30 de jul de 2015

A ARTE DE INCUBAR OVOS



PARA VISUALIZARES EM TELA CHEIA, CLIQUE NAS DUS SETINHAS DO SLIDESHARE.



Sala de Ovos

Na Sala de Ovos, os cuidados vão desde o recebimento, até o momento de colocar os ovos na incubadora. Como fazer o recebimento, classificação, armazenagem e momento de incubação dos ovos.
Recebimento dos ovos
O ideal para se receber os ovos no incubatório é no período em que os funcionários possam executar os procedimentos de fumigação de forma correta, evitando-se que os ovos permaneçam no fumigador por muito tempo, quer sejam fumigados ou não.
Os cuidados no armazenamento dos ovos na granja devem ser estendidos ao transporte, evitando-se que os ovos sofram durante o trajeto da granja para o incubatório, principalmente quando as distâncias forem superiores a 30 km e estradas ruins.
Ovos estocados na granja em salas climatizadas devem ser transportados em caminhões com isolamento térmico para evitar possíveis condensações da casca em função das diferenças de temperatura.
Na fumigação de ovos resfriados na granja, deve-se evitar os aquecimentos prolongados no fumigador, também para evitar possíveis condensações da casca e aumentar a ação de desinfetante nos pontos condensados e que possam causar mortalidades embrionárias acima do normal.
a) Fumigação
No recebimento dos ovos são necessários alguns cuidados específicos para que os ovos não sofram interferências de temperatura e fumegantes que podem causar mortalidades embrionárias.
 Temperatura de Fumigação: 25 à 30 graus Celsius
 Umidade relativa: 55 à 70%
 Tempo de exposição: 10 à 20 minutos
 Concentração de desinfetante: A concentração de desinfetante não devem ultrapassar a DOSE TRÍPLICE (quando os ovos não foram fumigados nas granjas) e DOSE SIMPLES (para ovos fumigados nas granjas).
Obs .: Os cuidados com a temperatura e umidade devem ser observados e sempre que possível mantidos porém, quando os sistemas instalados não atenderem a necessidade de aquecimento e umidificação em até 10 minutos antes de iniciar FUMIGAÇÃO, é melhor para o embrião que não se espere mais tempo e a FUMIGAÇÃO seja iniciada imediatamente (épocas de frio e ovos mantidos em câmara fria nas granjas).
Fumigação Simples/MT3
Formol: 14 cc
Permanganato de Potássio: 7 g
Paraformaldeído: 2 g
Obs .: não deixe os ovos dentro do fumigador mais do que o tempo necessário para a fumigação e exaustão (máximo de 50 minutos totais), pois podem aumentar a ocorrência de mortalidades embrionárias precoce devido ao tempo exposto ao formol e à temperaturas não ideais para o estoque dos ovos.
b) Conferência de Ovos
Os ovos após a fumigação são levados para a sala de ovos onde devem ser separadas por lote e data da produção conferidas as quantidades e comparadas com as informações recebidas da granja, depois devem aguardar o momento de classificação.
Obs. 1 : algumas empresas conferem os ovos antes da fumigação.
Obs. 2 : cuidados para não misturar lotes e datas de produção.
Classificação dos ovos
As classificações dos ovos variam de acordo com as atividades afins de cada empresa, obedecendo a regras nem sempre consideradas como ideais, atendendo muitas vezes a necessidade de redução de mão de obra, os gerentes são envolvidos e, nem sempre a qualidade do produto final é considerada.
A classificação dos ovos deve atender a critérios básicos como:
a) Separação por faixa de pesos
Mercado Aberto (Vendas)
1) 50 a 56 g
2) 57 a 66 g
3) 67 g ou acima
Integração
1) 48 a 54 g
2) 55 a 62 g
3) 63 g ou acima
Obs: as faixas acima descritas podem ser alteradas de acordo com condições de vendas e ou de bases de aproveitamento de ovos e também o tipo de equipamentos (incubadoras e bandejas) disponíveis.
b) Qualidade da casca
(porosa enrugada, trincas)
Limpeza
A higiene dos ovos é fator primordial para que os pintos possam nascer sem problemas sanitários (onfalite, aspergilose).
Ovos de postura de chão ou limpados, devem ser de preferência incubados separados, pois o risco de apodrecimento é maior, levando a contaminações das incubadoras.
Idade das matrizes
Manter os ovos de diferentes idades de matrizes, incubados em máquinas diferentes para que se possam controlar os horários de carregamento e também as temperaturas e umidades das máquinas é importante para se conseguir melhor qualidade dos pintos no nascimento.
Estocagem
As condições de estocagem dos ovos podem determinar uma eclosão BOA ou RUIM.
A condição ideal para a estocagem dos ovos deve atender a:
 Dias de estoque
 Idade das matrizes
 Linhagens (postura ou corte)
Como padrão médio podemos considerar como condições boas as temperaturas entre 18 a 21 graus Celsius para ovos estocados até 7 dias e umidade relativa entre 70 a 85%.
Quando a estocagem for superior à 7 dias, a temperatura deve ficar entre 16 à 18 graus Celsius.
Lotes de matrizes novas devem ser incubados a partir do terceiro dia de produção e lotes de matrizes velhas (mais de 48 semanas) devem ser incubados entre 2 e 4 dias de produção para que se obtenha o melhor resultado de eclosão.
Obs. 1 : Estoques maiores devem ser considerados com perdas na eclosão.
Obs. 2 : Ovos considerados comerciais ( defeitos de casca, sujos, etc ), podem e devem ser incubados como ovos reaproveitados, otimizando os custos de produção; Estes ovos necessitam de cuidados específicos como incubação em máquinas separadas e acompanhamento da parte sanitária.
Preparação da carga
É importante que alguns itens sejam considerados para o carregamento dos ovos:
 Datas de produção
 Idade das matrizes
 Horário previsto para a retirada dos pintos
 Época do ano
 Pré-aquecimento
 Linhagem
 Número de pintos por cliente
Incubação de ovos sala de máquinas
Neste encarte técnico sobre incubação, vamos analisar vários procedimentos e lembrar alguns detalhes muitas vezes esquecidos no dia a dia do incubatório.
Após a preparação da carga, os ovos devem ser transferidos para a sala de máquinas incubadoras para os procedimentos de incubação.
Horário de incubação O horário para a incubação dos ovos deve ser determinado em função da idade da matriz, tempo de estocagem dos ovos, época do ano, horário previsto para o início dos trabalhos com os pintos e também os horários predeterminados para a entrega dos pintos nas granjas.
O tempo previsto para o nascimento dos pintos (período de incubação + nascedouros) gira em torno de 496 horas para épocas de verão a 510 horas no inverno; Outros fatores poderão influir também no tempo total de incubação:
1. Temperatura e umidade das salas A temperatura ideal das salas de incubação gira em torno de 22 a 28 graus Celsius com uma umidade relativa em torno de 60%;
Obs. : Temperaturas abaixo ou acima das faixas recomendadas poderão causar atrasos ou adiantamentos no nascimento;
A umidade relativa das salas com níveis abaixo de 50% poderá exigir um tempo de funcionamento maior dos bicos pulverizadores das incubadoras mantendo a temperatura de operação da incubadora abaixo do normal e aumentar o tempo de incubação.
2. Renovação de ar das salas
A taxa de renovação de ar das salas deve atender as necessidades de troca de ar das incubadoras mais a troca de ar do ambiente; Podemos considerar que para cada 1000 ovos incubados, precisamos de aproximadamente 200 m³ de ar por dia.
Exemplo:
Casp CM125 = 200x124.000/1000 = 24.800 m³ /dia ou
1000 m³ /hora
Petersime 576 = 200x57.600/1000 = 11.520 m³ /dia ou
500 m³ /hora
Obs. : A taxa de renovação de ar total da sala de incubação deve ficar entre 15 trocas para épocas frias e até 30 trocas para épocas de calor. Com temperatura estável em 24 graus Celsius a taxa de renovação de ar pode ficar em torno de 22 trocas/hora.
3. Tipo de Incubadora
As incubadoras podem influir no tempo total de incubação em função de regulagens de ventilação, perdas de caloria nas incubações e nas transferências.
Incubadoras de grande capacidade de ovos quando mal reguladas, podem variar o tempo total de incubação com maior intensidade que incubadoras de média capacidade.
4. Temperatura de operação das incubadoras
As temperaturas das incubadoras podem interferir no tempo de incubação em até 2 horas por fração de graus Celsius.
Temperaturas baixas atrasam o nascimento dos pintos e podem aparecer muitos pintos BALOFOS, com umbigos mal cicatrizados e muitos ovos bicados com pintos vivos sem sair da casca;
Temperaturas altas adiantam o nascimento e podem causar grande número de pintos refugos com umbigos mal cicatrizados, pintos mortos nas bandejas e também grandes quantidade de embriões mortos entre 19 e 21 dias.
5. Tempo de estocagem dos ovos
O tempo de estocagem dos ovos antes da incubação não deve ultrapassar 7 dias, sendo que o ideal é incubar os ovos entre 2 e 5 dias;
Dependendo da idade das matrizes e dias de estocagem, o tempo de incubação pode aumentar em até 6 horas. Exemplo:
IDADE MATRIZ DIAS ESTOQUE HORAS INCUBAÇÃO
35                                             5                                     0
35                                             8                                     2
35                                             10                                   4
50                                             3                                     0
50                                             5                                     2
50                                             8                                     4
6. Idade das matrizes
Manter as diferentes idades das matrizes em incubadoras separadas facilita as regulagens de temperatura, umidade e ventilação, permitindo maior uniformidade do nascimento.
7. Linhagem
Linhagens diferentes, sempre que possível, devem ser incubadas em máquinas separadas, pois existem diferenças entre as linhagens que podem alterar as condições gerais do nascimento:
 Tamanho do ovo
 Qualidade da casca
 Cor (escura e clara)
8. Fumigações
O programa de fumigações nas incubadoras deve atender os objetivos de um bom controle sanitário sem provocar mortalidades embrionárias.
Dosagens recomendadas:
Formol + Permanganato de Potássio:
Formol = 14 cc por m³
Formol = 14 cc por m³
Tempo = 6 a 10 minutos
Paraformaldeído:
Paraformaldeído = 2,5 g por m³
Tempo = 10 minutos
Pano de Gase:
Pano de gase = simples 5 ml por m³
Tempo = 15 minutos
9. Hora correta para a fumigação
O melhor horário para se fazer a fumigação nas incubadoras com um mínimo de mortalidades embrionárias fica entre 12 e 18 horas após a 1ª carga da semana para máquinas de estágio múltiplo de 6 (duas cargas na semana).
Exemplo: cargas nas 2ª e 5ª feiras as 6:00 h da manhã; fumigação é na 2ª
feira entre 18:00 e 24:00 h. Para incubadoras com apenas 1 carga na semana, fazer a fumigação entre 12 e 18 h após a carga dos ovos.
Nascedouros
Vários fatores devem ser considerados importantes na qualidade dos pintos:
 Limpeza Geral;
 Desinfecção;
 Transferência e regulagens (ventilação/temperatura/umidade);
 Horário de retirada dos pintos.
 Limpeza geral
Começa na limpeza geral dos equipamentos e da sala após o nascimento dos pintos para a manutenção da qualidade dos pintos do próximo nascimento, pois a higiene/sanitária é fator fundamental na qualidade dos mesmos.
Iniciar a limpeza pulverizando uma solução desinfetante para diminuir a poeira em suspensão, retirar toda a sujeira grossa com o auxílio de vassoura e lavar com água, sabão e bucha. É importante que a limpeza seja complementada com a limpeza dos painéis elétricos usando pistola de ar comprimido.
A limpeza do teto externo dos nascedouros precisa ser cuidadosa para evitar que fiquem pontos sem a devida limpeza e também não sejam afetados os equipamentos instalados na parte superior dos nascedouros (sistema abertura de ventilação, motores, base dos termostatos, solenoides, etc).
Desinfecção após a lavagem, desinfetar os nascedouros, carrinhos e
bandejas com solução desinfetante (800ppm), usando bomba de pressão (usar 10 litros de solução por nascedouro e 10 litros de solução a cada 100 m³ de sala).
Exemplo: Sala com 6 nascedouros e metragem de 11x10x4 = 440 m³. Usar mais ou menos 100 litros de solução desinfetante.
Após a desinfecção geral da Sala e dos nascedouros, ligar os nascedouros para a secagem.
Obs: A desinfecção úmida bem feita após a lavação, substitui a fumigação tríplice com formol antes da transferência.
Após a transferência, temos várias opções de desinfecção:
A mais usada é a desinfecção com formol líquido, através de evaporação contínua, com trocas entre 06 a 08 horas, usando 10 ml de formol por metro 3 de área de nascedouro. Obs.: é também a mais combatida devido as restrições ao uso do formol.
Os sistemas automáticos de desinfecção úmida através de pulverizadores instalados dentro dos nascedouros, ainda funcionam de forma experimental, principalmente por falta de equipamentos adequados e também por falta de avaliações técnicas (e implicações diretas na qualidade dos pintos), dos desinfetantes mais usados nas desinfecções dos incubatórios (quaternários de amônia, glutaraldeídos).
Obs: O volume de solução desinfetante usada dentro do nascedouro deve ser equivalente 0,2 ml x mt 3 x hora de produto base, a concentração da solução deve ser de 300 ml produto base (50% concentração produto ativo) x 20 litros água.
Exemplo: 01 nascedouro com 20 m³ de área:
20 m³ x 0,2 ml = 4 ml produto base por hora
1 litro de solução = 15 ml produto base
Pulverizar 270 ml solução desinfetante por hora.
Obs: Na preparação da solução desinfetante , observar a concentração do produto ativo e padronizar para base de 50%, usando a fórmula abaixo para determinar a quantidade de produto base para 20 litros água:
Exemplo:
Produto base para 20 l de água = (300/y) x 50
Onde y = 80% produto ativo
(300/80) x 50 = 188 ml
Nova solução = usar 188 ml do novo produto em 20 litros de água.
Produtos a base de peróxidos e ácidos acéticos, usar 300 ml x 20 litros de água (para produto base com concentração de produto ativo de 15% ).
Transferência e regulagens
A transferência deve ser feita com 19 dias, ou seja, com 456 horas completas de incubação. É prática comum, nos finais de semana, fazer as transferências dos ovos com 18 dias de incubação. Este manejo pode reduzir a mão de obra nos finais de semana, mas pode causar perdas de eclosão quando não observados alguns cuidados:
 Ritmo de trabalho: o ritmo do trabalho deve ser moderado para evitar batidas nos ovos e provocar estresse.
 Temperatura sala: cuidar da temperatura (mínimo de 25 Graus Celsius) e também da ventilação da sala durante a transferência.
 Temperatura/umidade do nascedouro: o ideal é manter a temperatura e a umidade do nascedouro com os valores iguais aos da incubadora até completar 19 dias de incubação, evitando possíveis atrasos do nascimento.
 Regulagem ventilação: a entrada e saída de ar do nascedouro devem ser reguladas para um mínimo de trocas (máximo de 10 trocas por hora).
Os cuidados acima descritos devem ser base também para as transferências nos horários normais, menos as regulagens de temperatura e umidade que devem ser:
 Temperatura: 98 a 98,5 graus Fahrenheit.
 Umidade: a regulagem de umidade nos nascedouros depende de muitos fatores, podendo ir de 84 até a 90 graus Fahrenheit.
As condições para as regulagens serem alteradas estão nas diferenças de:
Idade da matriz: matriz no início de produção (casca muito espessa com pouca liberação de umidade) e também no final de produção (ovos muito grandes e com muito líquido para ser eliminado) podem ter regulagens de umidades mais baixas.
Qualidade da casca: a qualidade da casca pode influir diretamente nas trocas de temperatura e perdas de umidade dos ovos durante o período de incubação.
Linhagem: algumas linhagens têm maior dificuldade em eliminar líquido durante o período de incubação, necessitando uma umidade mais baixa durante a incubação, ou então, ser trabalhada uma regulagem de umidade mais baixa nas primeiras horas de nascedouros.
Umidade de incubação: a umidade de nascedouro deve ser de 01 a 02 graus Fahrenheit acima da umidade de incubação, (menos nas transferências feitas com 18 dias onde a regulagem deve ser mantida até completar os 19 dias de incubação).
Horário de retirada dos pintos
Tempo ideal de incubação = 496 a 510 h. O horário de retirada dos pintos deve ser estabelecido para que os pintos sejam retirados e processados num período máximo de 18 horas, e as entregas (expedição) sejam feitas até um máximo de 36 horas entre a retirada dos pintos, o processamento e a chegada à granja destino.
Algumas empresas retiram, processam e expedem os pintos num período bem mais curto (10 a 15 h), isto é possível no caso de integrações, porém é importante que os pintos processados desta forma estejam mais adiantados na hora do saque para evitar que os eles não tenham a vivacidade necessária nas primeiras horas de granja. Também é importante que os pintos sejam soltos com um mínimo de 6 horas de luz natural para a acomodação na granja.

SALA DE PINTOS

(seleção, sexagem, vacinação, condições de armazenagem, temperatura umidade e ventilação da sala, expedição dos pintos).
43
Os manejos de Sala de Pintos dependem da atividade comercial da EMPRESA.
Os processos de: seleção, sexagem, vacinação e horários de entrega dos pintos, devem atender as necessidades COMERCIAIS básicas.
1. Procedimentos
Retirada dos pintos:
A retirada dos pintos deve obedecer a critérios determinados para o manejo dos pintos conforme programa de incubação, manejos específicos como sexagem e horários de expedição.
Fatores importantes a serem considerado e que, devem ser determinados ainda no momento da incubação são: linhagem, tipo do ovo (faixa de peso e formato), idade da matriz data da postura (estoque).
Linhagem:
Linhagens diferentes precisam de condições diferentes (temperatura, umidade e tempo de incubação).
O motivo principal é a Pigmentação (casca escura tem maior dificuldade em trocas internas / externas e precisa de mais horas de incubação).
Tipo do ovo:
Formato:
Fórmula:
Altura/largura (ovos com formatos fora do padrão aumentam o tempo de incubação e têm maiores índices de mortalidades embrionárias em todas as fases de desenvolvimento dos embriões).
Formato Eclosão Diferença
< 70 90 % 10 %
70 a 74 95 % 4 a 6 %
75 a 79 100 % 0 %
> 80 100 % 8%
Obs.:
Para achar o padrão dos ovos de um lote, pegar 100 ovos da postura do dia (10 ovos por caixa aleatoriamente) e fazer a medição com a ajuda de um paquímetro. O lote estará dentro de um padrão considerado normal quando 80% dos ovos estiverem entre 75 a 79 de índice.
Faixa de peso:
A melhor faixa de peso dos ovos para a incubação está entre 56 e 70 gramas.Faixas de peso diferentes, alteram condições operacionais internas das incubadoras, aumentando ou diminuindo tempo total de incubação.
Idade da matriz
De acordo com a idade da matriz, o tempo de incubação vai se alterando de forma que, durante as 8 semanas iniciais, os nascimentos tendem a atrasar devido ao tamanho do ovo e qualidade da casca (espessura) e, após 30 semanas de produção, atrasam devido ao tamanho do ovo e a quantidade de líquido que deve ser eliminado durante o período de incubação.
Algumas linhagens, devido à qualidade da casca e tamanho do ovo, podem atrasar o nascimento em até 06 horas.
Data de postura (estoque)
O estoque de ovos influi diretamente no tempo total de incubação (ver quadro no capítulo "Incubação de Ovos Sala de Máquinas").
2. Retirada dos Pintos
Obs. 1 :
Quando dois ou mais lotes estiverem prontos ao mesmo tempo, a retirada dos pintos deve começar pelo lote de matrizes mais novas.
Obs 2 :
Retirar os pintos de acordo com a planilha de incubação dos ovos e planilha de expedição dos pintos, observando os manejos determinados para o cliente como sexagem e vacinação.
3. Seleção
 Visual (aspecto visual dos pintos penugem)
 Bicos e olhos
 Pernas
 Umbigo (contaminação)
 Tamanho
 Hidratação
Grande número de incubatórios fazem os manejos de seleção, em conjunto com a retirada dos pintos e após a execução dos demais manejos (sexagem, vacinação), fazem um repasse de seleção.
A qualidade deste tipo de seleção depende de alguns fatores:
 Faixas de separação tipos dos ovos
 Horário correto de retirada
 Idade das matrizes
Obs: toda seleção pode ser bem ou mal feita, o que vai determinar a qualidade da seleção é o treinamento e a qualidade da mão de obra.
4. Sexagem
A sexagem dos pintos de corte é determinada por manejos de criação e abate dos frangos; A sexagem provoca estresse nos pintos como também pode causar lesões de asa e abdômen, levando a um quadro de:
 Aumento da mortalidade inicial
 Condenação de asa no abate
Obs. 1 : É importante ressaltar que a sexagem dos pintos deve ser complementada com a criação dos frangos separados nas granjas, com fornecimento de ração adequada ao sexo e delineamento de abate com ênfase aos ganhos específicos de cada sexo.
Obs. 2 : Alguns criadores de frango (independentes e até integrações), exigem os pintos sexados apenas para ter ¨certeza¨ de que está recebendo meio a meio de machos e fêmeas.
5. Vacinação
A vacinação no incubatório é obrigatória contra a Doença de Marek, porém, a maioria dos pintos de corte é vacinada também contra a Doença de www.fazendacalifornia.com | E-mail:
fazendacalifornia@fazendacalifornia.com
46
Gumboro e, durante o período de calor e chuvas (setembro a março), também podem ser vacinados contra a Bouba Aviária.
Vacinação de Bronquite não é comum e deve ser analisado caso a caso,
quando for solicitado pelo cliente, pois alguns cuidados devem ser tomados
para evitar problemas de transmissão horizontal (repicagem) do vírus vacinal dentro do setor de incubação: • A vacinação de Bronquite deve ser o último manejo com os pintos antes da expedição.
 Fazer a vacinação fora do prédio do incubatório.
 Todos os pintos que estiverem na sala devem ser vacinados (quando somente parte dos pintos serão vacinados, primeiro deve ser feita a expedição dos pintos que não serão vacinados para depois proceder a vacinação) e desinfetar a sala.
Equipamentos de apoio:
 Geladeira
 Banho maria
 Fogão
 Panela de pressão
 Vacinadoras
Preparação da vacina
Após a esterilização dos materiais de uso na vacinação (seringa, agulha, mangueira), iniciar a preparação da vacina.
 Adição de Antibióticos (*)
 Adição de Gumboro
 Adição de Bouba Suave
 Adição de Marek
(*) Obs.: Quando for necessário o uso de Antibióticos junto a vacina, a adição do Antibiótico deve ser feito em primeiro lugar e com tempo suficiente para que haja estabilidade do pH e, não interfiram na qualidade da vacina. (gentamicinas precisam de um mínimo de 20 minutos para estabilizar o PH ).
Vacinação
Qualidade da aplicação
Podemos considerar uma vacinação bem feita quando, nos testes de avaliação (sistema de corantes) encontramos:
 Bem Vacinados > 95 %
 Mal Vacinados < 3 %
 Não Vacinados < 2 %
Tempo preparação / aplicação: (não deve ser superior a 45 minutos)
6. Condição ambiental da sala
As condições ideais para a permanência dos pintos na sala são:
 Temperatura: 22 a 26 graus Celsius
 Umidade relativa: 60 %
 Troca de ar: 100 m 3 /hora x m 2 sala
Exemplo: Uma sala de 10 x 20 = 200 m 2 x 100 = 20.000m 3 de ar / hora
Velocidade ar entre caixas = 60 m por minuto
A quantidade de ar disponível na sala depende da quantidade de pintos e dos manejos realizados na sala e principalmente da qualidade do ar (temperatura e umidade) porém, o fator fundamental é a distribuição do ar dentro da sala com fluxo contínuo de movimentação permitindo o arrasto do ar quente e viciado de dentro das caixas de pintos.
Observações: A distribuição e a movimentação do ar dentro da sala devem seguir alguns pontos:
Entrada de ar no oposto da saída (entradas por cima, saída por baixo) e distribuídas de forma a manter fluxo e velocidade do ar entre as caixas de pintos; Quando a entrada do ar for através de distribuição por ductos sobre a laje, a retirada do ar deve ser através de venezianas (ou até exaustores) instaladas na parte de baixo das quatro paredes da sala, de forma a manter o fluxo entre as caixas e provocar o arrasto da massa de ar quente produzida pelos pintos.
O fornecimento de ar com temperatura acima do ideal (22 a 26 graus Celsius) provoca a necessidade de maior quantidade de trocas de ar e, pode provocar perdas de umidade acima do normal dos pintos, aumentando o risco de desidratação.
7. Expedição de pintos A expedição dos pintos é o fechamento dos trabalhos realizados durante 21 dias de incubação (sem esquecer a produção dos ovos) e manter a qualidade dos pintos passa por cuidados como:
 Limpeza e desinfecção furgão
 Funcionamento dos exaustores, ventiladores e dampers de entrada de ar
 Treinamento e conscientização dos motoristas
8. Automação Equipamentos de apoio como esteiras e mesas de sexagem e vacinação
ajudam muito na qualidade geral dos pintos pois, além de facilitar e agilizar o ritmo
de trabalho, evita o retrabalho e o stress provocado por manejos constantes de retirar
e colocar os pintos nas caixas duas vezes em cada manejo específico.
Este trabalho sobre a “ARTE DE INCUBAR” foi da avipa-avicultura integral e
patologia animal de São Paulo-Brasil.
Contribuiu para este manual a AVIPA, disponibilizando trechos da sua Publicação a
“A ARTE DE INCUBAR”.




Postar um comentário