14 de set de 2015

Alimentação para Avestruzes



São omnívoros. A sua alimentação é variável consoante a região e a estação do ano. Normalmente, obtêm a água de que necessitam a partir dos alimentos, por isso, as plantas suculentas são muito importantes em áreas secas.
Engolem pequenas pedras e areia para ajudar a digestão.
Estes animais ingerem vários tipos de alimentos como a erva, sementes, milho, luzerna, feno, areia e ainda um granulado apropriado para avestruzes. No entanto, a luzerna é o alimento preferido. Também ingerem insectos e pequenos vertebrados.

Estes animais ingerem ainda qualquer objecto cuja cor ou forma lhes chame a atenção: calhaus, conchas, pedaços de madeira, etc. mas, o seu estômago é tão forte que até consegue fazer a digestão de metais!




Qual é a alimentação dos avestruzes? 
Os avestruzes são classificados como vegetarianos, embora alguns autores os classificam como onívoros, portanto tem como base de sua alimentação matéria vegetal e animal. Em seu habitat natural, os avestruzes se alimentam de vegetação, principal base de sua dieta, e pequenas insetos.
O aparelho digestivo do avestruz apresenta uma série de características anatômicas e fisiológicas que o diferenciam das demais aves. O pró-ventrículo, além de secretar ácido clorídrico, tem a função de armazenar alimento, tendo função similar a dos animais monogástricos. O grande desenvolvimento dos cecos e do cólon (intestino grosso) são comparáveis aos encontrados em cavalos.
Estas características e em virtude de se tratar a estrutiocultura de uma atividade recente, fazem com que as pesquisas e informações científicas sobre as necessidades nutricionais dos avestruzes sejam escassas e incompletas.
A primeira característica a se destacar e a grande capacidade do avestruz de digerir a fibra presente nos alimentos, o que não existe nas demais aves, o que torna possível a utilização de forragens na sua base de alimentação.
Esta é uma das características que mostra a viabilidade de se criar avestruzes no Brasil.
A fibra é, sobretudo, uma fonte de energia importante para os avestruzes. O grande desenvolvimento do intestino grosso e a existência de uma flora celulítica capaz de romper as moléculas de celulose, hemicelulose e peptinas, para produzir ácidos graxos voláteis que são absorvidos pelas paredes intestinais e conduzidos até o sistema porta hepático, para serem utilizados como fontes de energia. Como conseqüência temos a capacidade de aproveitamento da energia existente nas forrageiras, o que não acontece nas outras aves. Este fato demonstra que os valores de energia metabolizável dos alimentos, que são normalmente utilizados para as aves, encontram-se sub-estimados.
Com relação a energia dos alimentos para avestruz, existem poucos estudos. Mas com conseqüência de seu aparelho digestivo , os valores de energia metabolizável são superiores ao utilizados para as aves.
O excesso de proteína, que é absorvida no intestino delgado, existente nas rações para avestruzes pode levar a problemas de entortamento de pernas e excesso de peso, principalmente em filhotes até 8 semanas.
Com relação às necessidades de aminoácidos essenciais, também não temos um consenso entre os pesquisadores, o que leva a distinta recomendações entre os autores.
Como conseqüência do exposto, os profissionais que formulam as rações para avestruzes devem levar em conta as matérias primas utilizadas para que tenhamos o melhor custo benefício para cada idade da criação.
Praticamente todos os grandes fabricantes de rações comerciais no Brasil já possuem a Ração para Avestruzes em sua linha comercial. Com o aumento dos estudos sobre a nutrição dos avestruzes, temos condições de elevarmos a produção de nossas aves, que já são altas, e reduzir nossos custos de produção.
Alimentação

No tocante a alimentação desta ave, deve-se considerar o consumo de pedras/pedregulhos a serem ingeridos pelas aves até a armazenagem total de 1,5 a 2,0 kg e localizadas no ventrículo, para auxílio na digestão dos alimentos, que devido ao desgaste natural destas pedras devem ser repostas.
A alimentação consiste basicamente de pasto (gramíneas e leguminosas) além de ração balanceada.
1- Pastagens:
- Proporcionalmente as avestruzes pastam mais e com maior eficiência do que o gado, tendo o hábito de pastejar similar ao das ovelhas, privilegiando pastos baixos.
- Qualquer gramínea ou leguminosa é bem aceita. Quanto mais nutritiva for a pastagem, menor o consumo de ração.
- Na ausência de pasto, deve-se fornecer capim elefante ou Cameron picado.
2– Ração:
- Peletizada dá um melhor aproveitamento, menor desperdício e, maior homogeneidade dos nutrientes e vitaminas.
- Como as necessidades nutricionais se modificam de acordo com a idade, deve-se usar diferentes composições de ração para acompanhar estas modificações.
- Existem no mercado rações específicas para avestruzes.


Consumo Médio de Ração

- 01 a 08 semanas de idade*
0,25 a 0,50 kg/cab/dia
- 09 a 16 semanas de idade
0,50 a 1,00 kg/cab/dia
- 17 a 24 semanas de idade
1,00 a 1,40 kg/cab/dia
- 25 a 42 semanas de idade
1,40 a 1,60 kg/cab/dia
- Acima de 42 semanas:
1,60 a 1,80 kg/cab/dia

Manejo

Captura / Contenção: Ao se promover algum trato às aves, deve-se proceder a captura utilizando-se do gancho apropriado para esta finalidade, de forma nenhuma se deve utilizar cordas ou quaisquer outros instrumentos que venha a dificultar a livre respiração destes ou promover traumatismos ao longo do pescoço da ave, a operação deve ser rápida, colocando-se um capuz que vede a passagem de luz , gerando um estado de tranqüilidade ao animal, reduzindo as movimentações, atentando sempre para que quando deste trabalho seja utilizado o mínimo de duas pessoas para execução da tarefa, e em animais maiores e muito pesados, trabalhar com o mínimo de três pessoas para capturar e conter a ave, sempre imobilizando pêlos lados pois o chute frontal pode gerar enorme perigo para quem lida com a ave.

Critérios Básicos para Ingressar na Atividade

- Quando da aquisição de animais além de consultar Profissionais de reconhecida competência, deve visitar criatórios de sucesso para observar a produtividade do plantel, manejo, consangüinidade, defeitos genéticos, experiência do criador.

  1. Manejo alimentar

Segundo Groebbels, 1932, as ratitas são consideradas animais onívoros. Os avestruzes selvagens são consumidores oportunistas de alimentos, comendo uma grande variedade de plantas, sementes. frutas, flores, brotos novos e insetos. Sendo nômades, percorrem grandes distâncias a procura de alimento, freqüentemente agrupando-se próximos a uma fonte de água ou comida. Praticam o coprofagismo (ingestão de fezes) em todas as idades, tendo a sua importância, pois contribui para a formação da flora microbiana intestinal dos animais.
Com a exploração comercial do avestruz, teve início em meados do século passado, uma série de estudos e propostas de regimes alimentares para esta ave, conforme literatura sul-africana. Entretanto, enquanto para outras espécies de aves para carne, tais como os frangos e perus, as exigências nutricionais estão bem definidas, as informações sobre a alimentação de avestruzes em cativeiro são muito limitadas. Na tabela que segue, são apresentados os níveis de nutrientes das rações comerciais para avestruzes disponíveis no mercado norte-americano.
Tabela: níveis de nutrientes típicos de rações para avestruzes (segundo Muirhead,1995):
inicialcrescim/manutreprodução
Proteínas (%)18-2416-2014-20
Fibras (%)5-1010-129-12
Gordura (%)3-83-63-5
Em Kcal/Kg2300-26002000-24002000-2300
Cálcio (%)1,2-2,01,2-1,82,0-3,5
Fósforo (%)0,9-1,20,85-1,21,0-1,2

Para filhotes

A alimentação vai depender do tipo de manejo e qualidade do pasto nos piquetes. Como recomendação geral, pode ser utilizado o esquema apresentado a seguir:
- 0 a 3 semanas: ração balanceada com 19% de proteína, oferecida por 12 horas, estando o filhote com calor e iluminação artificiais. Iniciar a alimentação somente 5 dias depois de eclodidos, pois primeiro precisam terminar de reabsorver o saco vitelínico;
- 3 semanas a 3 meses: ração balanceada oferecida três vezes ao dia, por períodos de 15 a 20 minutos e suplementada com 50g de verde picado/dia/ave (alfafa, beldroega, soja perene, ou similares);
- após 3 meses: mesmo procedimento anterior suplementado com feno de leguminosas, capim picado e pasto.

acesso à pastagem dos piquetes, ajuda a treinar os filhotes a pastar e ainda promover uma função intestinal sadia. O limite sugerido de 50g/filhote/dia de alimentos ricos em fibras longas é para que não venha a desequilibrar seriamente a absorção de cálcio e fósforo. A alfafa, por exemplo, tem relação cálcio/fósforo = 6:1. A redução nos níveis de proteína é necessária para evitar excessivo ganho de peso nesta fase, que contribui para o aparecimento da síndrome do entortamento das pernas.
Deverá ser oferecida, em todas as faixas etárias, granito ou pedrinhas (variando a granulação de acordo com o tamanho da ave) para auxiliar na digestão. Não deve ser utilizado farinha de ostras para não desequilibrar a relação Ca/P.
Uma maneira prática de se determinar a granulometria das pedrinhas para cada faixa de idade, basta calcular pela metade do tamanho da unha do dedo da ave.
A recusa dos filhotes ao alimento ou à água pode ser superada através de uma das seguintes técnicas:
- introduzir filhotes mais velhos (duas a três semanas de idade) junto aos recém-nascidos; acrescentar alimento verde picado, como por exemplo, grama, espinafre, beldroega, couve ou alfafa ao alimento; 
- espalhar um punhado de ração no piso e ao redor do comedouro. Os avestruzinhos preferem a cor verde e não sabem comer nos comedouros. Aos poucos, reduzir a área com alimento no chão para mais próximo do comedouro.

Aves com mais de três meses

O consumo de alimento é de 0,5Kg/dia até seis semanas de idade, aumentando gradativamente até os 2Kg/dia, com ganhos em peso variando de 100 a 400g/dia. Aproximadamente, dos 14 aos 18 meses de idade, o avestruz deve atingir o pleno desenvolvimento de seu corpo, sendo que, a partir daí, será necessário alimento apenas para manutenção. Na tabela que segue, são apresentados os valores médios de ingestão de alimentos e ganho em peso de avestruzes de 6 a 50 semanas de idade.
Tabela: valores médios de ganho de peso e ingestão de alimentos:
Idade (sem.)681014182226303438424650
Peso (kg)5,911,316,128,640,451,561,271,279,486,291,996,699
Ingestão (kg/d)0,50,70,81,11,51,82,01,92,01,91,92,02,0
Ganho peso(kg/d)0,270,340,450,410,380,340,340,300,250,180,160,110,10
Tabela: média de altura do avestruz por idade:
Idade (meses)123456
Altura (m)0,5 a 0,70,65 a 1,20,9 a 1,651,0 a 1,81,4 a 2,01,75
Após atingir a maturidade sexual em aproximadamente dois anos, as aves reprodutoras devem receber uma ração especial. As taxas alimentares exigidas dependerão das condições de pastagem mas, como uma orientação, os machos e as fêmeas que não estão acasalando podem consumir aproximadamente 1 a 1,5 Kg de ração peletizada ao dia, e as poedeiras até 2 a 3 Kg e livre acesso a um volumoso de qualidade. A ração deve conter no máximo 16% de proteína. Recomendam-se pesagens periódicas para controle do peso dos reprodutores, pois aves com excesso de gordura não se reproduzem e podem vir a morrer.
Atenção: O controle da taxa de crescimento é essencial; o ganho excessivo de peso corporal é um dos fatores para surgimento de problemas de entortamento das pernas nas avestruzes jovens.
Algumas restrições alimentares podem ser adotadas a partir de três semanas de idade para reduzir o ganho de peso Portanto, é necessário a pesagem periódica dos filhotes com registro destas e de outras informações em fichas zootécnicas para auxiliar no controle da alimentação e de todo o sistema de criação. O criador deve sempre:
- Fornecer água em quantidade e qualidade (um avestruz adulto chega a beber até 10 litros de água por dia);
- Manter o alimento fresco e os cochos limpos;
- Diminuir os desperdícios; 
- Manter a suplementação da ração com fibras e pedriscos, a fim de assegurar função digestiva sadia e apetite.

Em alguns casos, os filhotes não começam a comer. Para estimulá-los, é recomendável colocar filhotes mais velhos juntamente com os filhotinhos e esparramar uns punhados de ração em volta do comedouro.

Impactação

A impactação proveniente de areia, pedregulho, cascalho ou vegetais, pode ser um problema para os filhotinhos. Ela está relacionada a tendência do avestruz em ingerir matéria estranha de seu ambiente. Há uma alta incidência de impactação em filhotes com menos de duas semanas de idade, provocada pelo capim. Os filhotes com menos de 5 meses de idade, inclusive, não devem ficar em piquetes com árvores, pois eles apanham galhos. Para evitar a impactação, o material usado no piso dos piquetes de criação deve ser relativamente leve e fino.
No avestruz adulto, a impactação com areia e pedregulho (cascalho) é relativamente comum. Para impactações com areia, sujeira ou alimento, o tratamento é feito, utilizando-se eletrólitos orais e suplementação de energia. Para prevenir impactação por corpos estranhos nas aves adultas, deve-se remover materiais estranhos dos piquetes, como pedaços de arames.
Excluindo a ingestão de materiais brilhantes, pregos, etc., está provado que o maior fator para a impactação por capins, areia e outros produtos normais nas instalações, ou seja, o consumo excessivo destes produtos seria um distúrbio na alimentação provocado por situações de stress.
Para estimulação do desenvolvimento normal dos filhotes, é fundamental que eles tenham um espaço adequado no qual possam se exercitar. Nas savanas, os filhotes com menos de três meses de idade viajam 8 a 30 quilômetros por dia seguindo seus pais.
Empregar pais adotivos para motivar o exercício dos filhotes causa menos stress do que quando estes são forçados pelos proprietários das aves a se exercitarem. Na África do Sul, pais adotivos são usados para ajudar a criar os filhotes e assegurar exercício apropriado. Geralmente, as aves escolhidas como pais adotivos são mais velhas, dóceis, de fácil manejo e não ficam estressadas facilmente. Os filhotes mais velhos também tendem a ajudar os filhotes mais jovens introduzidos no rebanho.

Ração

Segue um exemplo de composição de ração comercial americana para ratitas (avestruz, emu e ema) de O a 6 meses, onde o fabricante recomenda iniciar a administração da mesma 3 a 4 vezes ao dia, em quantidade que os filhotes comam em 30 minutos. O mesmo cita a importância dos filhotinhos estarem em condições de instalação que proporcione exercitarem-se plenamente. Se os animais estiverem alcançando ganho de peso superior ao desejado, recomenda substituir por uma formulação similar, mas com apenas 18% de proteína (a referida contém 22% de proteína) para evitar o entortamento das pernas:
- Proteína bruta, não menos que 22%;
- Gorduras, mínimo de 4%; 
- Fibra bruta, no máximo 8,9%; 
- Cinzas, no máximo 12,9%; 
- Cálcio, no máximo 1,8%;
- Cálcio, no mínimo 1,3%; 
- Fósforo, no mínimo 1,0%; 
- Cloreto de Sódio, no máximo 0,6%; 
- Cloreto de Sódio, no mínimo 0,1%; 
- Magnésio, no mínimo 0.15%;
- Zinco, no mínimo 220ppm; 
- Manganês, no mínimo 250ppm; 
- Cobre, no mínimo 60ppm; 
- Selênio, no mínimo 0,5ppm;
- Vitamina A, no mínimo 13.200 Ul/Kg; 
- Vitamina D3, no mínimo 5.200 Ul/Kg;
- Vitamina E, no mínimo 220 Ul/Kg;
- Menadiona (Vit. K3), no mínimo 6,6mg/Kg;
- Colina, no mínimo 2.640mg/Kg;
- Ácido d-Pantotenico, mm. 35,2mg/Kg;
- Niacina, mínimo 132mg/Kg;
- Tiamina, mínimo 26,4mg/Kg; 
- Riboflavina (vit. B2), no mínimo 26,4mg/Kg; 
- Vitamina B6, no mínimo 24,2mg/Kg;
- Ácido fólico, no mínimo 6,6mg/Kg; 
- Biotina, no mínimo O,66mg/Kg; 
- Vitamina B12, no mínimo 55mcg/Kg; 
- Ácido Linoleico, não menos que 1,2%.




Postar um comentário