27 de jul de 2015

Dicas e Cuidados na Criação de Aves Domésticas



Cuidados sanitários

A produção de frangos coloniais requer a implantação de cuidados de biosseguridade. Faz-se necessário respeitar um período mínimo de 14 dias entre alojamentos, após completa limpeza e desinfecção das instalações e dos equipamentos. As aves devem ser vacinadas no incubatório, contra a doença de Marek. Enfermidades como doença de Gumboro, bronquite infecciosa das aves e doença de Newcastle podem ser evitadas por meio da vacinação. O esquema de vacinação deve atender aos desafios sanitários da região em que se localiza a produção e estar em consonância com a orientação do serviço oficial.
A prevenção contra a varíola aviária é feita por meio da vacinação por punção da asa, aos 21 dias de idade, ou via subcutânea, no primeiro dia de vida. Em regiões de alto desafio é recomendado fazer o reforço da vacina contra varíola aviária na quinta semana de idade. O controle de endo e ectoparasitos deve ser realizado com base no monitoramento periódico do lote. O controle da coccidiose pode ser feito pela vacinação das aves nos primeiro dias de vida.

AVES RECÉM CHEGADAS

As aves recém-chegadas de criadores não conhecidos devem ser separadas do plantel por 40 (quarenta) dias e lavar as patas com desinfetantes (água com creolina ou outros), bem como, colocar bolfo embaixo das asas e pernas. Cortar os bicos

EQUIPAMENTOS

De preferência manter os pintos em círculos feito de Eucatex, zinco ou outro material. No centro do circulo a fonte de calor, e ao redor, as bandejas para ração e bebedouros.
Proporção Ideal:
 1 bandeja para 100 pintos
 1 bebedouro de pressão ou pendular para 100 pintos
 1 lâmpada infravermelha de 250W para 500 pintos
 *4 tiras (meia folha) de Eucatex para um circulo de 500 pintos.
 Cortinas

QUADRO DE VACINAS 
(OBS: Se aplica mais à criação de Frango Colonial e Galinha Caipira)
Idade (dias)
Vacina
Via aplicação
Observação
---------------------
1° dia
Marek
Subcutânea
Dose única
-----------------------
7° ao 10°
Bouba
Subcutânea
---------------------
7° ao 10°
Newcastle
Gota ocular ou nasal
---------------------
7° ao 10°
Gumboro
Gota ocular ou nasal
---------------------
7° ao 10°
Bronquite
Gota ocular ou nasal
Revacinar com 6 meses
-------------------------------------------------
30° ao 35°
Coriza
Injetável no músculo do peito
Revacinar com 6º e 120 dias coriza oleosa
---------------------------------------------------------
40° ao 50°
Bouba
Subcutânea membrana da asa
Revacinar anualmente
---------------------------------------------------
40° ao 50°
Newcastle
Gota ocular ou nasal
Revacinar com 6 em 6 meses
-----------------------------------------------------------
40° ao 50°
Gumboro
Gota ocular ou nasal
Revacinar anualmente
--------------------------------------
40° ao 50°
Bronquite
Gota ocular ou nasal
Revacinar anualmente
-----------------------------------------------
70° ao 75°
1ª dose
Salmonela para aves de postura
Meio ml intramuscular
Revacinar com 16 semanas 2 doses
----------------------------------------------------
60° ao 90°
Cólera e tifo aviário
Injetável no músculo do peito


REMÉDIOS CASEIROS, CURIOSIDADES - DICAS E CRENDICES POPULARES

1. A folha de bananeira é boa para combater o verme das aves;
2. O limão e a acerola tem muito ácido cítrico e são bons para combater a coriza;
3. O pó de café tem cafeína que é energético;
4. O alho possui 17 antibióticos, é bom inclusive para coriza;
5. A pimenta e o jerimum fazem a gema do ovo ficar vermelho;
6. O capim pendurado no aviário, evita a bicagem das aves;
7. O óleo de copaíba é ótimo para combater a inflamação;
8. A bicagem das aves, em parte, é devido a falta de cálcio;
9. A casca de ovo tem muito cálcio quando passada no liquidificador (o pó) é excelente para as aves;
10. A moela é o órgão que opera a mastigação dos alimentos, é a dentadura das aves. Se o milho for ingerido inteiro o organismo absorve menos;
11. As fontes que tem muitas vitaminas “C”, e são excelentes para as aves são: acerola, limão, cajá, manga, goiaba, entre outros;
12. As hortaliças também são muito úteis para alimentação das aves: Tomate, quiabo, coentro, feijão em geral.

SOLUÇÕES CASEIRAS PARA ALGUNS PROBLEMAS DE SAÚDE: PIOLHO, RONQUEIRA, VERMES, DIARREIA, EMPENAMENTO.

 Piolho: Adicionar enxofre na ração
 Ronqueira: Uma cabeça de alho amassada em 50 litros de água
 Vermes: Mamão verde, acerola, folhas de bananeira, hortelã miúdo
 Diarreia: Folhas de goiabeira e de bananeira.
 Empenamento (Depenagem é a falta de nutrientes): A solução é batata doce, verduras, cálcio e fosfato.
As criações industriais de galinhas de granja adoecem mais de coriza e gumboro, sobretudo devido ao calor da cama de cavaco. Alguns produtores vacinam de coriza, o que eleva muito o custo de produção.

CURIOSIDADES:

Lampião o "Rei do Cangaço" usava nos seus comandados alguns processos que nos parece um tratamento bem dolorido:
Nas feridas: Cinza, sal, pimenta, fumo:
Nas feridas abertas = Aguardente e pimenta malagueta seca, colocado no orifício das Feridas. O fumo em pó colocado nas feridas abertas, evita infecção e moscas.
Casca de jenipapo para luxações.
Chá de quixaba para cicatrização

INFORMAÇÕES SIMPLES

1. O número ideal de galos para cada galinha, deve ser no mínimo, 1 galo para 5 galinhas e no máximo, 1 galo para 10 galinhas.
2. O tempo útil ideal para uma galinha produzir é de 2 anos, podendo “forçar” até 3 anos. O espermatozoide da ave fica na gordura.
3. Os 12 primeiros dias de um pinto são fundamentais para o seu desenvolvimento futuro.
4. A boa poedeira tem algumas características peculiares: Crista grande com cor viva, cloaca grande, corada e macia.
5. Na gema do ovo gerado, o pinto tem 72 horas de proteção.
6. Uma falha prejudicial do responsável pelas aves: “Está faltando colocar ração, deixa para colocar depois do almoço”. Duas horas, prejudica todo o plantel.
7. Início da postura: 20 semanas ou 5 meses. Tempo de incubação=21 dias
8. Um plantel de galinhas põe em torno de 70% a 80% no primeiro ano de postura.
9. A altura normal dos comedouros e bebedouros, para as galinhas devem ser a altura do peito.
10. Nos galos índio gigante, colocar os comedouros e bebedouros, mais altos com ração mais forte.
11. Os poleiros são importantes na criação das aves semi confinadas, e devem ser sempre no sentido horizontal, com altura de 40 a 50cm do chão. São desaconselhados os poleiros com formato de escadas.
12. No caso de uma construção rústica, é necessário que se tenha uma área coberta para se alojar os equipamentos.
13. As aves ornamentais são estabelecidas pela “American Poultry Association” que publica o livro “Standard of Perfection” que estabelece 175 variedades de aves conhecidas pelas suas características e regiões de origem. A fazenda Califórnia dispõe desse livro para venda (em inglês).
14. Na construção do aviário é bom seguir a seguinte orientação: Sol nascente – aviário – sol poente.
15. Nas aves rústicas, a diferença de peso entre macho e fêmea, oscila em torno de 500grs, dependendo do tipo de criação e do peso total alcançado.
16. A época de mudança de penas, é antes do inverno, e antes do verão.
17. A forma mais segura de saber o sexo, é virar a cloaca da ave, ou, o exame de DNA, realizado com uma gotinha de sangue. Folclore ou não, se diz que, se o pintinho esticar as pernas ao ser pego na mão, é macho, se encolher é fêmea. Os ovos mais redondos nascem fêmeas e os mais bicudos nascem machos.
18. Uma providência simples, mas, importante para a higiene, é um tonel para servir de forno séptico, onde serão queimados todos os animais mortos.
19. Para economizar no desperdício de ração no comedor automático tubular, pode-se colocar um arame em forma de mola, entre o tubo, e o aro evita-se que a galinha puxe com o bico, a ração para o lado de fora.
20. Caso o galo ou a galinha estejam muito gordos, mas, ainda interesse ficar com os mesmos, aconselha-se 3 dias sem ração, apenas bebendo água.
21. Quando os pés das aves mais velhas estiverem com escamas ou peles ressecados pode-se passar querosene para limpá-las.
22. Uma providência interessante para se saber quais as galinhas que estão em postura, quando alojadas em pequenas divisões, é numerar os ovos, de acordo com o número dos compartimentos e depois verificar quantas galinhas eram, e quantos ovos realmente foram colhidos a cada dia. O número no ovo, irá servir para avaliação das poedeiras.
23. Quando chocados, o número identificará em qual divisória, os ovos não estão fertilizados.

FINALMENTE: SE OS CUIDADOS, OS REMÉDIOS E AS “DICAS” NÃO DEREM RESULTADOS E VOCÊ ACREDITAR EM “OLHO GRANDE”

 Cerque a área da ave com sal grosso.
 Na entrada, coloque uma taça também com sal grosso.
 4 dentes de alho nos 4 lados e 1 olho de boi.

COMERCIALIZAÇÃO

A boa opção na criação da raça índio gigante, e que justifique o seu investimento são, as vantagens de ser uma criação solta no campo, rústico, sem hormônio e sem tóxicos, tem um porte avantajado e alcançam na metade do tempo, um volume de peso duas vezes superior ao da caipira. Não existe nada mais saudável para a saúde do que o consumo da carne e ovos do índio gigante, o ovo é a segunda alimentação mais completa de nutrientes do mundo com 93%. O leite materno, sendo a 1ª mais completa.
Na comercialização de forma amadora, os pintos índio gigante, cobrem os custos e garantem um bom lucro ao criador. Para a venda de forma comercial, o investimento, terá que ser compatível com o número de matrizes que se pretende e o lucro que se almeja.
Lembramos que o preço do quilo da galinha de granja varia em torno de R$ 3,50 e o da galinha caipira em torno de R$ 14,00 (4 vezes mais).


CONCLUSÃO

Estabelecemos boas providências para o sucesso de uma criação não industrial, entretanto, se o pequeno criador, ou iniciante, dispensar algumas dessas providências também poderá ser bem sucedido, desde que, a sua assistência pessoal possa ser eficiente no manejo ou delegue a quem a realize com interesse. Sem dúvida as aves criadas soltas, além de saudáveis, sem hormônio ou produtos industrializados, são mais resistentes às bactérias que provocam as doenças.




Postar um comentário