1 de jul de 2017

A Escolha das Éguas



O primeiro aspecto inserido na escolha de uma égua reprodutora é o genético. Primeiro, o criador precisa definir as bases genéticas de sua seleção. Em seguida, escolher as éguas matrizes que se encaixam neste pilar genético, dando preferencia aos pedigrees superiores. O pedigree superior é mensurado com base no mérito zootécnico dos ancestrais mais próximos, até a terceira geração ascendente, no máximo. De cada um dos pais, a égua recebe 50% da bagagem genética. De cada um dos avós, 25%. De cada um dos bisavós, 12,5%. Daí em diante, a contribuição genética perde em relevância. Qualquer ancestral de baixo valor zootécnico ( ex. animal com Registro em Livro Aberto, de origem desconhecida ), poderá comprometer o mérito de produção. Havendo necessidade, os parentes colaterais mais próximos, como irmãos inteiros e meio irmãos também podem ser avaliados.
O segundo aspecto é o da conformação. O criador deve saber interpretar corretamente todas as definições inseridas no respectivo Padrão Racial. Caso tenha dificuldade, recomenda-se procurar um consultor especialista da área. O moderno conceito de avaliar a conformação estabelece uma correlação com a função.
O terceiro parâmetro é a funcionalidade, quase sempre sub-estimado em éguas matrizes, porque estas são introduzidas ainda em idade jovem na reprodução. Em raças de andamento marchado a marcha deve merecer a mesma importância dada à conformação. A marcha é uma característica genética, tendo no diagrama e no estilo os parâmetros de herdabilidade mais alta. Portanto, o criador deve evitar escolher éguas de diagrama excessivamente diagonalizado ou lateralizado. Entre um e outro, a preferencia ainda será para o segundo, pois tem mecanismo genético recessivo, podendo ser erradicado do plantel com mais facilidade. Todavia, o melhor diagrama é o da marcha de centro, a marcha verdadeira, que apresenta a nítida dissociação visual nos deslocamentos. Sempre que possível, montar para aferir a qualidade da comodidade, o equilíbrio dinâmico, vigor e disposição.
O temperamento é qualidade das mais relevantes. Mesmo que a égua tenha genética superior, boa conformação e bom andamento, se a índole for ruim, já é uma forte contra-indicação à seleção.
O comprador deve pesquisar por completo o histórico reprodutivo e produtivo. Verificar se a égua já apresentou algum tipo de problema reprodutivo, quantos produtos já foram gerados. Como o primeiro parto geralmente acontece por volta dos 4 anos de idade, não será normal um numero inferior a 2 produtos em éguas de idade superior a 8 anos. São raras as éguas que parem anualmente. Considera-se normal que a égua tenha dois partos seguidos e um ano de descanso.
A idade da égua matriz é mais variável, mas há um limite. Após a faixa entre 15 a 18 anos de idade, dependendo do numero de crias já produzidas, a eficiência reprodutiva e produtivo da égua declina, principalmente devido ao desgaste sofrido pela parede uterina. Entretanto, ao contrário de um antigo tabu, a qualidade da cria independe da idade da mãe.
O histórico em competições deve ser detalhadamente pesquisado. As premiações relevantes são as de campeonatos e reservado campeonatos, dependendo do grau de competitividade.
Uma ficha de controle de valor zootécnico produtivo pode ser organizada, visando avaliar a qualidade da conformação e desempenho dos produtos gerados pela égua. Esta avaliação pode ser ao vivo, conhecendo alguns dos produtos, através de fotos e dados oficiais de premiações. Os campeonatos Progênie de Mãe representam aqueles de maior valor zootécnico.
Finalmente, o comprador precisa solicitar uma avaliação atual de fertilidade, mesmo que a égua tenha um bom histórico produtivo. Os problemas reprodutivos mais comuns são abordados em outra parte desta obra. Os mais comuns são os problemas de má conformação da vulva, que deve ter posição vertical, a fim de reduzir a introdução de ar e fezes na vagina; infecção uterina; casos de ruptura reto/vaginal; cervicite; vaginite; ovários inativos; tumores ovarianos; útero infantil; mal posicionamento do útero, devido ao relaxamento de ligamentos durante gestações anteriores.
De acordo com o resultado da avaliação, a égua será classificada como doadora de embriões ( mérito zootécnico superior ), égua matriz mediana, égua receptora, égua para reprodução e competições.

GENÉTICA: SAIBA PORQUE A ÉGUA É MAIS IMPORTANTE DO QUE O GARANHÃO
Em comparação ao numero de reprodutores, uma população maior de éguas é necessária para atender as exigências de produção destinada ao mercado de usuários do cavalo de lazer e do cavalo de esportes. Anualmente, um numero bem maior de éguas entra em reprodução. De fato, não mais do que 10 % dos machos nascidos anualmente já seria suficiente para atender o mercado representado pelos criadores, até porque o número de bons reprodutores é reduzido e a técnica de Inseminação Artificial favorece o acesso a um variado leque de reprodutores. Nota-se ainda no mercado que a procura por éguas parideiras vem diminuindo, ao contrario da procura de cavalos de sela. Mas por que não de éguas para sela? É simplesmente uma questão de quebrar tabus, pois montar em uma boa égua de marcha verdadeira é tão prazeroso como montar em um bom cavalo de marcha verdadeira.
Geralmente, os criadores valorizam mais o garanhão. O principal argumento é ser responsável por um maior numero de produtos anuais. Em sistema de monta natural, um garanhão pode chegar a produzir até 50 filhos (as) por ano. Em regime de monta artificial este numero pode ser até dez vezes maior.
No caso da égua, mesmo através da técnica de transferência de embriões, os incrementos no numero de produtos em cada estação de monta não são significativos. A média ainda é de três produtos. A explicação é que, ao contrario de outras fêmeas domésticas, os ovários da égua geralmente não respondem positivamente aos tratamentos hormonais objetivando a super-ovulação.
A contribuição genética transmitida ao filho (a) é igualmente dividida, sendo 50% do pai e 50% da mãe. O diferencial a favor da mãe é que esta tem a importante tarefa de nutrir o feto durante um período de, aproximadamente, onze meses. Em seguida, amamenta, protege e orienta a criação natural do filho (a) durante um período de, aproximadamente, cinco meses. Assim, o efeito da contribuição maternal eleva a contribuição total da égua para 55 a 60%, aproximadamente.
Inicialmente, a égua oferece proteção e nutrição ao feto durante a gestação. Posteriormente, ela oferece proteção e boas atitudes ao seu filho (a). Caso a égua gestante não seja adequadamente nutrida, em termos de valor protéico da dieta, o desenvolvimento fetal será prejudicado. Se a carência for de minerais, a formação óssea não será normal,  com reflexos negativos à estrutura e aprumos. Para tentar recuperar um potro (a) fragilizado durante sua vida intra-uterina, através de eficientes programas de nutrição, manejo de cascos e condicionamento físico, será necessário contratar consultoria profissional, especializada, a qual nem sempre estará disponível, e acessível ao criador. O estado clínico da égua gestante, o tamanho e a condição de seu útero também são fatores que influenciam o desenvolvimento fetal.
Se a égua lactante não recebe uma dieta balanceada, a produção de leite declina, afetando negativamente o desenvolvimento da cria. A égua é uma grande produtora de leite, sendo normais produções entre 15 a 18 litros de leite.
Contudo, a contribuição marcante ao futuro atlético da cria deriva do temperamento da égua. O potrinho (a) apresenta elevada capacidade para imitar atitudes maternais. Por exemplo, se a égua é de má índole, morde, escoiceia, como exemplos, estas atitudes podem ser assimiladas pelo filho (a). Se a égua tem temperamento inquieto, idem. Se a égua apresenta algum tipo de vicio, como refugar, empacar, empinar, dentre outros, o vicio também poderá ser assimilado pela cria. Se a égua é linfática, apresentando deslocamentos de pouca progressão, o potencial atlético futuro da cria será negativamente afetado. Um bom exemplo prático é a qualidade do bardôto em relação ao burro. O bardôto passa em torno de 6 meses ao lado da jumenta. Tende a assimilar de sua mãe os deslocamentos de baixa velocidade e pouca progressão, o temperamento linfático.
Muitos programas de transferencia de embriões não são bem sucedidos devido à má seleção de éguas receptoras. Estas podem influenciar negativamente a criação, quando são má produtoras de leite, ou no condicionamento mental, quando apresentam algum tipo de temperamento indesejável. O potencial genético que a égua doadora transmitiu à cria será mascarado.

Por tudo isto, podemos afirmar que o impacto da contribuição de uma égua, ao melhoramento genético do plantel, vai muito além de uma bagagem de genes a ser transmitida a cada filho (a).



Postar um comentário