ciclo normal, e de 50000 a 60000 plantas/ha para cultivares precoces.

A quantidade (Kg) de sementes necessária para cada hectare depende do tamanho da peneira, e devem ter um acréscimo de 20% para compensar eventuais perdas no campo, gastando-se em média de 20 a 26 Kg de sementes/ha.

A população final para o sorgo deve ficar entre 150.000 e 200.000 plantas/ha, sendo gastos em média de 8 a 10 Kg de sementes/ha. Considerando sementes com valor cultural superior a 70% e um acréscimo de 30% para compensar perdas diversas.

A adubação é feita em função da análise de solo e do histórico de uso da área. A adubação de cobertura para o milho é realizada quando as plantas apresentarem 8 a 10 folhas bem desenvolvidas e, em sorgo, 30 a 35 dias após a emergência das plântulas. Doses de N acima de 100 Kg/ha, como regra prática, recomenda-se que sejam divididas em duas aplicações com a primeira cobertura aos 20 a 25 dias com metade da dose de N e o restante aos 35 a 40 dias da emergência da plântula.  O adubo deve ser colocado na superfície do solo próximo à linha de plantio, podendo ser distribuído a lanço, com adubadeira manual e/ou cultivador-adubadeira, ou ainda a tração mecânica.

Os tratos culturais necessários à condução da cultura são o controle mecânico ou químico de plantas  daninhas e combate a pragas (formigas, lagartas etc.).

Girassol (Helianthus annuus L.)-  é uma planta originária do continente norte-americano, pertencente à família das Compostas. Possui raiz pivotante profunda, que atinge cerca de dois metros ou mais de profundidade e ciclo vegetativo médio de 120 a 130 dias. A partir de pesquisas do Instituto Agronômico de Campinas, da Embrapa e de algumas universidades, pode-se afirmar que o País possui hoje tecnologia para produção dessa cultura.

É uma cultura alternativa ao milho na produção de silagem na safrinha, pois possui maior tolerância às deficiências hídricas e ao frio, podendo atingir de 20 a 30 t/ha de matéria verde. Por isso, é uma excelente opção para os agricultores que produzem silagem na segunda safra, quando as condições climáticas são mais adversas. A silagem de girassol apresenta teor de proteína superior ao do milho (aproximadamente 30%), sendo também, em média, 20 a 30 dias mais precoce. A cultura do girassol para produção de silagem na safrinha não exige grandes investimentos em insumos, porém responde bem à utilização destes, pois o girassol aproveita bem os resíduos da adubação da cultura anterior e tem boa capacidade para suportar a competição com o mato. A calagem é indispensável, pois a planta é sensível à acidez do solo. A quantidade de calcário é a recomendada pela análise de solo para elevar o índice de saturação de bases para 70% e pH acima de 5,2.

Com base na análise de solos e do histórico da área, recomenda-se aplicar, na adubação, de 40 a 60 quilos por hectare de nitrogênio, de 40 a 80 Kg/hectare de P2O5 e de 40 a 80 Kg/hectare de K2O . O nitrogênio deve ser aplicado 30% no plantio e o restante em cobertura até 30 dias depois da emergência das plantas. Em áreas novas, recomenda-se também a aplicação de 20 Kg/hectare de enxofre, que pode estar sendo suprido se há uso constante de sulfatos. Outro elemento indispensável para o girassol é o boro, cuja aplicação deve ser feita de forma convencional, nunca por via foliar.

Se houver necessidade de uso de herbicidas, há três registrados para a cultura: trifluralin, alchlor e setloxydim. Outro ponto interessante é a possibilidade de produção de até 20 a 30 Kg de mel por hectare pela introdução de colméias nas culturas, o que indiretamente aumenta a produção de grãos pela melhor polinização, já que a sua florada dura de 15 a 30 dias, o que deve ser levado em consideração caso haja necessidade de uso de algum inseticida.

O período de plantio é muito amplo em todo o Brasil. Na Região Sudeste, deve ser plantado no perído de safrinha, ou seja, de fevereiro a março. O plantio no período de safra normal (primavera-verão) é antieconômico,  e pode ocasionar sérios problemas fitossanitários. O espaçamento entre linhas poderá variar de 0,70 a 0,90 m (0,7 m se usar plataforma para soja e 0,8 a 0,9 m se for usar plataforma de colheita para o milho), semeando-se de cinco a sete sementes por metro linear, dependendo da cultivar, procurando-se atingir 45 a 60 mil plantas por hectare. De acordo com o tamanho da semente, gastam-se 4 a 5 Kg de sementes por hectare. Mesmo plantado em épocas corretas, pode sofrer ataque de maritacas se estas não dispuserem de outras alternativas de alimentos na região, da mesma forma que para o sorgo, fator esse agravado pela perda de áreas com florestas.

. Formação ou recuperação de pastagens

Consiste na implantação da espécie forrageira escolhida e pode ser  feita por sementes e mudas. É o processo mais eficaz para  se produzir leite,  carne ou lã.

A formação de pastagens de gramíneas por sementes constitui o método mais usado, especialmente para áreas extensivas e as espécies forrageiras comumente usadas são as Brachiarias (decumbens e brizantha), os panicuns (capim-colonião, green panic, sempre verde, makueni, tobiatã, mombaça, tanzânia, massai, o andropógon e a setária. Diversas espécies forrrageiras, principalmente as leguminosas, possuem tegumento externo protetor (casca), dificultando a entrada de umidade, prejudicando a germinação. A escarificação das sementes pode ser feita por procedimentos mecânicos, químicos e com água, havendo necessidade de fazer a inoculação da semente escarificada. Outras espécies possuem dormência fisiológica e precisam ser armazenadas em condições especiais para completarem a maturação.

Consciente de que pasto é uma cultura que agrega valor por intermédio dos animais que retiram os nutrientes para sua sobrevivência e produção, procedimentos importantes para implantar ou recuperar pastagens são a qualidade das sementes (pureza e germinação, valor cultural das sementes), e adubação - fundamental para o seu estabelecimento e manutenção, além de um bom preparo do solo, semeadura correta e manejo consonante com os hábitos de crescimento da planta forrageira usada.

A propagação de gramíneas como a grama estrela, o capim coastal-cross, tiftons e o capim-elefante, é feita por meio de mudas vegetativas. A área a ser plantada deve ser bem preparada, abrir sulcos de 20 a 25 cm de profundidade, realizar a adubação de plantio em função da análise do solo, distribuir as mudas (colhidas de viveiros sadios e não praguejados com outras espécies) no fundo dos sulcos e cobrir as mudas com uma camada de terra não muito espessa, para não retardar a brotação das gemas e aumentar o aparecimento de plantas daninhas na área.

Prática importante é realizar o pastejo de formação, o qual deve ocorrer 60-90 dias após o estabelecimento da forrageira. Consiste na entrada de grande número de animais na área em formação por um curto período de tempo, com o objetivo de forçar maior perfilhamento e permitir uma cobertura do solo mais rápida.

A divisão, a rotação das pastagens e o controle da carga animal têm sido uma forma de manejo eficiente para evitar a degradação, dando oportunidade às plantas de se recuperarem após o pastejo. Além disso, os animais têm oportunidade de selecionar partes mais nutritivas da planta, principalmente as folhas, que se desenvolveram com o período de descanso.

A manutenção de cobertura vegetal remanescente após o pastejo, além de promover a reciclagem de nutrientes, protege o solo contra o ressecamento  excessivo e evita erosão por ocasião das chuvas mais intensas.

. Banco de Proteína

É uma área de terra cultivada com leguminosa de elevado potencial de produção e qualidade de forragem que são cortadas e picadas para fornecimento de alimento verde no cocho, em especial, na época seca. Presta-se ao pastejo controlado no qual os animais têm acesso diário, podendo ser de forma contínua ou limitada por um período de tempo. Guandu (arbustiva), leucena (arbórea), soja perene e estilosantes são as leguminosas mais usadas. Os procedimentos para a implantação são os mesmos recomendados para a formação de pastagens e capineiras.

. Integração Agricultura e Pecuária

Os cerrados brasileiros se apresentam como uma região propícia para o estabelecimento de sistemas integrados de produção agropastoril,  seja para a formação ou principalmente para a recuperação de pastagens degradadas, cujos resultados são ecológica, econômica  e socialmente benéficos. Diversas são as alternativas de integração agricultura e pecuária em uso nos cerrados. As formas mais comuns são a sucessão de culturas com forrageiras anuais, rotação de culturas anuais e pastagens perenes e reforma de pastagem com culturas anuais.

Conservação de forragens

Na maioria das áreas agrícolas do mundo, fatores de clima impõem às forrageiras  períodos de intenso crescimento alternados com períodos de baixa produção. O correto uso da silagem e da fenação permite o armazenamento de volumosos de boa qualidade que podem ser fornecidos ao gado nas épocas de escassez de pastagem ou como complemento ao pastejo ou, ainda, como principal alimento no caso de se adotar o confinamento total dos animais.

Várias forrageiras, sozinhas ou combinadas, podem ser ensiladas em diversos tipos de silos.

. Silagem

É a forragem verde armazenada na ausência de ar e conservada mediante fermentação em depósitos próprios, chamados silos. Várias forrageiras, sozinhas ou combinadas podem ser ensiladas. O valor nutritivo da silagem vai depender principalmente da forrageira usada. O milho, o sorgo e o capim-elefante são as principais forrageiras usadas para ensilagem, sendo o milho a mais comum e de maior valor nutritivo dentre essas três. Recentemente, os capins Tanzânia e Mombaça e o girassol passaram a ser empregados na confecção de silagem. Devido à sua menor digestibilidade, a silagem de sorgo tem apresentado 70 a 90% do valor nutritivo da silagem de milho. A silagem de capim-elefante, Mombaça e Tanzânia é, qualitativamente, inferior à do milho e do sorgo, enquanto a de girassol apresenta valor intermediário.

. Feno

É um alimento volumoso, preparado mediante o corte e desidratação de plantas forrageiras. Esse processo é denominado fenação e que resulta na forragem desidratada e, dessa forma, ela pode ser armazenada por vários meses, sem perder o seu valor nutritivo. Excelente maneira de se aproveitar o excedente de pasto, entretanto, a qualidade do feno estará sujeita a grandes variações em função da condição da pastagem, da espécie forrageira, da época e idade da planta e da maior instabilidade climática no verão.  A maioria das gramíneas forrageiras presentes nas pastagens podem ser usadas, devendo-se evitar aquelas com caules grossos, difíceis de ceifar e secar. O ponto de feno ideal para enfardar o material é 20% de umidade e uma maneira prática de averiguação é fechar com força uma amostra do feno da mão; se a forrageira quebrar quase totalmente ou, ao abrir a mão, não tiver tendência a voltar à forma inicial, indica que o feno está em condições de ser enfardado.

. Outros

Outro produto que se obtém mediante a desidratação é a raspa de mandioca, que pode ser armazenada e utilizada como componente energético na alimentação do gado, em substituição parcial ao milho ou sorgo. A produção de raspa de mandioca em nível de fazenda consiste no arranquio, transporte até o local onde será preparada a raspa, após a remoção do excesso de terra, lavagem opcional das raízes, picagem ou corte  das raízes em fatias ou rodelas de no máximo 1 cm de espessura, secagem em terreiro com carga inicial de 5 a 10 Kg de raspa por m², revirar o material a intervalos de duas a três horas, amontoar e cobrir durante a noite para proteção contra chuva ou orvalho. O ponto de secagem (menos de 15% de umidade) é atingido com doia a quatro dias, dependendo das condições do tempo e dos procedimentos adotados, e é determinado de forma prática quando, tomando-se  um pedaço de raspa, este riscar como se fosse giz.

Produção Animal (Sispan)

Preconizar as técnicas para o manejo das diversas categorias de animal, estabelecer as estratégias para o melhoramento genético, manejo reprodutivo e nutricional do rebanho e os critérios de ordenha e qualidade do leite.

. Bezerros

Fase de Cria: corte e cura do umbigo, uso de abrigos individuais (casinha) ou coletivos (bezerreiro), aleitamento natural ou artificial, desmama precoce ou tardia, fornecimento de volumoso e concentrado. 

Fase de Recria: pastagem com suplementação volumosa e concentrada até a primeira cobrição.

. Novilhas

Manejo em pastagens até a parição aos 24–26 meses de idade.

. Vacas

Manejo em pastagens com suplementação volumosa (silagem, cana-de-açúcar + uréia, mandioca etc.) e concentrada para as vacas em lactação, fornecimento de mistura mineral. As vacas secas receberão somente suplementação volumosa e minerais.

. Melhoramento genético

Será usado rebanho mestiço ou puro, definindo as raças ou cruzamentos.

. Manejo reprodutivo

Uso de touro ou inseminação artificial, estação de monta/inseminação, concentração de partos, rotina de detecção de cios e controle reprodutivo.

. Manejo sanitário

Manual de rotina para as práticas sanitárias

. Manejo nutricional

Divisão das vacas em lactação em grupos de produção, quantidade de concentrado a ser fornecida a cada grupo, ingredientes a usar na mistura de concentrado, se a mistura for realizada na propriedade, dieta completa ou simples, teores de proteína e energia, uso de hormônios etc.

. Ordenha e qualidade do leite

Número e horário das ordenhas, manual ou mecânica, com ou sem bezerro, rotina para os procedimentos de ordenha e limpeza dos equipamentos e utensílios, período de armazenagem do leite na fazenda,  estabelecer os parâmetros de qualidade para o leite produzido etc.

. Outros

Critérios para secagem e descarte de animais, época de comercialização de animais, programa de manutenção e recuperação de pastagens etc.

Gerenciamento (Sisger)

Detalhar a forma de gerenciamento da propriedade quanto a:

. Gerenciamento do rebanho

. Descrever o sistema de registro de dados, se por fichas ou com auxílio de programas especiais (softwares) para o controle zootécnico do rebanho.

. Acompanhamento econômico e financeiro

. Comercialização

. Informar os critérios e procedimentos adotados para a comercialização de leite e animais.

É importante ressaltar que diversos sistemas (software) de gerenciamento estão disponíveis no mercado e que são ferramentas fundamentais para este gerenciamento

Estrutura organizacional
Estabelecer o número mínimo necessário de pessoas ao desenvolvimento do empreedimento, bem como elaborar o plano de treinamento e qualificação, delegar responsabilidades, estabelecer o plano de cargos e salários e definir as funções inerentes a cada cargo/atividade.

. Equipe de Assessoramento e Apoio Técnico

. Coordenação/Administração Geral e Responsáveis pelos Setores

. Quadro de Pessoal

. mão-de-obra para produção de alimentos

. mão-de-obra para manejo do rebanho

PLANEJAMENTO DAS INSTALAÇÕES

De posse das informações levantadas e estabelecido o conceito e forma do sistema de produção, passa-se à fase do planejamento propriamente dito que é dividido em duas fases distintas, porém interativas:

Anteprojeto

Para que o planejamento de uma construção rural ou de um conjunto de instalações para animais seja bem elaborado, há necessidade de que todos os fatores de produção envolvidos sejam econômica e tecnicamente analisados pelo engenheiro projetista. Detalhes técnicos, construtivos e as características de cada tipo de construção devem ser levantados e considerados na fase de anteprojeto. Neste particular, projetar instalações para animais não significa apenas dimensionar estruturas e definir espaços, mas dimensioná-las em função das necessidades próprias do animal e de sua interação com o meio ambiente e o homem.

Projeto

A definição de uma estrutura física de uma propriedade destinada à produção de bovinos de leite deve ser considerada sob duas fases. A primeira concerne à área disponível e o programa de uso de solo, para, a partir deste referencial, determinar o dimensionamento/tamanho e a evolução do rebanho, que é determinante para a segunda fase, que consiste no planejamento das instalações, benfeitorias e a quantidade de máquinas, motores e equipamentos necessários à condução do sistema de produção.

Definição das Instalações

A intensificação dos sistemas de produção de leite tem evoluído para um sistema de exploração na qual o uso de tecnologia e capital passam a exigir do produtor melhor gerenciamento sobre os recursos produtivos. Esta tendência afeta o sistema de produção como um todo, em que os investimentos realizados precisam ser analisados com efetividade. Assim, a adoção da exploração tecnificada poderá ser dirigida para o manejo animal em regime de pasto associado à estabulação parcial (semi-confinamento) ou estabulação completa (confinamento total). Estes tipos de manejo requerem o planejamento de instalações funcionais visando aumentar a eficiência da mão-de-obra, oferecer condição de conforto aos animais, reduzir o número de acidentes, bem como reduzir os custos de produção de leite. Deste modo, torna-se essencial dar atenção ao planejamento dos componentes que constituem uma instalação típica para a exploração de bovinos de leite.

O detalhamento do manejo é, sem dúvida, o requisito fundamental para o projetista desenvolver o projeto global das instalações, devendo ser cuidadosamente estudado para atender às necessidades preconizadas para o manejo adotado. Havendo falhas na concepção desse manejo, dificilmente se consegue projetar boas instalações, podendo comprometer o desempenho dos animais e inviabilizar o sistema de produção. Além disso, as instalações e os equipamentos desempenham função estratégica nas decisões do planejamento, pois elas representam uma parcela significativa do investimento produtivo, e a vida útil das instalações é de 20 a 40 anos e a dos equipamentos, de 5 a 15 anos.

Dependência das características dos sistemas produtivos

Definido o sistema de produção a ser adotado e o manejo detalhado do sistema produtivo, o projetista inicia a elaboração do anteprojeto das instalações, verificando o arranjo físico (“layout”) mais adequado do conjunto das instalações no local previamente determinado e preparado. Após a definição desse “layout” juntamente com o proprietário e demais membros de decisão, será elaborado o projeto global das instalações, com todas as informações e detalhes necessários para a edificação:

a) Plantas:

Planta baixa, cortes e fachadas (escala 1:50 ou 1:100)

Detalhes (escala 1:10, 1:20 ou 1:25)

Planta de cobertura (escala 1:200)

Planta de situação (escala 1:200)

b) Memorial descritivo das construções ou especificações técnicas: as informações deverão ser claras e concisas com as descrições dos serviços, modo e processo de execução, materiais, aparelhos e peças a serem utilizados de acordo com o projeto arquitetônico, estrutural, elétrico, hidráulico e outros que se fizerem necessários.

c) Orçamento: deverá estimar o custo provável da obra a ser executada, considerando: materiais, mão-de-obra, encargos sociais, manutenção de equipamentos e ferramentas, benefícios e despesas indiretas (BDI).

O orçamento pode ser feito de duas maneiras: pela relação total de materiais e mão-de-obra (tabelas para composição de custos) e por unidade e custo (preços de unidades construtivas, obtido em revistas especializadas).

d) Cronograma físico-financeiro: numa tabela planejam-se os serviços a serem executados, o período de execução (mensal ou trimestral), o tempo gasto para cada atividade (serviço) e a previsão de custo ou faturamento no período e o custo total do serviço. Um cronograma físico-financeiro bem elaborado facilita muito na administração da obra, trazendo economia de tempo e dinheiro.

FATORES QUE AFETAM A ESCOLHA DAS INSTALAÇÕES

As instalações destinadas a alojar o gado leiteiro devem ser simples, eficientes, de baixo custo, e proporcionar aos animais condições de conforto, espaço e proteção de um ambiente limpo, seco, e de boas condições sanitárias para evitar doenças e permitir uma produção higiênica do leite.

Fatores econômicos e técnicos precisam ser considerados na escolha do tipo de instalação. Alguns princípios básicos devem ser seguidos quando do planejamento e escolha das instalações para um sistema de produção.

Localização: As instalações devem ser localizadas em área ampla, de fácil acesso, boa drenagem e relativamente distante de construções particulares, para evitar possíveis problemas com doenças, moscas e odores. Água de boa qualidade e eletricidade devem ser supridas.

Tamanho ou capacidade: As instalações devem ser suficientes para alojar o número de animais (jovens e adultos) existentes e que serão mantidos na propriedade. Também devem oferecer condições para que os animais sejam mantidos sob conforto físico e térmico quando são alimentados, ordenhados ou outra atividade de manejo.

Tipo de instalação: A escolha do tipo de instalação depende entre outros fatores, do capital disponível, maior ou menor intensidade de mecanização, quantidade e qualidade da mão-de-obra e da preferência do produtor. A instalação escolhida deve proporcionar alto grau de eficácia da mão-de-obra, que está envolvida diretamente com a movimentação de alimentos, esterco, leite e animais. O volume de cada uma dessas atividades é considerável, e movimentar, em linha reta, o alimento, dejetos e animais, aumenta grandemente a eficiência e eficácia da mão-de-obra. Evitando-se os cantos, os corredores afunilados, degraus e pisos escorregadios, melhora-se a locomoção de animais e se minimiza o risco de traumatismos principalmente dos membros e úbere.

Indiferentemente do tipo de instalação adotado, componentes essenciais do sistema precisam ser incluídos nas instalações centrais. Estes componentes ou áreas são destinados a:

 Alojar, alimentar e ordenhar animais;

 armazenar volumosos e concentrados;

área para maternidade, enfermaria e tratamento, realizar inseminação artificial e outras áreas de serviço;

 área para cria e recria dos animais; e

 abrigo para máquinas e equipamentos.

Alojar os animais

As instalações destinadas a alojar as diversas categorias de animais de um rebanho são projetadas em acordo com o sistema de exploração a ser adotado: pasto ou confinamento.

Manejo a pasto com suplementação volumosa no período seco do ano

O manejo em pasto requer estruturas mais simples que são, em geral, mais baratas do que as utilizadas em confinamento. Neste caso, currais, sala de ordenha, sala de leite, escritório, bezerreiro convencional ou abrigos individuais, silos, abrigos rústicos para novilhas  e cochos cobertos para minerais, construídos nos pastos, tronco para contenção dos animais, depósito para alimentos e preparo de rações, reservatório de água, bebedouros, galpão para abrigo de máquinas e equipamentos  e cochos cobertos.

Ilustrando este tipo de instalação, para um rebanho estabilizado com 60 vacas em lactação, deve-se, primeiramente, projetar a composição média do rebanho (número e categoria de animais) e o manejo a ser adotado. Para manter, em média, esse número de fêmeas lactantes, devem ocorrer, durante o ano, aproximadamente seis nascimentos por mês. Desse modo, são necessários 15 abrigos individuais para alojar os bezerros(as) até aos 70 dias, quando serão transferidos para os pastos (piquetes).

Composição média do rebanho, exemplo hipotético. 

Categoria

Número de cabeças

Local de manejo e de alimentação suplementar

Vacas em lactação

60

Estábulo e pasto

Vacas secas

15

Pasto

Novilhas gestantes

27

Pasto

Fêmeas de 1 a 2 anos

27

Pasto

Fêmeas até 1 ano

30

Abrigos individuais até aos 70 dias

Pasto após 70 dias.

Machos até 1 ano(1)



30

Abrigos individuais até aos 70 dias

 Pasto após 70 dias.

Total

189



(1) Quando se faz recria de machos.

Considerando o rebanho descrito, as instalações a serem projetadas poderão ser assim distribuídas, no caderno de plantas:

Conjunto A: 3 currais, para 20 vacas cada um, cocho para minerais, curral-de-espera, sala-de-ordenha para seis vacas, pedilúvio, sala-de-leite, escritório, depósito de ração e farmácia.

Conjunto B: Sala para picadeira e depósito de ração.

Conjunto C: seringa, tronco coletivo, tronco individual e embarcadouro (opcional).

Estrutura para conservação de forragens (silos trincheira ou superfície, 400 t).

Conjunto de abrigos individuais para bezerros (0 a 70 dias de idade).

A Figura 1 mostra o conjunto de instalações  definido para o sistema de produção de leite implantado na Embrapa Arroz e Feijão em Goiânia, GO.

Manejo em confinamento total

Exige maior investimento em instalações, máquinas e equipamentos, além de apresentar uma complexidade maior para o planejamento, porque necessita uma interação entre a movimentação de animais, alimentos e dejetos produzidos. Outro aspecto de grande importância é o sincronismo na realização e o monitoramento dessas operações, fato este que requer mão-de-obra qualificada. Também, o gerenciamento técnico e econômico-financeiro precisa ser intensificado.

- Sistema de alimentação: Dele depende a necessidde de área para galpões de armazenamento de alimentos (volumosos e grãos) e área para confecção de ração (moinho desintegrador, misturador, etc.), se esta for produzida na fazenda. Silos devem ser localizados próximos da área de alimentação.

- Sistema de ordenha: Depende do número de vacas em lactação, nível de produção do rebanho, tempo desejado para a ordenha e, principalmente, pelo seu custo inicial.

- Descarte das fezes e urina: Na exploração de leite, onde os animais são mantidos em regime de semi ou estabulação completa, talvez este seja o maior problema. A movimentação do esterco para armazenamento pode ser na forma sólida (esterqueira e distribuição direta nos campos de culturas ou pastos), líquida (lagoa, utilizando-se da água da lavagem como veículo), sendo posteriormente descartado. Recentemente, foram introduzidos na Embrapa Gado de Leite dois sistemas de manejo de esterco. Um baseado em fermentação aeróbia, no qual esterco e urina são depositados em tanques acrescidos de quantidade de água, suficiente para estabelecer uma solução líquida, sendo artificialmente aerada  e homogeneizada para reutilização na limpeza automática dos galpões de confinamento. Após a estabilização, este esterco líquido (biofertilizante) é utilizado nas áreas de culturas pelo sistema de irrigação.

O segundo sistema de manejo de esterco consiste na separação das partes sólidas e líquidas, com o armazenamento e reciclagem da fase líquida para limpeza dos galpões de confinamento.

Outra forma interessante de manejo do esterco é a Compostagem, um processo biológico de transformação da matéria orgânica crua em substâncias húmicas, estabilizadas, com propriedades e características completamente diferentes do material que lhe deu origem. É uma técnica idealizada para se obter mais rapidamente e em melhores condições a desejada estabilização da matéria orgânica).

A compostagem é um processo de digestão aeróbia da matéria orgânica por microrganismos em condições favoráveis de temperatura, umidade, aeração, pH e qualidade da matéria-prima disponível. A eficiência do processo baseia-se na perfeita interação desses fatores.

Os principais tipos de compostagem utilizados, dependendo da quantidade da matéria-prima disponível, são: em leiras, pilhas aeradas, pilhas estáticas, caixas de alvenaria ou madeira, etc.

Atualmente os sistemas de compostagem têm recebido muita atenção dos pecuaristas pela oportunidade de venda do composto para produção orgânica, agregando valor à atividade leiteira.

- Flexibilidade de local: Novas instalações devem ser previstas de modo a permitir expansão futura e adaptação de novas tecnologias.

- Exigências legais: As instalações devem preencher todos os requerimentos legais para a produção e comercialização do leite

- Orientação: a orientação das instalações é fator intimamente relacionado com o clima do local e que uma boa orientação tem maior importância em alojamentos abertos, onde, além de permitir uma máxima insolação interna no inverno, deve garantir a proteção contra os ventos dominantes e frios.

Em condições de clima tropical e subtropical, como ocorre em nosso hemisfério, as coberturas são orientadas, normalmente, no sentido leste-oeste, para que no verão haja menor incidência de radiação solar no interior das instalações e maior insolação da face norte no inverno.

Os cochos cobertos para volumosos, cuja geometria da cobertura é geralmente estreita e alongada, a melhor orientação é a leste-oeste, permitindo máximo sombreamento durante o verão e maior exposição da face norte no inverno. Nestas instalações, o cocho de alimentação deve ser locado na face sul, onde  permanece sombreado durante o ano todo, evitando o ressecamento da forragem e dando maior conforto aos animais.

Em abrigos exclusivos para sombreamento dos animais, onde não há limitação de espaço nas laterais para movimentação dos animais, a melhor orientação é a norte-sul. Desta forma, os animais se movimentam juntamente com o deslocamento da sombra do abrigo, permitindo maior exposição solar do piso, reduzindo a formação de lama e mantendo-o mais seco, além de usufruir do poder germicida da radiação solar na desinfecção do piso.

Nos bezerreiros, as baias individuais devem ser orientadas de modo que recebam o sol da manhã, devido aos efeitos benéficos dos raios solares sobre a saúde dos animais. Deste modo, os bezerreiros são projetados com todas as baias individuais do lado leste, as coletivas do lado oeste e a cobertura no sentido norte-sul.

No caso dos abrigos individuais (gaiolas) para bezerros, a abertura principal deve ficar exposta para o leste, permitindo a entrada do sol da manhã no interior deles, mantendo assim a cama mais seca e o sombreamento da lateral sul do abrigo, já que os bezerros têm livre acesso à sombra.

- Bezerreiros: geralmente, fazem parte do corpo dos estábulos clássicos e das salas de ordenha, quando a ordenha é feita com o bezerro ao pé. Entretanto, podem ser separados, principalmente se o aleitamento for artificial. As baias podem ser individuais ou coletivas, com piso de cimento ou ripado, devem dar acesso a solário ou piquete gramado.

O uso de abrigos individuais (gaiolas) é recomendado pela facilidade de manejo, limpeza, desinfecção e baixo custo. Além disso, os animais apresentam menos problemas sanitários, menor mortalidade e maior consumo de ração.

- Cochos externos: são os cochos de sais minerais e os cochos para distribuição de volumosos e concentrados nos currais e nos pastos. Reserva-se nesses últimos um espaço linear de 0,60 a 0,80 m por animal adulto, dependendo do porte dos animais.

- Brete ou tronco para vacinação: é uma instalação imprescindível no manejo do gado, facilitando a pulverização, marcação, vacinação e outras atividades dependentes da contenção dos animais. Troncos maiores permitem a colocação de maior número de animais por vez, reduzindo o tempo gasto para execução das atividades de manejo. Sempre que possível, deve terminar num embarcadouro de gado, facilitando a carga e descarga de animais diretamente em caminhões.

Há também troncos metálicos, fixos ou móveis, que podem ser adquiridos no mercado.

- Currais: o número e o tamanho dos currais variam conforme o tamanho do rebanho e o sistema de exploração. A área recomendada por vaca varia de 2 a 10 m2, dependendo do tempo que o gado permanece preso.

O piso deve ser revestido por concreto, ou calçado com lajes de pedra, para evitar a formação de lama no período das chuvas, e de poeira na época seca. O piso de pedra, normalmente, é muito escorregadio, podendo provocar acidentes e lesões nos animais.

As divisórias dos currais podem ser construídas com réguas e mourões de madeira (roliça ou serrada) de cimento, muros de alvenaria, tubos galvanizados, trilhos de estrada de ferro, etc. Atualmente vem ganhando preferência a construção de currais com o emprego de mourões de concreto armado ou eucalipto tratado e cordoalhas de aço, estas, por serem mais resistentes, duráveis e econômicos. Esta é uma alternativa ecológica e economicamente viável para construção de currais e divisórias em geral. Além disso, currais com emprego de cordoalhas permitem maior circulação do ar na altura dos animais melhorando o conforto térmico.

- Sala de leite: a sala de leite deve ficar localizada junto à sala de ordenha para facilitar o transporte do leite para o tanque de expansão ou resfriador e também o livre acesso dos ordenhadores e ajudantes. Deve ter espaço suficiente para abrigar todos os equipamentos e utensílios de refrigeração do leite, pia ou tanque para limpeza dos equipamentos de ordenha.

Outras instalações: instalações como galpões para máquinas e equipamentos, depósito de ração, depósito de insumos (adubos, calcário, sal mineral), escritório, farmácia e demais dependências devem ser detalhadas e planejadas conforme as exigências do projeto, do manejo e das condições do proprietário.

Os silos, como construções de finalidade estratégica em uma granja leiteira, devem receber atenção. Eles objetivam a conservação de forragem sob a forma de silagem, imprescindível para superar os efeitos negativos da “época seca” sobre o desempenho dos animais, principalmente sobre a reprodução e produção de leite.

Convencionalmente, cinco tipos de silos podem ser construídos em propriedades rurais, e são denominados: aéreo, de encosta, cisterna, trincheira e de superfície. Recentemente,  os silos cilíndricos de plástico, conhecidos como "salsicha", vêm ganhando espaço. A escolha do tipo de silo a construir depende, principalmente, da quantidade de silagem a ser armazenada, da topografia, máquinas e equipamentos disponíveis, custo de cada unidade e a preferência do produtor. Cada tipo de silo apresenta uma série de vantagens e desvantagens, sendo as principais apresentadas na próxima Tabela.

Geralmente, os silos devem ficar próximos do local de trato dos animais para maior facilidade na distribuição da silagem e economia no transporte. Entretanto, em situações especiais, os silos poderão ser construídos próximos do local de produção da forragem a ser ensilada, para que haja maior rapidez no enchimento e fechamento dos mesmos, práticas essenciais à produção de silagem de boa qualidade. Nesta situação, os silos de plástico apresentam vantagem relativa sobre os demais, por ser de fácil transporte.

Vantagens e desvantagens dos principais tipos de silos. 

Vantagens

Desvantagens

1. Silo Aéreo

- Maior eficiência - perdas mínimas (5%);

- Facilidades na descarga;

- Compactação mais fácil;

- Valorização estética da propriedade;

- Possibilidade de ser construído mesmo em baixadas com lençol freático superficial e, ainda, ligado ao estábulo ou local de tratamento (cochos);

- Grande capacidade de volume.

- Maior custo inicial; requer mão-de-obra mais eficiente;

- Máquinas ensiladeiras mais caras, com ventilador.



2. Silo de Encosta

- As mesmas do silo aéreo, acrescentando-se que é menos caro e dispensa máquinas com ventiladores para carregamento.



- As mesmas do “aéreo”;

- Necessita de barranco bem elevado com relação ao local de trato, o que poucas propriedades podem oferecer.



3. Silo-Cisterna

- Carregamento e compactação fáceis;

- Menos caro que os anteriores.

- Descarga mais difícil;

- Não pode ser de grande capacidade, necessita ser feito em forma de baterias, devido à sua profundidade (máxima 7 m);

- Não pode ser construído em baixadas, devido ao lençol freático superficial;

- Revestimento indispensável.

4. Silo-Trincheira

- Construção mais simples e barata;

- Possibilidade de máquinas na abertura;

- Máquinas de ensilar mais simples.



- Grande superfície exposta e possibilidade de maiores perdas (10%);

- Compactação mais difícil;

- Grande quantidade de terra para cobertura;

- Necessidade de cerca em volta para proteger contra animais;

- Dificuldade de barranco próximo ao local do trato.  Obs.: Este item pode ser omitido, fazendo-se o silo todo escavado no solo, subterrâneo.

5. Silo de Superfície

- Mais opção de escolha de local para ensilagem;

- Máquinas ensiladeiras mais simples;

- Fechamento rápido;

- Pode ser mudado de local, quando necessário, sem perdas de investimento.

- Maiores perdas de qualidade (> 15%);

- Compactação mais difícil.



6. Silos cilíndricos de Plásticos

Possibilidade de transporte

Maior quantidade de silagem armazenada por m³

Máquina especial de custo elevado

Não reutilização do plástico